A condição social da mulher e o debate sobre gênero e patriarcado: contribuições de Maria Lacerda de Moura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchv11n21.2020.0009

Resumo

O presente texto, de cunho teórico, tem como proposta fazer aproximações entre a obra da anarquista brasileira Maria Lacerda de Moura, principalmente em seus escritos no livro “Renovação” e o debate sobre a condição feminina. A proposta se ancora nos pressupostos do materialismo histórico dialético, especialmente no postulado de se compreender o hoje resgatando o ontem, seu movimento histórico, além de focalizar a discussão apoiada nas categorias de gênero e patriarcado, em suas relações com a temática da condição feminina. Como desdobramento do trabalho, conclui-se que tais categorias são também alicerces ideológicos para subjugação do corpo da mulher, lhe reservando o lugar de procriação e cuidado dos filhos. Busca-se com a discussão contribuir com o debate sobre a condição da mulher na sociedade contemporânea com vistas ao desmascaramento e superação das desigualdades impostas entre os sexos.

Biografia do Autor

Tatiana Ranzani Maurano, Unesp - Marília

Tatiana Ranzani Maurano, graduada em Psicologia, mestre em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba - SP e doutoranda em educação na Unesp - Marília, membro do Grupo de Pesquisa História da Educação e do ensino de língua e literatura no Brasil - GPHEELLB. Áreas de interesse: anarquismo, direitos humanos, gênero, história e educação.

Glaucia Uliana Pinto

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Metodista de Piracicaba (1997), mestrado (2004) e doutorado (2010) em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba e Pós-Doutorado pelo Centro Universitário Moura Lacerda. Foi professora do programa de pós-graduação em educação da Universidade Metodista de Piracicaba entre 2015 e 2019. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial, atuando principalmente nos seguintes temas: deficiência mental, brincar, imaginação, elaboração do conhecimento e abordagem histórico-cultural.

Referências

AGUIAR, N. Patriarcado, sociedade e patrimonialismo. Revista Sociedade e Estado. vol.15, n.2, Brasília, p. 303-330, jun.-dez. 2000.

ALMEIDA, T.M.C. As raízes da violência na sociedade patriarcal. Revista Sociedade e Estado, Brasília, vol.19, n.1, p. 235-243, jan.-jun. 2004.

ALVES, J. E. D. Desafios da equidade de gênero no século XXI. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, p. 219-230, jan.-jun. 2014.

BIROLI, F. Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

BORIS, G. D. J. B.; CESÍDIO, M. H. Mulher, corpo e subjetividade: uma análise desde o patriarcado à contemporaneidade. Revista Mal-estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 6, n. 2, p. 451-478, set. 2007.

DELPHY, C. Teorias do patriarcado. In: HIRATA, H; et al. (Orgs.). Dicionário crítico do feminismo, São Paulo: Unesp, p. 173-179, 2009.

FACIO, A. Feminismo, gênero y patriarcado. Justicia y Genero, 1999. Disponível em:˂ http://justiciaygenero.org.mx/publicaciones/facio-alda-1999-feminismo-genero-y-patriarcado˃. Acesso em: 1 abr. 2019.

LACERDA, M.M. Renovação [1919]. Fortaleza: FAC-SÍMILE, 2015.

LACERDA, M.M. Feminismo? Caridade? Utopia: Revista Anarquista de Cultura e Intervenção, Lisboa, n. 9, 1999.

LEITE, M.L.M. Outra face do feminismo: Maria Lacerda de Moura. São Paulo: Ática, 1984.

MATHIEU, N-C. Sexo e Gênero. In: HIRATA, H. et al. (Orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Unesp, p. 222-230, 2009.

MEYER, D. E. E; RIBEIRO, C; RIBEIRO, P. R. M. Gênero, sexualidade e educação. ‘Olhares’ sobre algumas perspectivas teórico-metodológivas que instituem um novo G.E. 2004. Disponível em: ˂http://27reuniao.anped.org.br/diversos/te_dagmar_meyer.pdf˃. Acesso em: 1 abr. 2019.

PISCITELLI, A. Re-criando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI, L. (Org.). A prática feminista e o conceito de gênero. Textos Didáticos, n. 48. Campinas: IFCH/Unicamp, p. 7-42, 2002.

RUBIN. Gayle. O tráfico de mulheres: notas sobre a economia política do sexo. Tradução de DABAT, C. R.; ROCHA, E. O. e CORRÊA, S. Recife: S.O.S Corpo. 1993.

SAFFIOTTI, H. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, p. 95-139, 2004.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. 1989. Disponível em: ˂https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/185058/mod_resource/content/2/G%C3%AAnero-Joan%20Scott.pdf˃. Acesso em: 1 abr. 2019.

SOUSA, L.G.P, SOMBRIO, M.M.O e LOPES, M.M. Para ler Bertha Lutz. Cadernos Pagú, n. 24, p.315-325, jan.-jun. 2005.

STRÜCKER, B; MAÇALAI, G. Bela, recatada e do lar: os novos desdobramentos da família patriarcal. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL. DEMANDAS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA, 13. 2016, Santa Cruz do Sul. Anais... Disponível em: ˂online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidspp/article/view/15880˃. Acesso em: 1 abr. 2019.

TELES, M.A.A. Breve história do feminismo no Brasil e outros ensaios. São Paulo: Alameda, 2017.

Downloads

Publicado

14/07/2020

Como Citar

Maurano, T. R., & Pinto, G. U. (2020). A condição social da mulher e o debate sobre gênero e patriarcado: contribuições de Maria Lacerda de Moura. Revista Crítica Histórica, 11(21), 186–208. https://doi.org/10.28998/rchv11n21.2020.0009