O relato de viagem e a historiografia literária sobre o Brasil: incursões colonizadoras

Autores

  • Juliano Fabrício de Oliveira Maltez Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.28998/2317-9945.2021v1n70p184-196

Palavras-chave:

Colonização. Relato de viagem. Historiografia literária. Imigração e cultura austríaca

Resumo

Pretende-se analisar a incursão cultural no Brasil pelo Império Austríaco na década de sessenta, oitocentista. O relato de viagem A narrativa de circunavegação do globo pela fragata Novara (1861), de Karl Scherzer (1821-1903), como também a História da Literatura Nacional Brasileira (1862), de Ferdinand Wolf (1796-1866), refletem as ambições “civilizatórias” de uma nação que reivindicava para si o legado deixado por impérios anteriores, de um povo gerado no choque entre o romano cristão e as tribos germânicas. Neste sentido, que se pode traçar algumas discussões do efeito político, econômico e cultural de experiências imperialista austríacas no Brasil, e de como o relato de viagem e a historiografia literária tiveram êxitos distintos em suas imposições colonizadoras, sendo este rebatido por tudo que representava no campo estético e político, já aquele servindo para incitar um imaginário propício à migração.

Biografia do Autor

Juliano Fabrício de Oliveira Maltez, Universidade de São Paulo

Doutorando pela Universidade de São Paulo em Literatura Brasileira.

Downloads

Publicado

14/07/2021

Como Citar

MALTEZ, J. F. de O. O relato de viagem e a historiografia literária sobre o Brasil: incursões colonizadoras. Leitura, [S. l.], v. 1, n. 70, p. 184–196, 2021. DOI: 10.28998/2317-9945.2021v1n70p184-196. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/11635. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Estudos Literários