Relatos de experiências do Projeto Encontro de Saberes na UFRR e na FURG

Autores

  • Letícia Cao Ponso Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Pablo de Castro Albernaz Universidade Federal de Roraima https://orcid.org/0000-0003-3510-4048

DOI:

https://doi.org/10.28998/rm.2021.n.especial.11006

Palavras-chave:

Ações afirmativas, Encontro de saberes, Universidades.

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão entre experiências do projeto Encontro de Saberes em duas universidades federais brasileiras: as localizadas mais ao Norte (UFRR) e mais ao Sul do Brasil (FURG), distantes cerca de 5.533 quilômetros uma da outra. Ancorados nos pressupostos teórico-metodológicos do Projeto Encontro de Saberes (INCTI-CNPq), buscamos descrever a implementação desse projeto na UFRR e FURG e refletir sobre o seu papel na recriação de trajetórias acadêmicas de graduandos e pós-graduandos, mestres tradicionais e docentes, bem como sobre a importância dessa disciplina para uma política da permanência e conclusão de cursos desses mesmos estudantes.

Biografia do Autor

Letícia Cao Ponso, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio Grande, onde também atua como membro do corpo docente do Programa de Pós-graduação em Linguística e Ensino de Língua Portuguesa. Doutora em Teoria e Análise Linguística pela Universidade Federal Fluminense, com estágio-sanduíche na Universidade Eduardo Mondlane - Moçambique, com tese sobre identidades, práticas e representações linguísticas acerca do português em contato com as línguas autóctones moçambicanas no contexto pós-colonial. Mestre em Estudos da Linguagem e graduada em Letras - Licenciatura Plena Português-Latim pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua como pesquisadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas da Universidade Federal de Rio Grande (NEABI-FURG) e do Grupo de Pesquisa Políticas Linguísticas Críticas (UFSC). Seus interesses estão direcionados para a área de ensino de Língua Portuguesa, Política Linguística, Sociolinguística e Línguas em Contato, abrangendo multilinguismo, interculturalidade, processos de variação e mudança das línguas minoritárias. 

Pablo de Castro Albernaz, Universidade Federal de Roraima

Possui Ph.D em Antropologia pela Eberhard Karls Universität Tübingen (EKU), Alemanha, mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), especialização em Memória, Identidade e Cultura Material pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), e graduação em História pela Universidade Federal de Rio Grande. Atualmente é Professor Adjunto do Instituto de Antropologia da Universidade Federal de Roraima (UFRR).

Referências

BAKHTIN, M. 2010 [1952-53]. Os gêneros do discurso. In: M. BAKHTIN (ed.), Estética da criação verbal. 5. ed. São Paulo, Editora WMF Martins Fontes, p. 261-306.

BANDEIRA, C. da C. 2019. Coletivo Macanudos: espaço de acolhimento e resistência. “SobreVivências” dos alunos negros no espaço universitário. Rio Grande, RS. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio Grande - FURG.

BARROSO-HOFMANN, M. 2005. Direitos culturais diferenciados, ações afirmativas e etnodesenvolvimento: algumas questões em torno do debate sobre ensino superior para os povos indígenas no Brasil. In: Simpósio Antropologia Aplicada y Políticas Públicas do 1º Congreso Latinoamericano de Antropologia. Anais. Rosário, Argentina, entre 11 e 15 de julho de 2005.

BELTRÃO, J. F.; CUNHA, M. J. S. 2011. Resposta à diversidade: Políticas Afirmativas para povos tradicionais. A experiência da Universidade Federal do Pará. Espaço Ameríndio, 5 (3): p. 10-38.

BRASIL, 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Escolar Quilombola. MEC/CEB, 2012. BRASIL, Resolução Nº 08 de novembro de 2012. Brasília, MEC.

CARVALHO, J. J. de. 2018. Encontro de Saberes e descolonização: para uma refundação étnica, racial e epistêmica das universidades brasileiras. In: J. BERNARDINO-COSTA; N. MALDONADO-TORRES; R. GROSFOGUEL. (ed.), Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1. ed. Belo Horizonte, Autêntica Editora.

CESAR, A. L. S.; MAHER, T. M. 2018. Políticas linguísticas e políticas de identidade em contexto indígena – uma introdução. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 57(3): p. 1297-1312. http://dx.doi.org/10.1590/010318138653792446711

FREITAS, A. E. de C. (org.). 2015. Intelectuais indígenas e a construção da universidade pluriétnica no Brasil: povos indígenas e os novos contornos do programa de educação tutorial/conexões de saberes. 1. ed. Rio de Janeiro, E-papers, 318 p.

MAKONI, S.; PENNYCOOK, A. (orgs.). 2005. Disinventing and Reconstituting Languages. Critical Inquiry In Language Studies: An International Journal, 2(3), pp. 137–156.

MALDONADO-TORRES, N. 2008. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: S. CASTRO-GÓMEZ; R. GROSFOGUEL (ed.), El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá, Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, p. 127-167.

PONSO, Letícia Cao. Letramento acadêmico indígena e quilombola: uma política linguística afirmativa voltada à intercultura-lidade crítica. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 57, p. 1512-1533, 2018.

SANTOS, A. B. 2015. Colonização, Quilombos. Modos e Significações, 9-15. Brasília: Instituto de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa.

SILVA, P. B.; SILVÉRIO, V. R. (orgs.). Educação e ações afirmativa: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: INEP, 2003b, p. 115-128.

SITO, L. R. S. 2016. Escritas afirmativas: estratégias criativas para subverter a colonialidade em trajetórias de letramento acadêmico. Campinas, SP. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, 295 p.

STREET, B. 2014. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo, Parábola Editorial, 240 p.

WALSH, C. 2013. Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ediciones Abya-Yala, 553 p.

ZAVALA, V. 2010. Quem está dizendo isso?: letramento acadêmico, identidade e poder na educação superior. In: C. VÓVIO; L. SITO; P. De GRANDE (ed.), Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisas em linguística aplicada. Campinas, SP, Mercado de Letras, p. 71-98.

Downloads

Publicado

17/12/2021

Edição

Seção

Encontro de Saberes: Transversalidades e Experiências