Faça você mesma!: #Riot Grrrl e as estratégias de Femvertising no Instagram

Autores

  • Luiza Bittencourt Universidade Federal Fluminense e Universidade do Porto
  • Gabriela Gelain Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Palavras-chave:

Riot Grrrl, Cena Musical, Hashtag, Feminismo, Femvertising

Resumo

O artigo pretende analisar o uso do termo Riot Grrrl- cena musical  e ethospunk surgido nos anos 90 juntamente a uma ideologia feminista - por empresas para alcançarem uma audiência onlineque tenha tanto o perfil ligado a essa cenaquanto à causa do movimento Feministade um modo geral. Trata-se de uma pesquisa exploratória baseada em revisão bibliográfica e em um estudo com inspiração netnográfica  desenvolvido a partir do monitoramento de postagens de empresas no Instagramque direcionam seus produtos e serviços através da associação deste termo através da sua aplicação como hashtagpara alcançar um nicho de público interessado na pauta feminista. Dessa forma, pretende-se abordar estratégias de femvertisingpor meio do uso de hashtags e apresentar um panorama do funcionamento dessa indexação e das categorias nelas envolvidas. De acordo com o monitoramento realizado, conclui-se que apesar da expressão aparecer majoritariamente em sites da internet relacionados com o movimento Riot Grrrl, ela também tem sido associada a produtos de empresas que não necessariamente possuem alguma característica relacionada com essa cena, porém pretendem estar associadas ao viés feminista, funcionando, portanto, como um influenciador do consumo. 

 Palavras-Chaves: Riot Grrrl.Cena Musical.Hashtag.Feminismo.Femvertising.

 

 Abstract

Our article intends to analyze the use of the term Riot Grrrl -  feminist musical punk community that began in the 1990s - by companies to reach an online audience that has both the profile of this subculture, as to the feminist cause in general. It is an exploratory research based on a bibliographic review and a study with netnographic inspiration  developed from the monitoring of postings of companies in Instagram. These companies direct their products and services through the association of this term through its application as hashtag to reach a niche audience interested in the feminist agenda. So, we intend to approach femvertising strategies ( through the use of hashtags and present an overview of the operation of this indexation and the categories involved. According to the monitoring we’ve made, it is concluded that although the expression appears mainly in Internet sites related to the Riot Grrrl movement, it has also been associated with products of companies that do not necessarily have some characteristic related to this scene, but intend to be associated with feminist bias, and, therefore, functioning as an influencer of consumption.

 

Keywords: Riot Grrrl.Musical Scene.Hashtag.Feminism.Femvertising.

Biografia do Autor

Luiza Bittencourt, Universidade Federal Fluminense e Universidade do Porto

Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF), com período sanduíche no Instituto de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (UP). Bolsista da Fundação Capes.

Gabriela Gelain, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Mestra em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós Graduação em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Jornalista pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). E-mail: gabrielagelain@gmail.com

Referências

AMARAL, A.; BARBOSA, C.; POLIVANOV, B. Subculturas, re(a)presentação e autoironia em sites de rede social: o caso da fanpage "Gótica Desanimada" no Facebook. CONGRESSO BRASILEIRA DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 28., Rio de Janeiro. Anais do 28 Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

ABITBOL, A.; STERNADORI, M. You act like a girl: an examination of consumer perceptions of femvertising. Quarterly Review of Business Disciplines, United States, v.3, n2, p. 117-138, 2016.

ARAÚJO, J. da Silveira. #BelaRecatadaEDoLar: Consumo midiático, representações de feminilidade e ciberfeminismo em sites de redes sociais. Anais do Congresso Internacional Comunicação e Consumo (Comunicon), São paulo, 2016. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: http://anais-comunicon2016.espm.br/GTs/GTPOS/GT11/GT11-JULIA_ARAUJO.pdf.

ARIZTÍA, T. Classes médias e consumo: três enfoques de leitura a partir da sociologia. In: O que é consumo: comunicação, dinâmicas produtivas e constituição de subjetividades. Organizado por Denise Cogo, Rose de Melo Rocha e Tânia Hoff. Porto Alegre: Sulina, p. 17-37, 2016.

