É preciso se transformar em outro para ser tu mesmo: educação Kaingang e políticas afirmativas para ingresso no ensino superior

Autores

Palavras-chave:

Educação, Xamanismo, Políticas Afirmativas, Povo Kaingang

Resumo

Esse artigo busca compreender a educação a partir de um processo de transformação junto a todos os seres do cosmos, a partir da episteme do Povo Kaingang e do conceito êg jykre. A etnografia traz formas de ensinar e aprender que acontecem no caminhar entre as instituições de ensino superior e os territórios indígenas junto a mulheres estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e três kujá (pajés) Kaingang. O esforço etnográfico está em perceber uma educação que acontece na relação com a instituição de ensino superior (aqui pensada como um ser com a marca clânica kamē) a partir das abordagens da Antropologia da Aprendizagem e da Ciência Kaingang, que possui uma episteme organizada em noções duais de conhecimento, embasada nas marcas clânicas Kamē e Kanhru, também chamadas de rá tẽj e rá ror. Assim, aprender está relacionado às ideias de complementariedade e captura de alteridades potentes. Para tanto, também trago a categoria tãn e a compreensão da humanidade e da potência que perpassa todos os seres do cosmos. Com isso, pretendo contribuir para as reflexões sobre as políticas afirmativas desde uma perspectiva do encontro de diferentes ciências.

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. Locating Ethnography. In: Ethnography. 1(2), p. 261-267, 2000.

BAPTISTA DA SILVA, Sergio. Dualismo e cosmologia Kaingang: o xamã e o domínio da floresta. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre PPGAS/UFRGS, v. 8, n. 18, p.188-209, 2002.

BAPTISTA DA SILVA, Sergio. Cartografia Sociocultural de espaços e práticas educativos ameríndios: refletindo sobre a indigenização da escola. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre PPGAS/UFRGS, v. 7, n. 2, p. 227-238, 2013

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação? São Paulo: Brasiliense, 1995.

CARVALHO, José Jorge; FLÓREZ FLÓREZ, Juliana. Encuentro de Saberes: Proyecto para decolonizar el conocimiento universitário eurocéntrico. Nómadas (Col), Universidad Central Bogotá, Colombia, núm. 41, octubre, pp. 131-147, 2014.

CRÉPEAU, Robert R. Les Substances du Chamanisme Perspectives sud- amérindiennes. Anthropologie et Societés, v. 31, n. 3, p. 107-125, 2007.

CRÉPEAU, Robert R. LES ANIMAUX OBÉISSENT AUSSI À LA RELIGION. Paradoxes du chamanisme Kaingang (Brésil) en contexte pluraliste. Anthropologie et Societés, v. 39, n 1-2, p. 229-249, 2015.

FONSECA, Claudia. "Lá onde, cara pálida? Pensando as glórias e os limites do "campo etnográfico". In: Etnografia, o espírito da Antropologia. Tecendo linhagens. Homenagem a Claudia Fonseca / Organizadoras: Jurema Brites e Flávia de Mattos Motta. 1. ed. - Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2017

GOLDMAN Marcio. Os tambores dos mortos e os tambores dos vivos: etnografia, antropologia e política em Ilhéus. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, volume 46, n.2, p. 423-444, 2003.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010 - Características Gerais dos Indígena. Resultados do Universo. Censo demogr., Rio de Janeiro, p.1- 245, 2010.

INGOLD, Tim. O dédalo e o labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 44, p. 21-36, jul./dez. 2015

INGOLD, Tim. Chega de etnografia!. Educação, Porto Alegre, v. 39, n. 3, p. 404- 411, set.-dez. 2016.

INGOLD, TIM. Da transmissão de representações à educação da atenção. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 6-25, jan./abr. 2010

LANGDON, Esther Jean. Xamãs e xamanismos: reflexões autobiográficas e intertextuais sobre a antropologia. ILHA. Florianópolis, volume 11, número 2, p.162 - 191, 2010.

LAVE, Jean. Aprendizagem como/na prática. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 44, p. 37-48, jul./dez. 2015.

MABILDE, Pierre F. A. Booth. Apontamentos sobre indígenas selvagens da nação Coroados dos matos da província do Rio Grande do Sul: 1836-1866. São Paulo: Ibrasa; Brasília : INL, 1983.

MARÉCHAL, Clémentine. "Eu luto desde que me conheço como gente: Territorialidade e cosmopolítica Kanhgág enfrentando o poder colonial no sul do Brasil." Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Porto Alegre, BR-RS, 2015.

MARCUS, George E. Etnografía en/del sistema mundo. El surgimiento de la etnografía multilocal. Alteridades, 2001,11 (22): Págs. 111-127.

PÉTONNET, Colette. Uma entrevista com Colette Pétonnet. [Entrevista concedida a Revue Urbanism]. Thierry Paquot com colaboração de Claudia Fonseca. Etnografia, o espírito da Antropologia: Tecendo Linhagens homenagem a Claudia Fonseca. Org.: Brites, Jurema e Motta, Flávia de Mattos. 1. ed. - Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2017.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

RELATÓRIO ANUAL DO PROGRAMA DE AÇÕES AFIRMATIVAS. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre/Rio Grande do Sul, 2016.

SAMPAIO, Osias Awá-Mboparadjú Guarani Ramos. A UNIVERSIDADE COMO ÁREA DE INFLUÊNCIA, NO OLHAR DE UM GUARANI. Iluminuras, Porto Alegre, v. 18, n. 43, p. 134-157, jan/jul, 2017.

ROSA, Rogerio Reus Gonçalves da; NUNES, Rojane Brum. Educação escolar indígena e/ou educação indígena: questões e possibilidades para “kainganguizar” a escola. Século XXI, Revista de Ciências Sociais, v.3, no 1, p.88-119, jan./jun. 2013.

SCHWEIG, Ana Letícia. A educação pela terra: professores Kaingang, territorialidades e políticas estatais. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós- Graduação em Antropologia Social, Porto Alegre, BR-RS, 2018.

STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia (seguido de comentários e resposta). São Paulo: Terceiro Nome, p.27-85, 2013.

STRATHERN, Ann Marilyn. A pessoa como um todo e seus artefatos. In: O Efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, pg. 487-509, 2014.

STRATHERN, Ann Marilyn. Revolvendo as raízes da antropologia: algumas reflexões sobre “relações”. Revista de Antropologia, v. 59(1), pp. 224 – 257, 2016.

VILLAÇA, Aparecida. Chronically unstable bodies. Journal of the Royal Anthropological Institute, n. 11, p. 445-464, 2005.

WAGNER, Roy. A presunção da cultura e A cultura como criatividade. In: A invenção da cultura [1975]. São Paulo: Ubu Editora, 240pp., 2017.

WAGNER, Roy. A invenção da Antropologia - Roy Wagner e a Revolução nos modos de pensar. Folha de São Paulo. Ferrari, Florencia; Dulley, Iracema; Pinheiro, Jamille; Valentini, Luísa; Sztutman, Renato e Marras, Stelio. Entrevista. Folha de São Paulo. Abril, 1 2012.

Downloads

Publicado

27/05/2021

Edição

Seção

Encontro de Saberes: Transversalidades e Experiências