Musicalidade, movimento e território quilombola

Autores

  • Marcos Alan Costa Farias Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.28998/rm.2022.n.11.12535

Palavras-chave:

Musicalidade, Movimento, Corpo, Etnomusicologia, Antropologia da Dança

Resumo

O artigo aqui apresentado estabelece a reflexão sobre a relação entre musicalidade e movimento, entendendo como corpos que constroem e tocam instrumentos musicais gestualizam e se autodefinem enquanto quilombolas. Desta forma, apresentando como objeto de estudo o Grupo Cultural Encanto do Quilombo, busco refletir etnograficamente os quilombolas da comunidade Jauari, em Oriximiná - Pará, por meio do seu fazer musical e, consequentemente, da dança produzida por este ato. Registra-se que para além do fator musical, o grupo proporciona por meio de suas práticas uma relação através do uso do corpo tanto para fazer música quanto para fazer dança. Ademais, é, também, fazendo música e dança que eles se autodefinem quilombolas.

Biografia do Autor

Marcos Alan Costa Farias, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - Universidade Federal do Amazonas

Doutorando em Antropologia Social no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Amazonas. Pesquisador do Projeto Nova Cartografia Social do Amazônia. Atua em pesquisas sobre quilombolas, Etnomusicologia e Antropologia da Dança.

Referências

ALARCON, Daniele Fernandes. A forma retomada: contribuições para o estudo das retomadas de terras, a partir do caso Tupinambá da Serra do Padeiro. Ruris, v. 7, n. 1, p. 99-126, 2013.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Arqueologia da tradição: Uma apresentação da Coleção “tradição & ordenamento jurídico”. In: SHIRAISHI NETO, Joaquin. Leis do babaçu livre: práticas jurídicas das quebradeiras de coco babaçu e normas correlatas. Manaus: PPGCA-UFAM/Fundação Ford, 2006. p. 7-12.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Quilombos e as novas etnias. Manaus: UEA Edições, 2011.

BARTH, Fredrik. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: BARTH, Fredrik. O Guru, o Iniciador e outras variações antropológicas. Rio de janeiro: Contra Capa, 2000. p. 25-68.

BAUMAN, Richard. Fundamentos da performance. Revista Sociedade e Estado, v. 29, n. 3, p. 727-746, 2014.

BEAUDET, Jean-Michel. Dançaremos até o amanhecer: Uma Etnologia Movimentada. Com participação de Jacky Pawe. Tradução de Leonardo Pires Rosse. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 2017.

BENITES, Tonico. Trajetória de luta árdua da articulação das lideranças Guarani e Kaiowá para recuperar os seus territórios tradicionais tekoha guasu. R@U - Revista de Antropologia da UFSCar, v.4, n.2, p. 165-174, 2012.

BENITES, Tonico. Rojeroky hina ha roike jevy tekohape (Rezando e lutando): o movimento histórico dos Aty Guasu dos Ava Kaiowa e dos Ava guarani pela recuperação de seus tekoha. 2014. Tese (Doutorado em Antropologia social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014.

BLACKING, John. Música, cultura e experiência. Cadernos de Campo, São Paulo, v.16, n.16, p. 201-218, 2007.

BLACKING, John. Por uma Antropologia do corpo. GIS – Gesto, Imagem E Som – Revista De Antropologia, v. 5, n.1, p. 308-337, 2020.

FARIAS JÚNIOR, Emmanuel de Almeida. Territórios conquistados e megaprojetos inconcludentes: Quilombolas de Cachoeira Porteira. São Luís: Editora UEMA, 2019.

FARIAS, Marcos Alan Costa Farias. “Grupo Cultural Encanto do Quilombo”: uma etnografia da prática musical. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade do Estado do Amazonas, Manaus: UEA, 2018.

GRÜNEWALD, Rodrigo de Azevedo. Tradição. In: LIMA, Antonio Carlos de Souza (Org.). Antropologia e direito: temas antropológicos para estudos jurídicos. Rio de Janeiro/Brasília: Contra Capa/LACED/ Associação Brasileira de Antropologia, 2012. p. 186-197.

GUILHON, Giselle; ACSELRAD, Maria. Antropologia da Dança no Brasil: passos e compassos de uma caminhada não-linear. Música e Cultura, v. 1, n. 11, p. 135-164, 2019.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: A Invenção das Tradições. In: HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (org.). A invenção das tradições. São Paulo: Paz e Terra, 2008. p. 9-23.

MAUSS, Marcel. As técnicas do corpo. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Ubu Editora, 2017. p. 419-443.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. Através do Mbaraka: Música, dança e Xamanismo Guarani. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

NORA, Pierre. Entre memória e história: A problemática dos lugares. Tradução: Yara Aun Khoury. Proj. História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, 1993.

OLIVEIRA PINTO, Tiago. Som e música. Questões de uma Antropologia Sonora. Revista de Antropologia, v. 44, n. 1, p. 221-286, 2001.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudo Históricos, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

SEEGER, Anthony. Etnografia da música. Tradução Giovanni Cirino. Cadernos de campo, n. 17, p. 237-260, 2008.

TURINO, Thomas. Music as Social Life: The Politics of Partcipation. Chicago: University of Chicago Press, 2008.

Downloads

Publicado

18/05/2022

Edição

Seção

Antropologia do Gesto