GÊNESIS 1:1-3 E SUAS PRINCIPAIS TEORIAS EVANGÉLICAS DE INTERPRETAÇÃO

Autores

  • Elias Antonio Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Palavras-chave:

Gênesis 1, Sem forma e vazia, Teoria da lacuna

Resumo

O presente texto tem como objetivo analisar reflexivamente os dois versículos iniciais do primeiro livro do Antigo Testamento judaico/cristão, o Gênesis, levando em consideração seu contexto e perscrutando as teorias evangélicas desenvolvidas em torno dos mesmos, a fim de que se possa apreender qual dessas é mais coerente. Para tal, foi utilizada uma abordagem qualitativa, através de análise documental da perícope anteriormente mencionada, bem como revisão de literatura com obras que versam sobre a temática. Desse modo, incialmente, fez-se levantamento de questões gerais sobre o livro de Gênesis, a fim de se ter uma base para os passos seguintes; após isto, buscou-se as principais teorias acerca de Gênesis 1:1-3; seguiu-se então com análise da perícope escolhida, isto é, Gênesis 1:1-2, confrontando as teorias anteriormente levantadas com as descobertas feitas. Observou-se que o versículo 1 se refere a uma primeira ação divina, sendo o versículo 2 a descrição do estado desta. Neste sentido, viu-se que a expressão “sem forma e vazia”, na verdade, quer transmitir a ideia de algo inapropriado para a vida humana e, consequentemente, sem esta. Conclui-se que a teoria que mais coerentemente se porta com o texto bíblico, numa perspectiva evangélica, é a do “caos inicial”, ainda que a ideia de “caos” não seja tão familiar à perícope.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERMAN, Marshall. Introdução: Modernidade – Ontem, Hoje e Amanhã. In: Tudo que é sólido se desmancha no ar. A aventura da modernidade. Tradução: Carlos Felipe Moisés; Ana Maria L. Ioriatti. 1ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1986. p. 15-36.

BÍBLIA – TRADUÇÃO ECUMÊNICA. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

BÍBLIA DE ESTUDO PALAVRAS-CHAVE HEBRAICO E GREGO. 4. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.

BÍBLIA DE JERUSALÉM. 1. ed. 13ª reimp. São Paulo: Paulus, 2019.

CALVINO, João. Comentário de Gênesis 1:1-2. Tradução: Fabrício Moraes. Bereianos, 2015. Disponível em: <https://bereianos.blogspot.com/2015/06/comentario-de-genesis-11-2.html>. Acesso em: 07 de set. de 2019.

CRISP, Ron. Estudo sobre Gênesis 1.1,2. Palavra Prudente, 2015. Disponível em: <https://palavraprudente.com.br/biblia/guia-de-estudo-para-genesis/estudo-sobre-genesis-1-12/>. Acesso em: 14 de set. de 2019.

DEFFINBAUGH, Bob. 2. A Criação dos Céus e da Terra (Gênesis 1:1 - 2:3). Tradução: Mariza Regina de Souza. Bible, 2006. Disponível em: <https://bible.org/seriespage/cria%C3%A7%C3%A3o-dos-c%C3%A9us-e-da-terra-g%C3%AAnesis-11-23>. Acesso em: 10 de jan. de 2020.

DEUS. In: DOUGLAS, J. D. (org.). O Novo Dicionário da Bíblia. Tradução: João Bentes. 3. ed. rev. São Paulo: Vida Nova, 2006. p. 332-335.

ENGELSMA, David. Gênesis 1-11: História ou Mito? Tradução: Fireland Missions. [s.l.]: Fireland Missions, 2013. Disponível em: <https://1290bf67-7397-5989-a404-2263e7e54322.filesusr.com/ugd/62233d_444d1aaf4cc64c4f9c576f6f6791d3e7.pdf>. Acesso em: 20 de jul. de 2021

ESTAR; TORNAR. In: FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio Século XXI Escolar: O minidicionário da língua portuguesa. 4. ed. rev. ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. p. 293, 677.

LOURENÇO, Rosenery Loureiro. Movimentos Religiosos Contemporâneos. Curitiba (PR): SGEC - IEQ, 2012.

MEISTER, Mauro Fernando. A questão dos pressupostos na interpretação de Gênesis 1.1 e 2. Revista Fides Reformata, v. 5, n. 2, p. 143-158, 2000. Disponível em: <http://www.monergismo.com/textos/criacao/pressupostos_mauro.pdf>. Acesso em: 14 de set. de 2019.

MERRILL, Eugene H. A autobiografia de Deus. In: Teologia do Antigo Testamento. Tradução: Helena Aranha; Regina Aranha. São Paulo: Shedd Publicações, 2009. p. 51-85.

NASCIMENTO, Misael Batista do. Princípios de Interpretação Bíblica. Monergismo, 2004. Disponível em: <http://www.monergismo.com/textos/hermeneuticas/hermeneutica_misael.htm>. Acesso em: 16 de set. de 2021.

NUNES JÚNIOR, Edson Magalhães. Tōhû e Bōhû. In: A terra em Gênesis 1-9: uma leitura microscópica crítica da narrativa. 2017. 140 f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Judaicos, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: <https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8158/tde-17052018-134150/publico/2017_EdsonMagalhaesNunesJunior_VOrig.pdf>. Acesso em: 21 de mar. de 2021. p. 17-28.

SANTOS, Elias Antonio Batista. Na perspectiva da autoria mosaica: questões introdutórias sobre o livro de Gênesis. In: VII Seminário Científico do UNIFACIG: Sociedade, Ciência e Tecnologia e VI Jornada de Iniciação Científica, n. 7, 2021. Anais... Manhuaçu (MG), p. 1-5. Disponível em: <http://www.pensaracademico.facig.edu.br/index.php/semiariocientifico/article/download/2866/2518>. Acesso em: 14 de jun. de 2022.

VANGEMEREN, Willem A. (org.). Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese. Tradução: Equipe de colaboradores da Editora Cultura Cristã. São Paulo: Cultura Cristã, 2011. v. 1.

Downloads

Publicado

2023-05-14

Como Citar

ANTONIO BATISTA SANTOS, Elias. GÊNESIS 1:1-3 E SUAS PRINCIPAIS TEORIAS EVANGÉLICAS DE INTERPRETAÇÃO. Revista Areia, [S. l.], v. 6, n. 7, p. 53–65, 2023. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13733. Acesso em: 16 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos