O Público Alvo das Hagiografias em Prosa de Venâncio Fortunato

Autores

  • João Paulo Charrone Unesp

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchvl4n07.2013.0005

Resumo

Optamos por fazer uma rápida discussão sobre a autenticidade das hagiografias de Venâncio Fortunato, bem como sua legitimação como fonte documental para a história, principalmente após a fundação dos Annales. Em seguida, iniciamos uma discussão sobre as funções e o papel do hagiógrafo medieval. Em seguida, procuramos debater sobre o público alvo das hagiografias de Venâncio Fortunato. Resumidamente, podemos dizer que elas eram direcionadas para todas as camadas sociais do período, o que justifica a utilização de uma linguagem mais coloquial, ou seja, mais acessível à maioria da sociedade merovíngia. Percebemos que elas atingiam esse tipo de público através da leitura em voz alta. Assim, pode-se deduzir que sua principal função era a edificação dos fiéis através dos “exemplos” dos comportamentos e atitudes dos santos presentes nas hagiografias

Referências

BROWN, Peter. “Enjoying the saints in Late Antiquity”. In: Early Medieval Europe, 2000, 9 (I), pp. 1-24.

CANDOLO-CÂMARA, T. “Hagiografia medieval portuguesa: exemplum”. In: Atas do Primeiro Encontro Internacional de Estudos Medievais. 1995, pp. 358-366.

COATES, Simon. “Venantius Fortunatus and the Image of Episcopal Authority in Late Antique and Early Merovingian Gaul”. In: The English Historical Review, V. 15, n. 464, nov. 2000, pp. 1109-1137.

COLLINS, Richard. “Observations on the Form, Language and Public of the Prose Biographies of Venantius Fortunatus in the Hagiography of Merovíngian Gaul”. In: CLARKE, H. B. e BRENNAN, M. Columbanus and Merovíngian Monasticism. Oxford, 1981, pp. 105-124.

CONSTABLE, Giles. “The Ideal of the Imitation of Christ”. In: Three studies in Medieval Religious and Social Thought. s.l.: Cambridge University Press, 1995. pp. 143-217.

CRIPPA, Giulia. “A vida econômica e social na Alta Idade Média italiana e a constituição do gênero representativo dos ciclos dos meses nos reinos longobardos e francos”. In: História Revista. Goiânia, v. 11, n. 1, jan/jun. 2006. pp. 59-78.

DE CERTEAU, M. “Uma Variante: A Edificação Hagio-Gráfica”. In: A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007. pp. 266-278.

FIOCCO, D. “L’immagine del vescovo nelle Vitae Sanctorum di Venanzio Fortunato”. In: Augustinianum, 1/2001, pp. 213-230.

FONTAINE, Jacques. “Hagiographie et Politique, de Sulpice Sévère à Venance Fortunat”. In: Revue D’histoire de L’Eglise de France, LXII, 1976, pp. 113-140.

FRANCO JÚNIOR, Hilário. “O fogo de Prometeu e o escudo de Perseu. Reflexões sobre mentalidade e

imaginário”. In: Signum. S.l., n. 5, pp. 73-116, 2003.

FRIGHETTO, R. Cultura e Poder na Antigüidade Tardia Ocidental. Curitiba: Juruá, 2000.

GUIANCE, Ariel. “Milagros y prodigios em la hagiografia altomedieval castellana”. In: História Revista. Goiânia, v. 11, n. 1, jan/jun. 2006. pp. 17-44.

GURIÉVICH, Arón. Las categorías de la cultura medieval. Madrid: Taurus Humanidades, 1984.

HEENE, Katrien. “Merovingian and Carolingian Hagiography. Continuity or change in Public and Aims?” In: Analecta Bollandiana, t. 107. 1989, pp. 415-428.

HEN, Y. Culture and Religion in Merovingian Gaul. A. D. 481-751. Leiden; New York, Köln: E. J. Brill, 1995.

LE GOFF, J. “Cultura Clerical e Tradições Folclóricas na Civilização Merovíngia”. In: Para um novo conceito de Idade Média. Lisboa: Estampa, 1980, pp. 207-219.

LE GOFF, J. “Cultura Eclesiástica e Cultura Folclórica na Idade Média: S. Marcelo de Paris e o Dragão”. In: IDEM, Para um Novo Conceito de Idade Média. Lisboa: Estampa, 1980, 221-261.

LE GOFF, J. O Maravilhoso e o Quotidiano no Ocidente Medieval. Lisboa: Edições 70, 1983. LE JAN, R. Les Merovingiens. Paris: Puf, 2006.

LOT, Ferdinand. “Em que época se deixou de falar latim?” In: Signum. n. 8, 2006, pp. 191-260.

NAVARRA, Leandro. “Venanzio Fortunanto: Stato degli studi e proposte di ricerca”. In: La Cultura in Italia fra Tardo Antigo e Alto Medioevo.Atti del Convegno tenuto a Roma, Consiglio Nacionale delle Ricerche, dal 12 al 16 Novembre 1979. VII. Roma: Herder Editrice e Libreria, 1981, pp. 605-610.

ONG, W. Oralidade e cultura escrita. S.l: Papirus, s.d.

PONTAL, O. Histoires des conciles mérovingiens. sl.: CERF, 1989.

PORTO, Thiago de Azevedo. “Os cativos na Vida de Santo Domingo de Silos: uma contextualização histórica da sanidade”. In: Atas da VI Semana de Estudos Medievais. Rio de Janeiro: UFRJ, 2006, pp. 295-303.

PRICOCO, Salvatore.”Gli Scritti Agiografici in Prosa di Venanzio Fortunato”. In: Venanzio Fortunato Tra Italia e Francia.Treviso: Província de Treviso, 1993, pp. 175-193.

SILVA, Marcelo Cândido da. A realeza cristã na Alta Idade Média:os fundamentos da autoridade pública no período merovíngio (séculos V-VIII). São Paulo: Alameda, 2008.

SILVA, Marcelo Cândido da; MAZETTO JUNIOR, Milton. “A realeza na fontes do período merovíngio (Séculos VI-VIII)”. In: História Revista. Goiânia, v. 11, n. 1, jan/jun. 2006. pp. 89-120.

UYTFANGHE, Gent M V. “L’hagiographie et son public à l’époque mérovingienne”. In: Studia Patristica, XVI: Papers presented to the Seventh International Conference on Patristic Studies, Part II

Monastica et Ascetica, Orientalia, E Saeculo secundo, Origen, Athanasius, Cappadocian Fathers, Chrysostom, Augustine. Berlim: Akademie-Verlag, 1985, pp. 54-62.

UYTFANGHE, Marc van. “Latin mérovingien, latin carolingien et rustica romana lingua: Continuité ou descontinuité?” In: Revue de l’Université de Bruxelles. Bruxelles: Université de Bruxelles, 1977, pp. 65-88.

UYTFANGHE, Marc van. “Modeles bibliques dans l’hagiographie”. In: Bible de tous les temps. T. IV: Le Moyen Age et la Bible. Paris: sn, 1984. pp. 449-488.

Downloads

Publicado

01/07/2013

Como Citar

Charrone, J. P. (2013). O Público Alvo das Hagiografias em Prosa de Venâncio Fortunato. Revista Crítica Histórica, 4(7). https://doi.org/10.28998/rchvl4n07.2013.0005

Edição

Seção

Dossiê Temático