Bem vindo ao Porto: graffiti na paisagem da região portuária da cidade de Pelotas/RS

Autores

  • Fabricio Barreto Núcleo de Antropologia Visual (NAVISUAL) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.28998/rm.2018.n.5.6864

Resumo

A região portuária de Pelotas é especialmente profusa em graffiti. Herdeira de um potente pólo industrial, a região atualmente abriga ruínas dos prédios que, outrora, compunham um conjunto de imponentes fábricas promissoras do projeto modernista. A falência do modal fabril da época tem hoje a aparência do abandono, do decrépito. Existe uma lógica associada ao graffiti que é trabalhar nos interstícios, naquelas zonas degradadas da cidade, e a ruína faz parte dessa lógica. Assim, a região portuária pelotense tornou-se um laboratório para artistas de rua. Nos relatos de grafiteiros locais, a área é uma espécie de escola, onde há liberdade para grafitar sobre longos muros e paredes abandonadas, promovendo a transeuntes a sensação de estar em uma galeria a céu aberto.

Biografia do Autor

Fabricio Barreto, Núcleo de Antropologia Visual (NAVISUAL) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Fotógrafo com carreira que desenvolvo a mais de 20 anos atuando em diferentes áreas da fotografia. Recentemente defendi dissertação de mestrado em Antropologia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) em pesquisa que versou na interface entre antropologia urbana e antropologia visual. Selecionado para o doutorado do Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas (UFRGS), turma 2019.

Downloads

Publicado

17/04/2019