Sobre a Revista

Periodicidade

A Revista Crítica Histórica é semestral.

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

Direitos

Direitos

A reprodução dos textos editados pela RCH é permitida sob licença Creative Commons, Atribuição-NãoComercial (CC BY-NC).  

Autores(as) que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  1. Os(As) autores(as) mantêm os direitos autorais e concedem à Revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial, que permite o compartilhamento do trabalho sem fins lucrativos, com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  2. Os(As) autores(as) têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial na Revista Crítica Histórica.
  3. Os(As) autores(as) têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (veja O Efeito do Acesso Livre).

Sponsors

logo fapeal

 

Indexadores:

Diadorim   Revistas de Acesso livre  PKP  Sumarios  google scholar

 

 

Histórico do periódico e escopo

A Revista Crítica Histórica foi fundada em 2010, nos cursos de História (Bacharelado & Licenciatura) da Universidade Federal de Alagoas, tendo como Editor Corporativo nos seus primeiros anos, o Centro de Pesquisa e Documentação Histórica, e atualmente o Programa de Pós-Graduação em História - Mestrado da UFAL. 

Desde o início o esforço de suas equipes editoriais caminhou no sentido de democratizar o debate e a reflexão histórica através de textos produzidos a partir de pesquisas originais, contribuindo para o constante aprimoramento da área de História. 

Nesses anos a Crítica Histórica foi um coletivo de produção textual. Nesse sentido, democratizou pesquisas e fontes documentais, articulou pesquisadores de diferentes partes do país e do mundo em redes para a produção dos dossiês, marcou a especificidade da produção histórica no nordeste, nas temáticas mais variadas e com diversidade de abordagens teórico-metodológicas. Foi ferramenta na relação entre pesquisa e extensão e se pronunciou politicamente ao lado das lutas dos movimentos sociais. Esteve, portanto, trabalhando por uma historiografia não-eurocêntrica e não-etnocêntrica.