Internacionalizar ou Não, Eis a Questão? Ensaio sobre a ABANNE/REA

Autores

  • Mísia Lins Reesink UFPE

Palavras-chave:

Internacionalização, REA, ABANNE

Resumo

Este ensaio põe em questão a razão que fundamenta o movimento de transformar a ABANNE em REA, razão esta que o justifica pela necessidade de sua internacionalização. Questionando se internacionalizar é preciso, e se isto deve ser feito de qualquer maneira e a qualquer preço, o trabalho propõe olhar para o fenômeno a partir de duas categorias: “espaço político” e “evento”, em que a primeira tomaria a ABANNE/REA como tempo/espaço de crítica e luta contra-hegemônica, enquanto a segunda incluiria a ABANNE/REA na lógica de um tempo/espaço apolítico e meritocrático. A proposta defendida aqui é de que a ABANNE/REA deve permanecer atuando, prioritariamente, na lógica do “espaço político”, articulada, secundariamente, à lógica do “evento”.

Referências

BOURDIEU, Pierre. La distinction: critique sociale du jugement. Minuit, Paris, 1979.

DWYER, Tom. Reflexões sobre a internacionalização da sociologia brasileira. Revista Brasileira de Sociologia - RBS, Volume 1,, no. 1, 57-88, 2013.

FIORIN, José Luiz. Internacionalização da produção científica: a publicação de trabalhos de Ciências Humanas e Sociais em periódicos internacionais. R B P G, Brasília, v. 4, n. 8, p. 263-281, dezembro de 2007

LEAL, Sérgio; HOLANDA, Luciana; SANTANA, Taynon. A internacionalização da pesquisa em Turismo no Brasil. Paper apresentado no Fórum ABRATUR-15, realizado na USP, São Paulo, em junho de 2015.

MAUÉS, Heraldo. Antropologia da Amazônia: uma introdução. Revista Anthropológicas, Recife, v. 3, n.7, p. 67-68, 1998.

MEUCCI, Simone. Prefácio. IN: Freyre, G. (2009[1945]). Sociologia: introdução ao estudo dos seus princípios. São Paulo: Realizações.

MOTTA, Antonio e BRANDÃO, Maria do Carmo. O campo da Antropologia e suas margens: pesquisa e sua disseminação em diferentes instituições de ensino superior no Nordeste. In: FILHO, Wilson Trajano e RIBEIRO, Gustavo Lins Ribeiro (orgs). O campo da antropologia no Brasil. Contra Capa/ABA, 2004.

MOTTA, Roberto. Um Mestrado de Antropologia em Pernambuco. AntHropologicas, Recife, v. 2, p. 15-39, 1997.

MOROSINI, Marília. Internacionalização na produção de conhecimento em IES Brasileiras: cooperação internacional tradicional e cooperação internacional horizontal. Educação em Revista, Abr 2011, vol.27, no.1, p.93-112.

REESINK, Mísia e Roberta CAMPOS. A geopolítica da antropologia da religião no Brasil, ou como a “província vem se submetendo ao leito de Procusto. In: SCOTT, CAMPOS e PEREIRA Org(s). Rumos da antropologia no Brasil e no mundo: geopolíticas disciplinares. Recife: UFPE, 2014. p. 55-81.

_______________. As Ciências Sociais Brasileiras Frente ao Eurocentrismo: imposição ou escolha?. 2016 (no prelo).

SANTOS, Silvio Coelho dos (Org.); HELM, Cecília Maria Vieira; TEIXEIRA, Sérgio Alves. Memória da antropologia no Sul do Brasil. Florianópolis: Editora da UFSC: ABA, 2006.

SCOTT, Parry. A antropologia nas franjas da periferia: vinte anos de pós-graduação em Pernambuco. REVISTA ANTHROPOLÓGICAS, v. 2, p. 57-74, 1997.

Downloads

Publicado

27/12/2016

Edição

Seção

Direitos Diferenciados, Conflitos e Produção de Conhecimentos