INCOMPLETUDE E INACABAMENTO...

Autores

  • Maria Leila Alves UMESP
  • Danilo Di Manno Almeida UMESP

Resumo

Os autores tratam dos fundamentos filosóficos e pedagógicos de práticas educativas que consideram a imagem, a cultura e a arte na obra de Paulo Freire. Iniciam com uma apresentação da noção de “boniteza” e mostram seu sentido polissêmico na produção freiriana, bem como a sua ampla implicação temática.  A idéia de inacabamento ou incompletude é tomada da Pedagogia da autonomia. É no “ser mais” e não na “boniteza” que os autores exploraram as idéias estéticas de Paulo Freire. Houvesse uma sistematização deste educador, o inacabamento humano estaria em harmonia com o tema do inacabamento da obra estética, mantendo o seu traço ético, e igualmente, sua relação com a idéia de acabamento do conhecimento humano. Em termos da filosofia clássica, seria a harmonização entre antropologia, estética, ética e gnosiologia. É feita uma breve referência à proposta de uma epistemologia da imagem. Considerando a clássica distinção entre a arte e a ciência, os autores fazem uma análise do que chamam de inteligência institucional. Esta objetivaria o deslocamento de nossa atenção para os produtos (ciência e arte) administrados por ela, em prejuízo da produção humana imagética. Analisa a Arte institucionalizada e as Academias científicas. Deste ponto de vista, Museu e Academia são vistos como empreendimentos comuns para obstaculizar a criatividade e a expressão artística humana.

Downloads

Publicado

08/10/2010

Como Citar

ALVES, M. L.; ALMEIDA, D. D. M. INCOMPLETUDE E INACABAMENTO... Debates em Educação, [S. l.], v. 2, n. 3, 2010. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/60. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos