Alargar bordas: entre o saber e o conhecer

Autores

Palavras-chave:

Espiritualidade. Cosmopolítica. Aprendizagem. Quilombos.

Resumo

Neste artigo descrevoas relações que a Comunidade Kilombola Morada da Paz, situada em Triunfo/RS, estabelece com os espaços universitários através da ideia de borda, possibilidade criativa de feitura da vida com a diferença que não implica a submissão de uma sobre a outra, nem a diluição homogeneizante de ambas. A partir da borda, a Morada diferencia o saber, enraizado nas vivências comunitárias, do o conhecer, próprio dos espaços do universitários. Não nega a relação com estes espaços, mas atua neles em função da guerra cósmica da qual participa, apropriando-se do que pode fortalecer seus propósitos comunitários. Ao fazer isso, traz para o interior dos espaços de conhecimento a compreensão de que a palavra é magia, dotando outros sentidos a fala e a escuta, mesmo quando não convidada a isso. Argumento ser uma forma de ‘alargamento da borda’ para garantir a manutenção da sua própria existência.

Biografia do Autor

Luiza Dias Flores, Universidade Federal do Amazonas

Professora do Departamento de Antropologia da Universidade Federal do Amazonas. Doutora em Antropologia Social (UFRJ/MN), mestra em Sociologia e Antropologia (UFRJ/IFCS) e bacharela em Ciências Sociais (UFRGS). Tem experiência de pesquisa em Antropologia das populações afro-brasileiras, com principal interesse às cosmopolíticas afro-brasileiras e teorias etnográficas da contramestiçagem, e nos debates Feministas, com destaque aos feminismos interseccionais, feminismos comunitários e ecofeminismos.

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. “Writing against culture”. In: FOX, Richard G.. Recapturing anthropology: working in the present – Seminar. Santa Fe, New Mexico – School of American Research Press, 1991.

BATESON, Gregory. Pasos hacia uma ecologia de la mente. Buenos Aires: Ediciones Lohlé-Lumen, 1991.

DELEUZE, Gilles. Espinoza – filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

AUTOR. 2018.

HARNEY, Stefano; MOTEN, Fred. The undercommons: fugitive planning and black study. New York: minor compositions, 2013.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

LORDE, Audre. Irmã Outsider: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2019.

MILAN, Elisana; MORO, Rosemeri. O conceito biogeográfico de ecótono. Revista Terra Plural. Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, v. 10, n. 1, 2016.

MOLLISON, Bill; SLAY, Reny Mia. Introducción a la permacultura. Tasmânia: Tagari, 1994.

NASCIMENTO, Abdias do. O Quilombismo. Petrópolis: Vozes, 1980.

OKARAN, Coletivo de pesquisadoras e pesquisadores kilombolas. Um jeito de ser e de viver no Kilombo de Mãe Preta. Série Saberes Tradicionais, vol. 3. São Leopoldo: OLMA e Casa Leiria, 2020.

SANTOS, Antônio Bispo. Colonização, Quilombos – Modos e Significações. Brasília: INCTI, 2015.

SPINOZA, Benedictus. Ética. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

STENGERS, Isabelle. “The Curse of tolerance”. In: Cosmopolitics II. London: University of minessota press, 2011.

Downloads

Publicado

27/05/2021

Edição

Seção

Encontro de Saberes: Transversalidades e Experiências