Duelo de Masculinidades: Gênero, Casamento e Adultério Clerical no Reino de Leão e Castela, Século XIII

Autores

  • Marcelo Pereira Lima Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchvl4n07.2013.0009

Resumo

No final de um dos seus artigos clássicos, a autora Joan Scott havia sugerido que era fundamental sabermos como as instituições sociais incorporam o gênero nos seus pressupostos e nas suas organizações. Seguindo essa agenda, a interseção entre a História Institucional do Direito e os Estudos de Gênero, apesar dos impasses e diferenças, e da multiplicidade de orientações teóricas e metodológicas, pode ser um espaço profícuo na renovação de ambos os campos historiográficos. Neste artigo, temos como objetivo central testar os limites e possibilidades dessa relação, focalizando principalmente a maneira como o casamento e o adultério clericais foram (des)articulados às diretrizes de gênero. Como se trata de um estudo preliminar, concentraremos nossa atenção sobre os complexos processos discursivo-institucionais de d(en)ominação sobre as masculinidades clericais representadas, basicamente, em algumas legislações elaboradas no reino de Castela e Leão, do século XIII, sobretudo no período de governo de Afonso X (1252-1284).

Referências

Documentos Impressos:

ALFONSO X. Las Siete Partidas de Don Alfonso X. Barcelona: Impresta de Antonio Bergnes, 1843-1844. Disponível na Internet via < http://fama.us.es/search*spi/c?SEARCH=a+mont.+11+1+15>. Acesso em março de 2013.

ARIAS BONET. J.A. Primeira Partida. Manuscrito Add. 20.787 del British Museum. Valladolid: Universidad de Valladolid, 1975.

BERNÍ Y CATALÁ, J. Las siete partidas... Edición de Valencia: Imprenta de Benito Monfort, 1767. Edição disponível na Biblioteca Virtual de Pensamiento Político Hispânico Saavedra Fajardo via <http://saavedrafajardo.um.es/WEB/HTML/iniciop.html?Open>. Acesso em março de 2013.

BOSSINI, F.R. Primeira Partida (MS.HC.397/573). Hispanic Society of América. Granada: Caja General de Ahorros y Monte de Piedad de Granada, 1984.

FOREVILLE, R. Lateranense I, II y III. Ed. Eset, 1972.

FOREVILLE, R. Lateranense IV. Vitoria: Ed. Eset, 1972.

VANDERFORD, K. H. Setenario. Facultad de Filosofía y Letras de la Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires, 1945.

Referências bibliográficas:

ALONSO, M. Diccionario medieval español. Desde las glosas emilianenses y silenses (s.X) hasta el siglo XV. Tomo I e II, Salamanca: Universidad Pontificia de Salamanca: Imprenta Kadmos, 1986.

ALVARO, B. G. A construção das masculinidades em Castela no século XIII: um estudo comparativo do poema de Mio Cid e da vida de Santo Domingo de Silos. Dissertação de mestrado apresentada ao PPGHC em

Disponível na Internet via <http://teses2.ufrj.br/Teses/IFCS_M/BrunoGoncalvesAlvaro.pdf>. Acesso em 2013.

ARRANZ GUSMÁN, A. Amores desordenados y otros pecadillos del clero. In: CARRASCO MANCHADO, A.I.; RÁBADE OBRADÓ, M.P. (Coords). Pecar en la Edad Media. Madrid; Sílex, 2008.

BADINTER, E. Um é o outro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

BEAUDETTE, P. In the world but not of it: Clerical celibacy as a symbol of the medieval church. In: FRASSETTO, M. (ed.). Medieval Purity and Piety. Essays on medieval clerical celibacy and religious reform. New York:

London, Garland Publishing, 1998, p. 24-27.

BOURDIEU, P. (1995). A dominação masculina. Educação & Realidade (v.20,n.2), p. 133-84.

BRADY, S.; ARNOLD, J. (Eds). What is masculinity? Historical dynamics from Antiguity to the Contemporary World. Great Britain: Palgrave Macmillan, 2011.

