Espiritismo e profecia: uma análise da dimensão política das expectativas proféticas no espiritismo brasileiro

Autores

  • Sinuê Neckel Miguel UEPB

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchv13n25.2022.0010

Palavras-chave:

espiritismo, profecia, política

Resumo

O artigo trata dos modos como se desenvolveram narrativas proféticas na história do espiritismo no Brasil, tendo em vista sobretudo os seus possíveis significados políticos. Assim, analisamos obras que tratam da ideia de transição planetária para um mundo futuro de regeneração, observando como ideias de progresso, de providência divina, de seleção de espíritos e de embate entre o bem e o mal relacionam-se com a dimensão política da religião espírita em distintos contextos históricos, de finais do século XIX aos nossos dias.

Referências

ARRIBAS, Célia. Afinal, espiritismo é religião? São Paulo: Alameda; Fapesp, 2010.

_______. No princípio era o verbo: espíritas e espiritismos na modernidade religiosa brasileira. 2014. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

_______. Política, gênero e sexualidade: controvérsias espíritas entre progressistas e conservadores. Contemporânea, v. 10, n. 2, Maio-Ago. 2020.

ASAD, Talal. Genealogies of Religion: Disciplines and Reasons of Power in Christianity and Islam. Baltimore, Md.: Johns Hopkins University, 1993.

AUBRÉE, Marion; LAPLANTINE, François. La table, le livre et les esprits: naissance, évolution et actualité du mouvement social spirite entre France et Brésil. Paris: Jean Claude Lattes, 1990.

BOITO Jr., Armando. Por que caracterizar o bolsonarismo como neofascismo. Revista Crítica Marxista, nº 50, 2020.

CAMURÇA, Marcelo. Conservadores x progressistas no espiritismo brasileiro: tentativa de interpretação histórico-hermenêutica. PLURAL, Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da USP, São Paulo, v. 28.

CAVALCANTE, Sávio. Classe média e ameaça neofascista no Brasil de Bolsonaro. Revista Crítica Marxista, nº 50, 2020.

COHN, Norman. Cosmos, caos e o mundo que virá: as origens das crenças no Apocalipse. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DAMAZIO, Sylvia F. Da elite ao povo: advento e expansão do espiritismo no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

DAMASIO, João. Da caridade à cidadania em fluxos: posicionamentos espíritas nas eleições de 2018. ComPolítica, v. 10, n. 2, p. 135-166, 2020.

D’ANDREA, Anthony Albert Fischer. O self perfeito e a nova era: individualismo e reflexividade em religiosidades pós-tradicionais. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

DIAS, Haroldo Dutra. Despertar: nossos desafios na transição planetária. São Paulo: Intelítera Editora, 2020.

FRANCO, Divaldo Pereira. Transição planetária. Salvador: Livraria Espírita Alvorada Editora, 2010.

_______. Amanhecer de uma nova era. Salvador: LEAL, 2016.

_______. No rumo do mundo de regeneração. Salvador: LEAL, 2021.

GIUMBELLI, Emerson. O fim da religião: dilemas da liberdade religiosa no Brasil e na França. São Paulo: Attar Editorial, 2002.

ISAIA, Artur Cesar. Espiritismo, conservadorismo e utopia. In: PINTO, Elisabete A; ALMEIDA, Ivan A. de (orgs.). Religiões: tolerância e igualdade no espaço da diversidade. São Paulo: Fala Preta, 2004. p. 101-116.

_______. Espiritismo, república e progresso no Brasil. In: HOMEM, A. C; SILVA, A. M e ISAIA, A. C. Progresso e religião. A República no Brasil e em Portugal. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra; Uberlândia: Edufu, 2007.

_______. A República e a teleologia histórica do espiritismo. In: ISAIA, Artur Cesar e MANOEL, Ivan Aparecido (org.). Espiritismo e religiões afro-brasileiras. São Paulo: Ed. Unesp, 2012.

KARDEC, Allan. Obras póstumas. Brasília: FEB, 2017.

