Representações compartilhadas sobre programa Minha Casa Minha Vida: análise do discurso sobre a construção do novo tempo na cidade de Lajeado

Autores

  • Dorothée Marguerite Marie Sy PPG Planejamento Urbano e Regional PROPUR Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.28998/rm.2018.n.5.4987

Palavras-chave:

Representações. Habitação de interesse social. Programa Minha Casa Minha Vida.

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender como são construídas as representações sociais sobre o Programa Minha Casa Minha Vida, o maior programa de habitações de interesse social instaurado em 2009, identificando os atores envolvidos na construção da ideia do “sonho da casa própria” e mostrando o modo como as imagens dialogam de maneira complexa com os discursos institucionais e midiáticos. Neste sentido, busca-se dialogar com as imagens (discursos) institucionais dos conjuntos habitacionais na cidade de Lajeado, uma cidade de médio porte do Rio Grande do Sul, obtidas por meio de pesquisa na internet em sites institucionais e de jornais de circulação regional. O referencial teórico utilizado são os autores abordados que problematizam as relações sobre o estado e o discurso como Burke, Foucault, Hall, Olson e outros.A solução dos gigantescos conjuntos habitacionais construídos nas periferias das cidades brasileiras para driblar a crise habitacional se torna um símbolo de progresso e de modernidade e, em certos casos, a “salvação” de um Estado caritativo para a população de baixa renda. As imagens elaboradas pela imprensa associadas aos discursos institucionais representam diferentes formas de discurso sobre as políticas públicas de habitação de interesse social em um contexto de vulnerabilidade e precarização das condições de vida dos sujeitos. 

Biografia do Autor

Dorothée Marguerite Marie Sy, PPG Planejamento Urbano e Regional PROPUR Universidade Federal do Rio Grande do Sul

É graduada em arquitetura pela École Nationale Supérieure dArchitecture et de Paysage de Lille (2000), com cursos de aperfeiçoamento na University of Edinburgh (1996) e Howard University (1999).  Agora em maio defende a dissertação de mestrado junto ao PROPUR da UFRGS intitulada: O papel do Estado no processo de segregação socio-espacial na cidade de Lajeado/RS: um estudo sobre a localizaçao dos conjuntos habitacionais Novo Tempo I e II do programa MCMV.

http://lattes.cnpq.br/7055783221998422

Referências

BARTHES, Roland. Rhétorique de l’image. Communications, v. 4, n.1, 1964, p. 40-51.

BONDUKI, Nabil. Origens da habitação social no Brasil: arquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

BONTE, P; IZARD, M. Dictionnaire de l’ethnologie et de l’anthropologie. Paris: P.U.F., 1991.

BOURDIEU, Pierre. Langage et pouvoir symbolique. Paris: Points, 2002.

BURKE, Peter. Eyewitnessing: the use of images as historical evidence. London: Reaktion books, 2004.

FOUCAULT, Michel. L’ordre du discours. Paris: Gallimard, 1971.

HALL, Stuart. (Ed.) Representation: cultural representations and signifying practices. London: Sage, 1997.

MARIN, Louis. Politiques de la représentation. Paris: Kimé, 2005.

MINHA casa minha vida. 2017. Disponível em: <http://www.minhavidaminhacasa.com>. Acesso em: 19 jun. 2017.

OLSON, David. Richard. O mundo no papel: as implicações conceituais e cognitivas da leitura e da escrita. São Paulo: Ática, 1997.

PESAVENTO, Sandra. Jatahi. et al. (Org.) Narrativas, imagens e práticas sociais: percursos em história cultural. Porto Alegre: Asterisco, 2008.

VILLAÇA, Flavio. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 1998.

Downloads

Publicado

17/04/2019

Edição

Seção

Cidades Comparadas: Estudos em Contextos Urbanos Contemporâneos