CECCARELLI, P. R. A construção da masculinidade, Percurso, São Paulo, Vol. 19, 1998, p.49-56.

CULLUM, P.H.; LEWIS, K.J. Holi ness and masculinity in the Middle Ages. University of Wales Press: Cardiff, 2004.

DAMATTA, R. Tem pente aí?: reflexões sobre a identidade masculina. In: CALDAS, D. (org). Homens. São Paulo: Ed. Senac, 1997.

ELLIOTT, D. Conjugal Dept and Vows of Chastity. In: ELLIOTT, D. Spiritual Marriage: sexual abstinence in medieval wedlock. Priceton, New Jersey: Priceton University Press, 1993, p. 151-152.

FAUSTO–STERLING, A. Dualismos em duelo. Cadernos Pagu, Campinas, n. 17/18, 2002, p. 9–79.

FRAZÂO. A.C.L.F. “Reflexões sobre o uso da categoria gênero os estudos de História Medieval no Brasil (1990-2003)”. Caderno Espaço Feminino, v.11, n14, jan./jul., 2004, p. 87-107.

FREYRE, G. Modos de homem. Modas de mulher. Rio de Janeiro: Record, 1986.

GOLDENBERG, M. A Outra: estudos antropológicos sobre a identidade da amante do homem casado. Rio de Janeiro: Record, 1997.

GOLDENBERG, M. Masculinidade em crise: novos modelos de “ser homem”. Disponível na Internet <http://miriangoldenberg.com.br/content.phpoption=com_content&task=view&id=29&Itemid=95>. Acesso em abril de 2013.

GOLDENBERG, M. Os Novos Desejos. Rio de Janeiro: Record, 2000; KIMMEL, M. A produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. Horizontes antropológicos 9 (4), 1998, p. 103-17.

GOLDENBERG, M. Ser homem, ser mulher: dentro e fora do casamento. Rio de Janeiro: Revan, 1991.

GROSSI, M.P. Masculinidades: uma revisão teórica. São Paulo: Mandrágora, a. XII, n. 12 , 2006, p. 21-42.

GRYSON, R. Les Origines du Célibat Ecclésiastique du premier au septième siècle, Gembloux: Duculot, 1970, p. 197-198.

HADLEY, D. M.(Ed.) Masculinity in medieval Europe. London, New Yok, Longman: Editor-Dawn Hadley, 1999.

HERDT, G. Introduction. In:HERDT, G. Third sex, third gender: beyond sexual dimorphism in culture and history. New York: Zone Books, 1993, p. 21–81.

KARRAS, R. M. From boys to men: formations of masculinity in the medieval Europa. Philadelphia, Pennsylvania: University of Pennsylvania Press, 2003.

KIMMEL, M. & MESSNER, M. Men’s Lives. Boston, Allyn and Bacon, 1994.

KLAPISH-ZUBER, C. Masculino/feminino.In: LE GOFF, J.; SCHMITT, J-C. Dicionário Temático do Ocidente Medieval , v.1, Bauru, SP; Edusc, São Paulo, SP, Imprensa Oficial do Estado, 2002, p. 137-150.

LEES, C.A. (Ed.)Medieval Masculinities: regarding men in the Middle Ages, Minneapolis: University of Minnesota Press, 1994.

LEYSER, C. Masculinity in Flux: Nocturnal Emission and the Limits of Celibacy in the Early Middle Ages, Hadley, D. M. Masculinity in Medieval Europe, London/New York, Longman, 1999, p. 110-112.

LIMA, M.P. Ciência política, medievalismo e estudos de gênero: a propósito das relações de poder no reino castelhano-leonês, séc. XIII. Atas da VII Semana de Estudos Medievais do Programa de Estudos Medievais da UFRJ, 28 a 30 de novembro de 2007. Rio de Janeiro: março de 2008, p. 116-123.

