Negras antropologias: escrevivências de antropólogas na Pós-Graduação

Autores

  • Yérsia Souza de Assis UFSC
  • Larisse Louise Pontes Gomes UFSC

DOI:

https://doi.org/10.28998/rm.2021.n.especial.11012

Palavras-chave:

Ações Afirmativas, Políticas de Cotas, Pós-Graduação, Antropologia, Mulheres Negras

Resumo

Fruto das inquietações de duas jovens antropólogas negras, este trabalho pretende discutir como a entrada de mais estudantes nos Programas de Pós-Graduação, através das políticas de reserva de vagas, aciona outros debates sobre o panorama da educação superior pública brasileira. Nosso enfoque se organiza a partir das nossas experiências como discentes no PPGAS - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina. Entendemos que as nossas experiências universitárias podem ser contribuições aos entendimentos, mediações e justaposições nos fluxos e contrafluxos que acontecem no cenário da pós-graduação quando da inserção de perfis que historicamente pouco ou nada ocuparam esses lugares. Para isso, situamos as Ações Afirmativas no Brasil nas suas iniciativas educacionais. Em seguida, nos localizamos e refletimos sobre nossas vivências. Por fim, apontamos que tipos de resultados começam a ser garantidos, especialmente na Antropologia. 

Referências

ASSIS, Yérsia Souza de. A Experiência Das Ações Afirmativas na Universidade Federal de Sergipe: Os cursos de Direito e Medicina. Dissertação. Mestrado em Antropologia Social. São Cristóvão. 2014a.

__________. Relações sociais e sentidos de justiça social após a adoção da política de cotas na Universidade Federal de Sergipe. Tomo, (24), 297-334.2014b

CARVALHO, José Jorge de. Usos e abusos da antropologia em um contexto de tensão racial: o caso das cotas para negros na UnB. Horiz. antropol., Porto Alegre , v. 11, n. 23, p. 237-246, June 2005 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

________. O confinamento racial do mundo acadêmico brasileiro. Revista USP, (68). 2006.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista Negro: conhecimento, consciência e política do empoderamento. Tradução de Jamile Pinheiro Dias. São Paulo, Editora Boitempo. 2019. p. 135-178

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Soc. estado. [online]. 2016, vol.31, n.1 [cited 2021-04-22], pp.99-127. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922016000100099&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0102-6992. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100006.

DOMINGUES, Petrônio. O recinto sagrado: educação e antirracismo no Brasil. Cad. Pesqui vol.39, no.138, Dez 2009.

EVARISTO, Conceição. Da Grafia-desenho De Minha Mãe Um Dos Lugares De Nascimento De Minha Escrita. IN: ALEXANDRE, Marcos Antônio. Representações Performáticas Brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Mazza Edições, 2007, p. 16-21.

FIGUEIREDO, ngela. Descolonização do Conhecimento no Século XXI. In: SANTIAGO, Ana Rita et al (orgs.). Descolonização do conhecimento no contexto afro-brasileiro. Cruz das Almas/BA : UFRB, 2017

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Coleção Educação e Mudança, vol. 1). 1983.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro Educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis/Rio de Janeiro: Vozes. 2017

GOMES, Larisse Louise Pontes. O “outro” sou “eu”. In: Cadernos Textos e Debates/Universidade Federal de Santa Catarina. Núcleo de Estudos de Identidade e Relações Interétnicas. Número 15 (2016) - Florianópolis: UFSC/NUER, 2017, 53p. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/126236/Textos%20e%20Debates%20No%2015.pdf?sequence=16&isAllowed=y (Acesso em Julho de 2020)

GUIMARÃES, A. S. A. Racismo e Anti-Racismo. 34. ed. São Paulo: Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo, 1999, 240p.

GONZALEZ, Léila. Primavera para Rosas Negras: Léila Gonzalez em primeira pessoa. UCPA, União dos Coletivos Pan-Africanistas (orgs.); São Paulo: Diáspora Africana. 2018.

hooks, bell. Erguer a voz: pensar como uma feminista, pensar como uma negra. tradução de Cátia Bocaiuva Maringolo. São Paulo: Elefante, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó. 1 Edição. 2019.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectivas, 2016.

PIOVESAN, Flávia. Ações afirmativas no Brasil: desafios e perspectivas. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 16, n. 3, p. 887-896, Dec. 2008. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104026X2008000300010&lng=en&nrm=iso>.

PIOVESAN, Flávia. GUIMARÃES, Luis Carlos. Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial. Disponível em: http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/direitos/tratado8.htm (Acesso em Julho de 2020)

RIBEIRO, Matilde. Estratégias de enfrentamento do racismo em âmbito nacional e internacional. In: RIBEIRO, Matilde. Institucionalização das Políticas de IgualdadeRacial no Brasil: Percursos e estratégias – 1986 a 2010. São Paulo: Pontifica Universidade Católica de São Paulo. Tese de Doutorado. 2010.

SOARES, M.A Santos. On the Colonial Past of Anthropology: Teaching Race and Coloniality in the Global South. Humanities 2019, 8, 88.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC. RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 145/2020/CUN, DE 27 DE OUTUBRO DE 2020, do Conselho Universitário da UFSC. Dispõe sobre a política de ações afirmativas para negros(as) (pretos e pardos), indígenas, pessoas com deficiência e outras categorias de vulnerabilidade social nos cursos de pós-graduação lato sensu e stricto sensu da Universidade Federal de Santa Catarina.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE – UFS. Resolução n. 59, de 04 de dezembro de 2017, do Conselho do Ensino, da Pesquisa e da Extensão (Conepe) da UFS Estabelece procedimentos sobre Política de Ações Afirmativas na Pós-Graduação da Universidade Federal de Sergipe.

VENTURINI, Anna Carolina; FERES JÚNIOR, João. Política de ação afirmativa na pós-graduação: o caso das universidades públicas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 50, n. 177, p. 882-909, jul./set. 2020. https://doi.org/10.1590/198053147491

Downloads

Publicado

17/12/2021

Edição

Seção

Encontro de Saberes: Transversalidades e Experiências