Educação, Diversidade e Racismo: Repensando a Formação do/a Professor/a

Autores

  • Elenice Silva Ferreira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchvl2n03.2011.0009

Resumo

O presente trabalho é o resultado da experiência como docente no curso de extensão: “Educação e culturas afro-brasileiras”, promovido pelo ODEERE/UESB, cujo objetivo é a promoção de discussões acerca da ancestralidade do povo negro e a sua trajetória histórica no Brasil, com vistas à formação continuada do educador. O texto vem propor uma reflexão acerca da necessidade urgente de se repensar a prática educativa hoje, no que diz respeito ao ensino da história da África e da cultura afro-brasileira na educação básica, vindo à tona a partir da promulgação da lei 10.639/2003. Iniciamos pela reflexão sobre novo papel do professor face aos desafios apresentados pela sociedade que se redesenha neste início de século, marcada pela globalização da cultura, favorecida pela velocidade da informação e, paradoxalmente, pela negação à diversidade. Nessa perspectiva, buscamos discutir como na história da educação brasileira, a ausência de uma reflexão sobre as relações raciais no planejamento escolar tem impedido a promoção de relações interpessoais respeitáveis e igualitárias entre os agentes sociais que integram o cotidiano da escola. Fundamentado nos estudos de NÓVOA (1992), MUNANGA (2005), FERNANDES (1965), CANDAU (1999), o texto traz reflexões referentes à formação continuada do educador como sendo uma prioridade em qualquer proposta de reforma educativa. O mesmo se encerra mostrando, de forma resumida, as propostas construídas pelo ODEERE junto à comunidade da região sudoeste da Bahia. Tais propostas vêm ressaltar, assim, o relevante papel da Universidade como instituição de formação política, de promoção e disseminação do conhecimento.

 

Biografia do Autor

Elenice Silva Ferreira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB

Educação

Referências

ATAÍDE, Yara Dulce Bandeira de; MORAIS, Edmilson de Sena. A (re)construção da identidade étnica afro-descendente a partir de uma proposta alternativa de educação pluricultural. Revista FAEEBA. Salvador, v. 1, n. 1, p. 81-98, jan-jun/1992.

BRASIL. Lei 10.639, de 09 de janeiro 2003. Altera a Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece a diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História de Cultura Afro-brasileira”. Diário Oficial da República federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília,DF, 10 de janeiro de 2003. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br. Acesso em: out. de 2009.

BRASIL. Constituição: República Federativa do Brasil, Brasília: Horizonte Editora, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação/Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Orientações e Ações para a Educação das Relações Étnico-raciais. Brasília-DF: SECAD, 2006.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução, elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

BURKE, Peter. (org). A escrita da história, novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.

CANDAU, Vera Maria (org). Magistério, construção cotidiana. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao silêncio escolar. São Paulo: Summus, 2000.

FREIRE, Paulo. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GONÇALVES & SILVA, Beatriz Petronilha. (Relatora). Parecer das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC/CNE, 2004.

HALL, Stuart. A identidade Cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

IANNI, Otávio. A dialética das relações raciais. Disponível em: . Acesso em nov. 2008.

NEVES, Gilberto. (org). Educar para a igualdade:combatendo o racismo na educação. Uberlândia: Sincopel, 2008.

NÓVOA, A. (coord). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

PERRENOUD, Philippe. et. all. Formando professores profissionais. Quais estratégias? Quais competências? 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

RIOS, Ana Lugão; MATTOS, Hebe. Memórias do cativeiro, família, trabalho e cidadania no pós-abolição.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil (1930/1973). Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto

Alegre: ArtMed, 1998.

SANTANA, Marise de. O legado ancestral africano na diáspora e o trabalho do docente: desafricanizando para cristianizar. 2004. 224f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais, Antropologia): PUC- SP, São Paulo, 2004.

SANTOS, Boaventura de Souza. Uma concepção multicultural dos direitos humanos. In: Lua Nova. Revista de Cultura e Política. nº 39, p. 105-124. São Paulo: CEDEC, 1997.

SANTOS, Boaventura de Souza. (Org.). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SANTOS, Milton. O espaço do cidadão. 2ª ed. São Paulo: Nabel,1992.

SANTOS, Sales Augusto dos. A Lei no 10.639/03 como fruto da luta anti-racista do Movimento Negro. In Educação anti-racista : caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03 /Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 21

SILVA, Tomaz Tadeu da. Cultura, Identidades sociais: territórios contestados. Petrópolis RJ: Vozes, 1995.

Downloads

Publicado

01/06/2011

Como Citar

Ferreira, E. S. (2011). Educação, Diversidade e Racismo: Repensando a Formação do/a Professor/a. Revista Crítica Histórica, 2(3). https://doi.org/10.28998/rchvl2n03.2011.0009