LIMA, M.P. Do pecado ao gênero da confissão religiosa: algumas reflexões sobre as concepções de pessoa na legislação afonsina, século XIII, Revista Signum, v. 11, 2010, p. 236-266.

LIMA, M.P.; FRAZÃO, A.C.L. Gênero e vida religiosa feminina nas Siete Partidas. Revista Territórios e Fronteira, v. 1, n.2, jul./dez, 2008, p 46-68.

LOPES, C.R.R. A construção do ideal de masculinidade na sociedade ibero-castelhana do século XIII. Fazendo Gênero 8. Corpo, Violência e Poder. Disponível na Internet via <http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/simposios.html>. Acesso em maio de 2013.

MILLER, M. Masculinity, reform, and clerical culture: narratives of episcopal holiness in the Gregorian Era. Church History, v. 72, n.1, março/2003, p. 25-52.

MURRAY, M. The law of the father: patriarchy in the transition from feudalism to capitalism. London, New York: Taylon & Francis e-Library, 2005.

NUCCI, M. F.; RUSSO, J. A. O terceiro sexo revisitado: a homossexualidade no Archives of Sexual Behavior. Physis, v.19, n.1, 2009, p. 127-147.

OLIVEIRA, P. P. A construção social da masculinidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, Rio de Janeiro: IUPERJ, 2004.

PÉROTIN-DUMON, A. Masculinidad. In: PÉROTIN-DUMON, A. El género en historia, Institute of Latin American Studies, University of London, 2001. Disponível na Internet via <http://americas.sas.ac.uk/publications/genero/genero_portada.htm>. Acesso em abril de 2013.

RAMOS, M. S. Um olhar sobre o masculino: reflexões sobre os papéis e representações sociais do homem na atualidade. In: GOLDENBERG, M. (org). Os Novos Desejos. Rio de Janeiro: Record, 2000.

RODRIGUES, A.M. Um mundo só de Homens: os capituralares bracarenses e a vivência da masculinidade nos finais da Idade Média, Estudos em homenagem ao professor doutor José Marques, Oporto, v. 1, v. 2, 2006, p. 195-209.

SCHMITT, J-C. Clérigos e leigos. In: LE GOFF, J.; SCHMITT, J-C. Dicionário Temático do Ocidente Medieval, v.1, Bauru, SP; Edusc, São Paulo, SP, Imprensa Oficial do Estado, 2002.

SILVA, S. G. A crise da Masculinidade: uma crítica à identidade de Gênero e à Literatura Masculinista. Psicologia, Ciência e Profissão, 2006, 26 (1), 118-131.

SILVA, S. G.. Masculinidade na História, Psicologia, Ciência e Profissão, 2000, 20 (3), 8-15.

STICKLER, A. M. L’évolution de la discipline du célibat dans l’Eglise en Occident de la fin de l’âge patristique au concile de Trente. In: COPPENS, J.. Sacerdoce et Célibat. Etudes Historiques et Théologiques. Louvain, Ed.

Peeters, 1971, p. 373-375.

STONE, R. Morality and masculinity in the Carolingian empire. United Kingdom: Cambridge University Press, 2012.

SWANSON, R. N. Angels Incarnate: Clergy and Masculinity from Gregorian Reform to Reformation. In: HADLEY, D. M. Masculinity in Medieval Europe, London/New York, Longman, 1999.

TEJADA Y RAMIRO, J. Colección de cânones y todos los concilios de la Iglesia de España y America. Madrid: Imprenta de D. Pedro Montero, 1861, Tomo III.

UBITEL, L.; LIFSHTZ, F. Gender and Chistianity in medieval Europe; new perspectives. Philadelphia, Pennsylvania: University of Pennsylvania Press, 2008.

Downloads

Publicado

01/07/2013

Como Citar

Lima, M. P. (2013). Duelo de Masculinidades: Gênero, Casamento e Adultério Clerical no Reino de Leão e Castela, Século XIII. Revista Crítica Histórica, 4(7). https://doi.org/10.28998/rchvl4n07.2013.0009

Edição

Seção

Dossiê Temático