Conhecimento antropológico, arenas políticas, gênero e sexualidade

Autores

  • Adriana Piscitelli Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Gênero, Sexualidade, Direitos diferenciados, Prostituição, Feminismos

Resumo

Neste texto dialogo com as discussões sobre as relações entre direitos diferenciados, conflitos e produção de conhecimentos. Com esse fim, realizo alguns comentários sobre as contribuições que a antropologia oferece para compreender como aspectos vinculados a gênero e sexualidade são utilizados como ferramentas políticas, no embate entre certas leituras e concepções sobre esses temas e as aspirações e reivindicações de sujeitos subalternizados pelo exercício da sexualidade. Tomo como referência reivindicações de prostitutas no Brasil, suas relações com grupos feministas e também com o Estado, considerando as tensões nessas relações, particularmente, a partir da metade da década de 2000. Situo esses embates no âmbito da produção de direitos, que tornou possível reivindicar os direitos das mulheres e, nessa esfera, os direitos das prostitutas. Depois descrevo algumas tensões e conflitos entre organizações de prostitutas, grupos feministas e Estado, no Brasil, para abrir para questões que remetem às contribuições da antropologia na produção de conhecimento sobre direitos específicos e sobre as tensões nas arenas políticas vinculadas a debates sobre gênero e sexualidade.

Biografia do Autor

Adriana Piscitelli, Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Estudos de Gênero PAGU, Unicamp

Referências

Aggarwal, Ravina. "Traversing lines of control: Feminist anthropology today." The Annals of the American Academy of Political and Social Science, v. 571.1, p. 14-29, 2000.

ALVAREZ, Sonia. Beyond NGO-ization? Reflections from Latin America. Development, v. 52, n. 2, p. 175-184, 2009.

Amar, Paul. The security archipelago. Human-Security States, Sexuality Politics and the End of Neoliberalism. Durham and London: Duke University Press, 2013.

Barreto, Leticia. Somos sujeitas políticas de nossa própria história: Prostituição e feminismos em Belo Horizonte.. Tese (doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, 2015.

Blanchette, Thaddeus; SILVA, Ana. "“Brazil has its eye on you”: sexual panic and the threat of sex tourism in Rio de Janeiro during the FIFA World Cup, 2014." Brasiliana-Journal for Brazilian Studies, v.4.2, p. 411-454, 2016.

Blanchette, Thaddeus; MURRAY, Laura; RUVOLO, Julie. "Sobre Futebol e Pânicos Morais: Prostituição no Rio de Janeiro durante a Copa do Mundo 2014." Percurso Acadêmico, v. 4, n. 8, p. 188-209, 2015.

Castilho, Ela. ‘Human Trafficking in Brazil: Between crime-based and human rights-based governance’. Anti-Trafficking Review, v. 4, p. 174-185, 2015. www.antitraffickingreview.org

Corrêa, Sonia; OLIVAR, José. The politics of prostitution in Brazil between “state neutrality” and “feminist troubles”. In: MURTHY, L.; SESHU, M. (Org.). The Business of Sex. Zubaan: New Delhi, 2014, p.175-211.

Das, Veena. POOLE, Deborah. El estado y sus márgenes. Etnografías comparadas. Cuadernos de Antropología Social, n.27, p.19–52, 2008.

Del Valle, Teresa, ed. Gendered anthropology.London: Routledge, 2013.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. A Sexualidade nas Ciências Sociais: leitura crítica das convenções. In: PISCITELLI, A. (Org.). Sexualidade e Saberes: Convenções e Fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2004, p. 39-80.

Fassin, Didier. Humanitarianism as a Politics of Life. Public culture, n. 19.3, p. 499-520, 2007.

FERREIRA, Carolina. O gênero do amor: cultura terapêutica e feminismos. Cadernos Pagu, n. 47, 2016.

Foucault, Michel. Microfísica do poder. Edições Graal Rio de Janeiro, 1979.

FOUCAULT, Michel. Seguridad, Territorio, Población. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2006.

Hunt, Lynn: A invenção dos direitos humanos, uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Lenz, Flavio. Daspú: A moda sem vergonha. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2008.

Lenz, Flavio. Gabriela Leite, prostituta que viveu e promoveu a liberdade. Em Pauta, v. 12, n. 34, p. 209-215, 2015.

Lowenkron, Laura. O monstro contemporâneo: a construção social da pedofilia em múltiplos planos. Rio de Janeiro: EdUERJ 2015.

