Santos e orixás: sincretismo, estética e arte afro-brasileira na estatuária da Coleção Perseverança

Autores

  • Anderson Diego da S. Almeida
  • Maria de Lourdes Lima UFAL

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchvl7n14.2016.0005

Resumo

Este artigo trata do sincretismo cultural presente na Coleção Perseverança e mostra como esse complexo processo de ressignificação de distintas perspectivas de religiosidade se reflete na produção dos artefatos da referida coleção. É a partir desse pressuposto que se enfatiza a plasticidade afro-brasileira, sob o viés da memória e da representação cultural para a leitura de algumas peças catalogadas como estatuárias. A estética da Perseverança traduz a relação que o seu faber estabeleceu com as religiões africanas e brasileiras, principalmente o candomblé e a católica, com o intuito de ressignificar suas tradições culturais. Através da identificação dos códigos inseridos nos objetos selecionados e apresentados neste artigo, foi possível identificar aspectos do contexto histórico e analisar a identidade visual e religiosa da coleção, o que possibilita um registro sobre a história das religiões africanas em Alagoas.

Referências

ANDRADE, Fernando Antônio Gomes de. Lgba: a guerra contra o xangô em 1912. Brasília: Senado federal, Conselho Editorial, 2014.

BAX, M. Holy spirit: outline of the exhibition. In: Exhibition catalogue. Exhibited at De Nieuwe Kerk Amsterdam. Amsterdam, 2008. Disponível em: /www.nieuwekerk.nl/en/#/en/pers/heilig_vuur/editorial.htm>. Acesso em 12 de jul. 2016.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 1997.

DANTAS, Júnior. Festa da Padroeira Nossa Senhora do Rosário em Penedo. 2014. Disponível em: <http://fmgranderio.com.br/festa-da-padroeira-nossa-senhora-rosario-em-penedo-de-

-09-07-10-de-2014/>. Acesso em: 2 de jul. 2016.

Elkins, J. On the Strange Place of Religion in Contemporary Art. New York, United States: Taylor & Francis, 2004.

ENTALHES EM MADEIRA. 2014. Disponível em: < http://www.dolfi.com/pt/55995-santoantonio-com-madeira-entalhada-crianca-made-in-italy#.V5lugOsrLIU>. Acesso em: 2 de jul. 2016.

KERN, D. O conceito de hibridismo ontem e hoje: ruptura e contato. Revista Métis - História & Cultura, n. 3, 53-70. Disponível em: < http://www.ucs.br/etc/revistas/index.

php/metis/article/view/1158/797>. Acesso em: 22 de jul 2016.

FERNANDES, Cláudio. Dia de São Pedro e dia de Santa Bárbara. In: Brasil Escola. Disponível em: <http://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-de-saopedro.htm>. Acesso em 20 de jul. 2016.

FERRETTI, S. F. Repensando o sincretismo: estudo sobre a Casa das Minas. São Paulo: Edusp; São Luís: FAPEMA, 1995.

FLUSSER, Vilém. Da religiosidade: a literatura e o senso de realidade. São Paulo, Brasil: Escrituras Editora, 2002.

GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas e Sinais. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

GRÁFICA MOURA RAMOS. 21 de novembro dia da Nossa Senhora da Apresentação. 2014. Disponível em: <http://graficamouraramos.blogspot.com.br/2014/11/21-de-novembro-diade-nossa-senhora-da.html>. Acesso em: 2 de jul. 2016.

LIMA JÚNIOR, Félix. Perseverança e auxilio dos empregados no Comércio. In: Maceió de Outrora. Raquel Rocha (org). Maceió: EDUFAL, 2001.

LODY, Raul. Coleção Perseverança e a etnografia do Xangô. In: Coleção Perseverança: um documento de xangô alagoano. Maceió: Universidade Federal de Alagoas; Rio de Janeiro: FUNARTE/Instituto Nacional do Folclore, 1985.

MORAIS, F. Reescrevendo a História da Arte Latino-americana. In: Revista Heterogénesis - Revista de Artes Visuales - Tidskrift för Visuell Konst, n. 23, abril, s.p. Disponível em:<http://www.heterogenesis.com/Heterogenesis2/Textos/hcas/h23/Morais.html>. Acesso em: 2 de jun. 2016.

MOSQUERA, G. Wifredo Lam. In N. Aguilar (Org. e Coord.), 23ª Bienal Internacional de São Paulo. Catálogo das Salas Especiais (pp. 462-481). São Paulo, Brasil: Fundação Bienal de São Paulo, 1996.

PRANDI, R. Herdeiras do axé: sociologia das religiões afro-brasileiras. São Paulo: Hucitec, 1996.

PRANDI, R. Os candomblés de São Paulo: a velha magia na metrópole nova. São Paulo, Hucitec e Edusp, 1991.

SANTAELLA, L. Culturas e artes do pós - humano. In: Da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Palulus, 2003.

SANTOS, Juana Elbein dos. Bimestre Didi: Tradição e contemporaneidade. In N. Aguilar (Org. e Coord.), 23ª Bienal Internacional de São Paulo. Catálogo das Salas Especiais (pp. 266-295). São Paulo, Brasil: Fundação Bienal de São Paulo, 1996.

SILVA, Vagner Gonçalves da (2006). Sagrados e profanos. Religiosidades afro-brasileiras e seus desdobramentos na cultura nacional. In E. Araújo (Org.), Museu afro-Brasil. In: Um

Conceito em perspectiva (pp. 149-157). São Paulo, Brasil: Instituto de Políticas Públicas Florestan Fernandes.

SLENES, R. W. Malungu ngoma vem!: África coberta e descoberta do Brasil. In: Revista USP, São Paulo, n. 12, p. 48-67, 1992.

VALENTE, W. Sincretismo religioso afro-brasileiro. 3. ed. São Paulo: Nacional, 1977.

VERGER, Pierre. Influências África-Brasil e Brasil-África. In E. Araújo (Org.), Museu afroBrasil: um conceito em perspectiva (pp. 101-105). São Paulo, Brasil: Instituto de Políticas Públicas Florestan Fernandes, 2006.

Downloads

Publicado

29/10/2020

Como Citar

Almeida, A. D. da S., & Lima, M. de L. (2020). Santos e orixás: sincretismo, estética e arte afro-brasileira na estatuária da Coleção Perseverança. Revista Crítica Histórica, 7(14). https://doi.org/10.28998/rchvl7n14.2016.0005