_______. O evangelho segundo o espiritismo. Brasília: FEB, 2019.

_______. A gênese. Brasília: FEB, 2020.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999.

_______. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto e Ed. PUC-Rio, 2006.

LEWGOY, Bernardo. Os espíritas e as letras. 2000. Tese (Doutorado em Antropologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

_______. O grande mediador: Chico Xavier e a cultura brasileira. Bauru: EDUSC, 2004.

LÖWY, Michael. A guerra dos deuses: religião e política na América Latina. Petrópolis: Vozes, 2000.

MACHADO, Rosana Pinheiro e SCALCO, Lucia Mury. Da esperança ao ódio: juventude, política e pobreza do lulismo ao bolsonarismo. Cadernos IHU ideias, nº 278, vol. 16, 2018.

MAES, Hercílio. Mensagens do astral. Curitiba: Freitas Bastos, 1983.

MATA, Sérgio da. História e religião. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

MIGUEL, Sinuê Neckel. Espiritismo e Política: o compasso dos espíritas com a conjuntura dos anos 1930-1940. Debates do NER, Porto Alegre, n.15, p.39-70, 2009.

_______. A questão política no Espiritismo: o sagrado e o profano em tensão. In: MOURA, Carlos André S. de; SILVA, Eliane Moura da; SANTOS, Mário R. dos; SILVA, Paulo Julião da (Orgs.). Religião, Cultura e Política no Brasil: Perspectivas Históricas. 10. ed. Campinas: Coleção Ideias. IFCH – UNICAMP, 2011. p. 85-108.

_______. Movimento Universitário Espírita: religião e política no Espiritismo brasileiro (1967-1974). São Paulo: Alameda, 2014.

_______. Disposições políticas no espiritismo brasileiro: entre “neutralidade” conservadora e aspirações socialistas. SÆCULUM – Revista de História, v. 25, n. 42, João Pessoa, p. 86-104, jan./jun. 2020.

MINOIS, Georges. História do futuro: dos profetas à prospectiva. São Paulo: Ed. Unesp, 2016.

NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes. Os espíritos assombram a metrópole: sociabilidades espiritualistas (espírita e esotérica) em São Paulo na Primeira República. Tese de Doutorado em História pela USP, 2016.

NONGBRI, Brent. Before religion: a history of a modern concept. New Haven: Yale University Press, 2013.

SAES, Décio. Classe média e sistema político no Brasil. São Paulo: T. A. Queiroz, 1984.

SIGNATES, Luiz. Espiritismo e política: os tortuosos caminhos do conservadorismo religioso e suas contradições no Brasil. Caminhos, Goiânia, Especial, v. 17, p. 138-154, 2019.

SIGNATES, Luiz e DAMÁSIO, João. Configurações digitais da contrahegemonia espírita: uma cartografia dos coletivos progressistas e de esquerda no espiritismo brasileiro. Revista Tropos: Comunicação, Sociedade e Cultura, v. 10, n. 1, Julho de 2021.

SILVA, Eliane Moura. Maçonaria, Anticlericalismo e Livre Pensamento no Brasil (1901-1909). Comunicação apresentada no XIX Simpósio Nacional de História – ANPUH, Belo Horizonte, 1997. p. 1-26.

SILVA, Fábio Luiz da. Espiritismo: história e poder (1938-1949). Londrina: Eduel, 2005.

_______. A utopia espírita: cidade espiritual Nosso Lar. In: ISAIA, Artur Cesar e MANOEL, Ivan Aparecido (org.). Espiritismo e religiões afro-brasileiras. São Paulo: Ed. Unesp, 2012.

TORRE, Bruna Della. Com quantos paus se faz uma canoa? Notas sobre “A personalidade autoritária”. Revista Crítica Marxista, nº 50, 2020.

WILSON, David A. A história do futuro. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

XAVIER, Francisco Cândido. Emmanuel. Brasília: FEB, 2018.

_______. Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho. Brasília: FEB, 2019.

_______. A caminho da luz: história da civilização à luz do espiritismo. Brasília: FEB, 2020.

Downloads

Publicado

11/12/2023

Como Citar

Neckel Miguel, S. (2023). Espiritismo e profecia: uma análise da dimensão política das expectativas proféticas no espiritismo brasileiro. Revista Crítica Histórica, 13(25). https://doi.org/10.28998/rchv13n25.2022.0010