Lowenkron, Laura. O tráfico de pessoas a partir do olhar policial: Construção de uma categoria criminal e desconstrução de um problema social. Texto apresentado no Seminario: Trânsitos, crime e fronteiras, Campinas, 2015b.

Luna SALES, Paula. Sexo transnacional, exploração sexual e turismo em Fortaleza durante a Copa: efeitos das ações contra o tráfico de pessoas sobre as dinâmicas dos mercados do sexo. Texto apresentado no Seminario: Trânsitos, crime e fronteiras, Campinas, 2015.

Matos, Marlise. Movimento e teoria feminista: É possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul global? Rev. Sociol. Polít. Curitiba, v. 18, n. 36, p. 67-92, 2010.

Murray, Laura. Entre “fazer direito” e “direitinho”: gestão de Vítimas e as políticas de proteção. Revista Ártemis, v. XVIII, n. 1 p. 28-41, 2014.

Olivar, José. Devir puta: políticas da prostituição na experiências de quatro mulheres militantes. Rio de Janeiro: Eduerj, 2013.

Oliveira, Alessandro José. Pedofilias : doenças e delitos. Campinas: Unicamp 2015.

Piscitelli, Adriana. Entre as "máfias" e a "ajuda": a construção de conhecimento sobre tráfico de pessoas. Cadernos Pagu, v. 31, p. 29-63, 2008.

__________________. Feminismos e Prostituição no Brasil: Uma leitura a partir da Antropologia Feminista. Cuadernos de antropología social, n. 36, p. 11-31, 2012.

_________________.Transnational Sisterhood? Brazilian Feminisms Facing Prostitution. Latin American Policy, v. 5, n. 2, p. 221-235, 2014.

PISCITELLI, Adriana; Lowenkron, Laura. Apresentação: novas flexões no debate sobre tráfico de pessoas no Brasil. Texto apresentado no Seminário, Seminar: Trânsitos, crime e fronteiras, 2015.

Rapport, Nigel; OVERING, Joanna. Human Rights. in: Rapport Nigel e Overing Joanna: Social And Cultural Anthropology, the key concepts, New York, Routledge 2000: 162-172.

Rubin, Gayle. Pensando sobre sexo: Notas para uma teoria radical da política de sexualidade. In: Vance, C. (Org.). Pleasure and Danger: exploring Female Sexuality, 1984.

Secretaria Especial de Políticas Públicas para as mulheres. Workshop prostituição feminina, consolidado dos principais pontos debatidos. Brasília, mimeo, 2008.

Secretaria Especial de Políticas Públicas para as mulheres. Workshop prostituição feminina, Relatório Técnico-descritivo. Brasília, mimeo, 2008 a.

SHARMA, Aradhana; GUPTA, Akhil. Introduction: Rethinking Theories of the State in an Age of Globalization. In: SHARMA, A.; GUPTA, A. The Anthropology of the State, a reader, Malden, Blackwell Publishing, 2006, pp. 1-42.

SORJ, Bila. Do “pessoal é político” para o “político é pessoal”? Novas tendências no feminismo no Brasil. Texto apresentado no Encontro da Latin American Studies Association, New York, 2016

Spivak, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Editora UFMG, 2010.

Sprandel, Márcia. Vou pra rua e bebo a tempestade: observações sobre os dissabores do guarda-chuva do tráfico de pessoas no Brasil. Cadernos PAGU, n. 47, 2016.

TAVARES, Aline. A organização da zona: notas etnográficas sobre as relações de poder na zona de prostituição de Campinas–Jardim Itatinga. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Campinas: IFCH/UNICAMP, 2014.

Tavares, Aline. Movimento Feminista em disputa: paradoxos entre discursos nacionais e práticas regionais acerca do tema da prostituição no Brasil. Texto produzido como produto final do Concurso de Becas Julieta Kirkwood "Movimientos de mujeres y lucha feminista en América Latina y el Caribe”,2015.

Vianna, Adriana. Introdução: fazendo e desfazendo inquietudes no mundo dos direitos. Vianna A, (Org.). O fazer e o desfazer dos direitos: experiências etnográficas sobre política, administração e moralidades. Rio de Janeiro: E-papers, 2013, p. 15-35.

Downloads

Publicado

27/12/2016

Edição

Seção

Direitos Diferenciados, Conflitos e Produção de Conhecimentos