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. 1ª ed., Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BITTENCOURT, L. Turnês de Guerrilha: as estratégias de empreendedorismo musical nos circuitos do rock no exterior. Revista Ciências Sociais Unisinos v. 53, n. 3, p. 459-466, 2017. DOI: 10.4013/csu.2017.53.3.0. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/36145328/Turn%C3%AAs_de_Guerrilha_as_estrat%C3%A9gias_de_empreendedorismo_musical_nos_circuitos_do_rock_no_exterior

BITTENCOURT, L. Gênero e Performance na Benção do Lacre de Liniker. Revista Interfaces Científicas Humanas e Sociais. v. 6, n. 2, p. 459-466, 2017. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/36145328/Turn%C3%AAs_de_Guerrilha_as_estrat%C3%A9gias_de_empreendedorismo_musical_nos_circuitos_do_rock_no_exterior

BITTENCOURT, L.; GUERRA, P. Grrrlzines: Resistance and belonging on Riot Girls fanzi-nes in the Portuguese punk scene. Revista Vozes e Diálogos, v. 17, n. 01, 2018. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/36681076/Grrrlzines_Resist%C3%AAncia_e_Pertencimento_nos_fanzines_Riot_Girls_na_cena_punk_portuguesa

BOURDIEU, P. Poder Simbólico. Fernando Tomaz (trad.). 16 ed, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BRUNS, A. Gatekeeping, gatewatching, realimentação em tempo real: novos desafios para o Jornalismo. Anais do 9º Encontro da SBPJor, Sociedade Brasileira de Pesquisa em Jornalismo. Rio de Janeiro, p. 119-140, 2011. DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v7n2.2011.342. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/342.

BUTLER, J. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAMARGO, M. A. Riot Grrrls em São Paulo: estética corporal na construção identitária. Anais do Congresso Fazendo Gênero 8. Florianópolis: Florianópolis, 2008. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST43/Michelle_Alcantara_Camargo_43.pdf.

CAMPBELL, C. Eu compro, logo existo: as bases metafísicas do consumo moderno. In: BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. (Orgs.). Cultura, consumo e Identidade. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2006.

CASTELLS, M. O poder da identidade. A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COSTA, J. C. et.al. Um jeito diferente e “novo” de ser feminista: em cena, o Riot Grrrl. Revista Ártemis, v. 13, p. 222-240, 2012. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/viewFile/14226/8154.

COSTA, Jussara. C.; RIBEIRO, Jessyka. K. A. Um jeito diferente de ser movimento: em cena, o Riot Grrrl. Anais do Congresso Internacional de Estudos sobre a Diversidade Sexual e de Gênero, Salvador. Salvador: UFBA, 2012. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: http://abeh.org.br/arquivos_anais/J/J040.pdf.

CORTINA, A. Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania. São Paulo: Loyola, 2005.

DOUGLAS, M; ISHERWOOD, B. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

DUNCOMBE, S. Notes From The Underground. Zines and The Politics of Alternative Culture. New York: Verso, 1997.

FORCE, W. ‘No, we don't have any t-shirts: identity in a (self-consciously) consumerist punk subculture’, M.A. Thesis, Tampa: University of South Florida, 2005.

FRITH, S. 1981. Sound Effects, Youth, Leisure, and the Politics of Rock and Roll. Nova York: Pantheon Books.

GAJJALA, R. ‘Third World’ perspectives on cyberfeminism. Development in Practice, Volume 9, Number 5, 1999.

GELAIN, G.; CARLOS, G. S. . Fanzine e subcultura punk: produção, consumo e identidade na cena brasileira. Revista Vozes & Diálogo, v. 17, p. 74-87, 2018.

GELAIN, G.C. Releituras, transições e dissidências da Subcultura Feminista Riot Grrrl no Brasil. Dissertação de mestrado (Ciências da Comunicação), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, 2017.

GUERRA, P.; BITTENCOURT, L. ; GELAIN, G. . Chapter 3 Punk Fairytale: Popular Music, Media, and the (Re) production of Gender. Advances in Gender Research, v. 1, p. 1, 2018 .

JENKINS, H. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2006.

