Baltasar da Silva Lisboa: O Juiz Conservador das Matas de Ilhéus (1797–1818)

Autores

  • Ana Paula dos Santos Lima Universidade Federal da Bahia/ Universidade Estadual de Feira de Santana

Resumo

Designado Ouvidor e Juiz Conservador das Matas na Comarca de Ilhéus em 1797, Baltasar da Silva Lisboa permaneceu nesse cargo cerca de vinte anos. Nessa responsabilidade escreveu em torno de dez memórias com descrições detalhadas sobre as necessidades vitais das matas e os costumes dos povos dessa Comarca. Neste artigo abordaremos sua atuação como Juiz Conservador das matas da Comarca de Ilhéus, destacando o regimento dos cortes das madeiras; os interesses econômicos da atividade e o surgimento de uma consciência da necessidade de preservação das matas no Brasil.

Biografia do Autor

Ana Paula dos Santos Lima, Universidade Federal da Bahia/ Universidade Estadual de Feira de Santana

Filosofia e História das Ciências

Referências

CAMPOS, Silva. Crônica da Capitania de São Jorge dos Ilhéus. Rio de Janeiro: Conselho Federal de cultura, 1981.

DA CRUZ, Ana Lúcia. Verdades por mim vistas e observadas oxalá foram fábulas contadas. Tese de Doutorado - UFP - Curitiba, 2004.

DEAN, Warren. A ferro e fogo: a História e a Devastação da Mata Atlântica Brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DIAS, Marcelo Henrique. A floresta mercantil: exploração madeireira na capitania de Ilhéus no século XVIII. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 30, nº 59, p. 193-214 – 2010.

DIAS, Marcelo Henrique. Economia, sociedade e paisagens da capitania e comarca de Ilhéus no período colonial. Tese de doutorado. UFF- Niterói, 2007.

DRUMMOND, José Augusto. A história ambiental: temas, fontes e linhas de pesquisa.

Estudos históricos. Rio de Janeiro, vol.4, n.8, 1991.

DUARTE, Regina Horta. Por um pensamento ambiental histórico: O caso do Brasil. Luso- Brazilian Review, Volume 41, Number 2, 2004, pp. 144-161.

GROVE, Richard . Green imperialism. Cambridge, Cambridge Univ. Press, 1995.

KURY, Lorelai. Homens de Ciência no Brasil: impérios coloniais e circulação de informações (1780-1810). História, Ciencias, Saúde – Manguinhos, vol 11 (supplement): 109 – 20, 2004.

LIMA, Ana Paula. Prática Científica no Brasil Colônia: ilustrado luso brasileiro a serviço da natureza (1786 – 1808). Dissertação de mestrado – UFBA/UEFS, 2008.

PÁDUA, José Augusto. Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista (1786-1888). 2 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

PATACA, Ermelinda Moutinho. Terra, água e ar nas viagens científicas portuguesas (1755-1808), Tese de Doutorado - Campinas, SP. [s.n.], 2006.

PRADO, JR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo: colônia. São Paulo: Brasiliense, 1972.

SANTANA, José Carlos Barreto de. Euclides da Cunha e as ciências naturais. São Paulo: Hucitec – Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2001.

SEVCENKO, Nicolau. O front brasileiro na guerra verde: vegetais, colonialismo e cultura. Revista USP. São Paulo (30) 108- 119, junho/ agosto 1996.

SILVA, Luiz; MENDONÇA, José. Terras avistadas por Cabral: Mata Atlântica, 500 anos de devastação. Ilhéus: Editus, 2000.

VOVELLE, Michel (org.). O Homem do Iluminismo. Lisboa: Editorial Presença, 1997.

WORSTER, Donald. Para fazer história ambiental. Estudos históricos, Rio de Janeiro, vol.4, n.8, 1991, p. 198-215.

Downloads

Publicado

01/12/2011

Como Citar

Lima, A. P. dos S. (2011). Baltasar da Silva Lisboa: O Juiz Conservador das Matas de Ilhéus (1797–1818). Revista Crítica Histórica, 2(4). Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/criticahistorica/article/view/2771

Edição

Seção

Dossiê Temático