Antropologia com Imagens: Cartas aos Narradores Urbanos e o Livro do Etnógrafo

Autores

  • Ana Luiza Carvalho da Rocha UFRGS
  • Eckert Cornelia UFRGS
  • Mariana Bordin Barbosa UFRGS
  • Matheus Cervo UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.28998/rm.2018.n.5.5532

Palavras-chave:

Ensino, Cidade, Imagem, Expografia, Hipermídia.

Resumo

Inspirados pelos estudos piagetianos e durandianos sobre a inteligência e o imaginário, relatamos experiências do ensino da disciplina de Antropologia Visual e da Imagem e de Antropologia Urbana no Curso de Ciências Sociais e no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Estas pesquisas são desenvolvidas no Núcleo de Antropologia Visual (Navisual) e no Banco de Imagens e Efeitos Visuais (BIEV), projetos coordenados pelas Professoras Cornelia Eckert e Ana Luiza Carvalho da Rocha. A fim de demonstrar diferentes propostas de ensino-aprendizagem na produção de etnografias na e da cidade de Porto Alegre, expomos dois projetos produzidos por alunos e professores em que diferentes recursos – escritos, imagéticos e hipermidiáticos – são mobilizados para expressão do trabalho de campo: a exposição denominada “Carta aos Narradores Urbanos: etnografia de rua na Porto Alegre das intervenções artísticas” e o projeto hipermídia intitulado “Livro do Etnógrafo”.

Referências

ACHUTTI, Luiz Eduardo Robinson. Fotoetnografia da Biblioteca Jardim. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

BACHELARD, Gastón. La poétique de l’instant. Paris: PUF, 1993.

BENJAMIN, Walter. O flâneur. In: Walter Benjamin: Obras escolhidas. v. 3. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989.

CAMPOS, Ricardo. A Arte Urbana enquanto "outro". V!RUS, São Carlos n. 9 [online], 2013.

CAMPOS, R. A pixelização dos muros: graffiti urbano, tecnologias digitais e cultura visual contemporânea. Porto Alegre: Revista FAMECOS, v. 19, n. 2, pp. 543-566, maio/agosto, 2012.

CAMPOS, R. Porque pintamos a cidade? Uma abordagem etnográfica ao graffiti urbano. Lisboa: Fim de Século, 2010.

CERTEAU, Michel de. A invenção do Cotidiano. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro, do leitor ao navegador. São Paulo: UNESP, 1999.

CHEVALLARD, Yves. La Transposition didactique: du savoir savant au savoir enseigné. Grenoble: La Pensée Sauvage, 1985.

Gilbert. Figures mythiques et visage de l'œuvre, de la mythocritique à la mythanalyse. Paris: Berg International, 1970.

DURAND, Gilbert. Les structures anthropologiques de l’imaginaire. Paris: Dunod, 1984.

DURAND, Gilbert. Sciencie de l´homme et Tradition. Paris: Berg. International, 1979b.

ECKERT, C. ; ROCHA, A. L. C. . A preeminência da imagem e do imaginário nos jogos da memória coletiva em coleções etnográficas. 1. ed. Brasília: ABA, 2015a.

ECKERT, C. ; ROCHA, A. L. C. . Etnografia da duração – antropologia das memórias coletivas em coleções etnográficas. 1. ed. Porto Alegre: Marcavisual, 2013c.

ECKERT, C. ; ROCHA, A. L. C. . Etnografia de rua: estudo de antropologia urbana. 1ª ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2013a.

ECKERT, C. ; ROCHA, Ana Luiza Carvalho da . Antropologias nas interfaces no mundo do hipertexto. Cadernos de Antropologia e Imagem (UERJ) , v. 22, p. 27-44, 2007.

ECKERT, C. ; ROCHA, A. L. C. . O antropólogo na figura do narrador. Habitus , Goiania, v. 2, n.2, 2003.

GEERTZ, Clifford. Nova luz sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001

MAFFESOLI, Michel. Le paradigme esthétique. La sociologie comme art. In: Sociologie et Société. Vol. XVII, Numero 2. Montréal: Ceaq. 1985. p. 33-39.

MANOVICH, Lev. The language of new media. London: The MIT Press, 2001.

MAGNANI, J. G. C. Festa no Pedaço. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Na metrópole: textos de antropologia urbana. São Paulo, EDUSP/FAPESP, 1996.

PAIN, Sara. Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem. 1ª ed. Porto Alegre: Artmed. 1985

PÉTONNET, C. A observação flutuante: exemplo de um cemitério parisiense. 1982. Traduzido por Soraya Silveira Simões. Antropolítica, n. 25, p. 99-111, 2008.

PIAGET, J. A construção do real na criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

PIAGET, Jean. A Epistemologia Genética. São Paulo: Abril Cultural, 1978a.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento. São Paulo: Editora 34, 1996.

RANCIÈRE, Jacques. Políticas da Escrita. São Paulo: Editora 34, 1995.

ROCHA, A. L. C. Tecnologias audiovisuais na construção de narrativas etnográficas: um percurso de investigação. Campos (UFPR) , v. 04, p. 113-134, 2003.

SILVA, Hélio R. S. Travesti, a Invenção do Feminino. Rio de Janeiro,. Relume-Dumará, ISER, 1993.

SILVA, Hélio R. & MILITO, Cláudia. Vozes do Meio Fio. Editora Relume & Dumará, Rio de Janeiro: 1994

VERGNAUD, Gérard. Teoria dos Campos Conceituais. In: Nasser, L. (Ed.) Anais do 1º Seminário Internacional de Educação Matemática do Rio de Janeiro, p. 1 - 26. Rio de Janeiro,1993.

VERGNAUD, Gérard. Concepts et schème dans une théorie opératoire de la représentation. Psychologie Française, n. 30, pp. 245 a 252, 1985.

VIGOTSKY, Lev Semionovitch. A construção do Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

WALLON, Henri. As origens do pensamento na criança. 34. Ed. São Paulo: EDUSP, 2000.

WALLON, Henri. Do acto ao pensamento. Lisboa: Moraes, 1979.

WHYTE, William Foote. Sociedade de esquina [1943]. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

VELHO, Gilberto. Individualismo e Cultura, notas para uma Antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

Downloads

Publicado

17/04/2019

Edição

Seção

Cidades Comparadas: Estudos em Contextos Urbanos Contemporâneos