Um brinde ao Diderot: cultura, imaginário urbano e publicidades de cerveja

Autores

  • Marina Frid Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • William Corbo Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.28998/rm.2018.n.5.5534

Palavras-chave:

Antropologia do Consumo, Narrativa Publicitária, Sistemas Simbólicos

Resumo

Este artigo analisa publicidades de cerveja como sistemas de classificação que aproximam e distanciam bens e pessoas, delimitam espaços sociais e produzem significados. Para tanto, examina os anúncios de duas marcas com perspectivas distintas: a Antarctica e a Heineken. Com atuação no mercado nacional, sobretudo no Rio de Janeiro, a Antarctica se apropria de elementos da cultura brasileira e do imaginário carioca para dialogar com um público “local”. Por outro lado, a Heineken apresenta um universo impessoal e cosmopolita para circular em diferentes contextos urbanos e atingir um público “global”. O estudo comparativo desses dois casos demostra como a publicidade constrói representações do consumo de cerveja através de vinculações da bebida com certos temas, espaços, experiências, objetos, isto é, “unidades Diderot” (McCracken, 2003).

Biografia do Autor

Marina Frid, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Pesquisadora de pós-doutorado (PDR Nota 10 FAPERJ) no Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura da UFRJ. Doutora e mestre em Comunicação Social pela PUC-Rio, com estágios na School of History and Cultures da Universidade de Birmingham, Reino Unido, e no Departamento de Modern Culture and Media da Brown University, EUA. Bacharel em Comunicação Social pela UFRJ. É autora do livro “O paraíso do consumo: Émile Zola, a magia e os grandes magazines”, com Everardo Rocha e William Corbo. Também organizou com Everardo Rocha a coletânea “Os antropólogos: de Edward Tylor à Pierre Clastres”.

William Corbo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Adjunto do Departamento de Antropologia Cultural do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. Doutor e Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-Rio. Graduado em Ciências Sociais pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. É autor do livro “O Paraíso do Consumo: Émile Zola, a magia e os grandes magazines” (Mauad, 2016), com Everardo Rocha e Marina Frid. Desenvolve pesquisas com ênfase nos seguintes temas: antropologia do consumo; narrativa publicitária; história do consumo; cultura brasileira.

Referências

Referências

BARBOSA, L. O jeitinho brasileiro ou a arte de ser mais igual que os outros. Rio de janeiro: Campus, 1992.

DIDEROT, D. Regrets sur ma vieille robe de chambre, par M. Diderot, avis à ceux qui ont plus de goût que de fortune, 1772. Disponível em: ark:/12148/bpt6k1040210b. Acesso em: novembro de 2018.

CALHOUN, C. Cosmopolitanism in the modern social imaginary, Daedalus, v.137, n. 3, p.

-114, 2008.

DAMATTA, R. Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

DOUGLAS, M; ISHERWOOD, B. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

FREYRE, G. Casa grande e senzala. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975 [1933].

_________ . Modos de homem & modas de mulher. Rio e Janeiro: Record, 1986.

HOLANDA, S. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995 [1936].

__________. Visão do Paraíso. São Paulo: Brasiliense, Publifolha, 2000 [1959].

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 2011 [1962].

______________. O campo da antropologia. In: ____________. Antropologia estrutural dois. São Paulo: Cosac Naify, 2013 [1960].

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008 [1867].

MCCRACKEN, G. Cultura e consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

ROCHA, E. Magia e capitalismo: um estudo antropológico da publicidade. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1985.

_______.; FRID, M; CORBO, W. O paraíso do consumo: Émile Zola, a magia e os grandes magazines. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

ROCHE, M. Megaevents and modernity: Olympics and expos in the growth of global culture. Londres: Routledge, 2000.

RODRIGUES, J. C. Antropologia e comunicação: princípios radicais. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2003.

VERBOORD, M.; BRANDELLERO, A. The globalization of popular music, 1960-2010: a multilevel analysis of music flows. Communication Research, v. 45, n.4, p. 603–627, 2018.

SCHWARCZ, L. Complexo de Zé Carioca: sobre uma certa ordem da mestiçagem e da malandragem. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 29, n.10, p.17-30, 1995.

SENNETT, R. O declínio do homem público. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SIMMEL, G. The metropolis and mental life. In: SENNETT, R. Classic essays on the culture of cities. Nova Jersey: Prentice Hall, Inc.; Englewood Cliffs, 1969 [1903].

VIANNA, H. O mistério do samba. Rio de Janeiro: UFRJ/Jorge Zahar, 1995.

Downloads

Publicado

17/04/2019

Edição

Seção

Cidades Comparadas: Estudos em Contextos Urbanos Contemporâneos