JENKINS, H; FORD, S; GREEN, J. Spreadable Media. Nova York: NYU Press, 2013.

HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HINERASKY, D. O Instagram Como Plataforma De Negócio de Moda: dos “itbloggers” às “it-marcas”. Anais do Comunicon, 2014. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: www.espm.br/download/Anais_Comunicon_2014/gts/gt_seis/GT06_HINERASKY.pdf

HOROCHOVSKI, R. R. e MEIRELLES, G. Problematizando o conceito de Empoderamento. Anais do Seminário Nacional Movimentos Sociais, Participação e Democracia, Florianópolis, SC: UFSC, p.485-506, 2017. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/268032840_PROBLEMATIZANDO_O_CONCEITO_DE_EMPODERAMENTO_1

LEITE, F. Riot Grrrl: capturas e metamorfoses de uma máquina de guerra. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3669.

LEMOS, A. Agregações Eletrônicas ou Comunidades Virtuais? Análise das listas Facom e Cibercultura, 2002. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/agregacao.htm.

LEONARD, M. Paper planes: travelling the new grrrl geographies. In: SKELTON, T.; VALENTINE, G. Cool places: geographies of youth cultures. London: Routledge, 1998.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MARCUS, S. Girls to the front: the true story of the Riot Grrrl Revolution. New York: Harper Perennial, 2010.

MOURA, K. F.; C. F.da Silva, MANDAJI. A relação das hashtags com as palavras de ordem presentes nas Manifestações Brasileiras de 2013. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: http://www.portalintercom.org.br/anais/sul2014/resumos/R40-1334-1.pdf.

OLÍVIA-MELO, C. Novos sujeitos da comunicação - uma contribuição dos Estudos Queer para misturar: emissão-recepção-produção-expressão. Anais do IV Enpecom - Encontro de Pesquisa em Comunicação, 2012. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/6095992/NOVOS_SUJEITOS_DA_COMUNICA%C3%87%C3%83O_-UMA_CONTRIBUI%C3%87%C3%83O_DOS_ESTUDOS_QUEER_PARA_MISTURAR_EMISS%C3%83O-RECEP%C3%87%C3%83O-EXPRESS%C3%83O

O’HARA, C. A filosofia do punk: muito mais do que barulho. São Paulo: Radical Livros, 2005.

RECUERO, R. Redes sociais na Internet, difusão de informação e jornalismo: elementos para discussão. In: SOSTER, D.A.; SILVA, F.F. (Orgs.). Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2009. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: http://www.raquelrecuero.com/artigos/artigoredesjornalismorecuero.pdf.

REIS, J. S. Feminismo por Hashtags: as potencialidades e riscos tecidos pela rede. Anais do Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress, Florianópolis, 2017. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1503731675_ARQUIVO_josemirareis_fazendogenerov2.pdf

RIBEIRO, J. K. A.; COSTA, J. C; SANTIAGO, I. M. F. L. Um jeito diferente e novo de ser feminista: em cena, o Riot Grrrl. Revista Ártemis, Edição V.13, p. 222-240, 2012.

SILVA, A. S.; GUERRA, P. 2015. As palavras do punk. Lisboa: Alêtheia.

SLATER, D. Consumer Culture and Modernity. Cambridge: Polity Press, 1997.

THORNTON, S. Club Cultures: music, media and subcultural capital. Oxford: Polity, 1995.

TRIGGS, T., ‘Scissors and glue: punk fanzines and the creation of a DIY aesthetic’, Journal of Design History, 19: 1, p. 69-83, 2006.

ZAPATER, M. Os problemas de um feminismo para consumo imediato. Justificando, 2018. Acesso em 15 de maio de 2018. Disponível em: http://justificando.cartacapital.com.br/2018/01/19/os-problemas-de-um-feminismo-para-consumo-imediato/.

Downloads

Publicado

13/10/2019

Como Citar

Bittencourt, L., & Gelain, G. (2019). Faça você mesma!: #Riot Grrrl e as estratégias de Femvertising no Instagram. Latitude, 12(2), 36–59. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/5151

Edição

Seção

Dossiê "Cenas musicais: performances artísticas, consumos e estilos de vida"