COLETTE NO BRASIL: TRADUÇÕES, PARATEXTOS E RECEPÇÃO (1937-2010)

Autores

  • Mileyde Luciana Marinho Silva Universidade Federal de Alagoas
  • Kall Lyws Barroso Sales

Resumo

O presente trabalho é uma análise sobre A Vagabunda (ed. 1971), uma obra extremamente atual, que nos mostra a opressão sofrida por uma mulher que decidiu dar um basta em seu sofrimento como uma mulher casada e se tornar aquela a correr atrás do próprio sustento, a mudar de vida para que ela própria detivesse o poder de escolha. Este trabalho tem por objeto esquadrinhar e discutir a forma como a mulher era vista e retratada na obra A Vagabunda (ed. 1971), da autora francesa Gabrielle Sidonie Colette, além de apresentar as formas de paratextos presentes no livro, de acordo com os estudos realizados por Gérard Genette, precursor nas pesquisas sobre paratextos e intertextualidade, publicados na obra Paratextos editoriais (2009). Para fundamentar esta análise foram utilizados trabalhos já realizados sobre a autora e seus escritos, como MIRANDA (2015), MACHADO (2017), além de obras cinematográficas tanto baseadas em seus livros, Gigi (1958), Chéri (2010), como o filme Colette (2018) que mostra a história de vida de Colette. Através da análise foi possível identificar que a autora coloca a mulher como protagonista, não o casamento ou a figura do homens as personagens femininas na obra estão sempre em posição de destaque em relação às personagens masculinas, são retratadas como figuras de força e de apoio enquanto os homens são os “fracos”, seja fisicamente, em razão de uma doença, ou mesmo de uma personalidade fraca, como Maxime, namorado da personagem principal e que é sustentado por sua mãe, mulher forte, que administra os negócios da família com mãos de ferro.

Biografia do Autor

Mileyde Luciana Marinho Silva, Universidade Federal de Alagoas

Graduada em Letras – Francês pela UFAL

Kall Lyws Barroso Sales

Professor Doutor em Estudos da Tradução na UFAL

Referências

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jaqueline. O que é feminismo? São Paulo: Abril Cultural: Brasiliense, 1985.

BONNICI, Thomas. Representação literária. IN: Teoria e crítica literária feminista: conceitos e tendências. Maringá:Eduem, 2007. (p.228-231).

CYRANO. À une jeune femme. 31 âout 1924. p. 22. Disponível em:

https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k6109110z.item __________. À une jeune femme. 31 âout 1924. p. 22. Disponível em:

https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k6109120b.item

CHÉRI. Direção de Stephen Frears. Paris: Pathé. 2010 (110 min).

COLETTE. Direção de Wash Westmoreland. Diamond Films. 2018. Filme (102 min).

COLETTE, Gabrielle. La poison. Le matin, Paris, 2 decembre 1910. Disponível em <https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k569630t.item>

__________. A Vagabunda. Tradução de Dante Costa. São Paulo: Civilização Brasileira. 1937.

__________. A Vagabunda. Tradução de Juracy Daisy Marchese. São Paulo: Abril. 1971.

__________. A Vagabunda. Tradução de Juracy Daisy Marchese. São Paulo: Difusão Européia. 1956.

GENETTE, Gérard. Paratextos editoriais. Tradução de Álvaro Faleiros. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009. p. 41.

GIGI. Direção de Vincente Minnelli. 1958 (119 min).

GIRARDET, Jacky. PÉCHEUR, Jacques. Écho A1. CLE international. 2013.

MACHADO, Gonçalves. “La Main” (1924) de Colette e a representação da mulher casada no início do século XX. ORGANON. Disponível em:

https://seer.ufrgs.br/organon/article/view/76981/46100. Acesso Em: 23 de janeiro de 2019.

MARIE CLAIRE. Ce 100 numero de Marie-Claire est fait par colette. Paris, 27 janvier 1927. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k47010817.item

MIRANDA, Regina. Um corpo caído no chão: a representação feminina em “O Assassino”de Colette. Repositório UFBP. 10 de março de 2015. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/2980. Acesso em 23 de janeiro de 2019.

MONTENOT, Jean. Colette. Écrivaine et femme libre, est morte un 3 août. L’express. 3 de agosto de 2011. Disponível em: https://www.lexpress.fr/culture/livre/colette-ecrivaine-etfemme-libre-est-morte-un-3-aout_1017292.html. Acesso em 2 de setembro de 2019.

PHELPS, Robert. Colette: autobiographie tirée des œuvres de Colette par Robert Phelps. Paris: Fayart, 1966.

ROBERT, Sophie. Colette journaliste. Gallica. 19 de fevereiro de 2018. Disponível em:https://gallica.bnf.fr/blog/19022018/colette-journaliste. Acesso em 2 de setembro de 2019.

SARTI, Cynthia. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Estudos Feministas, Florianópolis, 2004. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/ref/v12n2/23959.pdf. Acesso em 2 de dezembro de 2019.

TORRES, Marie-Hélène. Traduzir O Brasil literário – paratexto e discurso de acompanhamento. Tradução de Marlova Aseff; Eleonora Castelli. Santa Catarina. Copiart, 2011.

Downloads

Publicado

21/04/2021

Como Citar

MARINHO SILVA, M. L.; BARROSO SALES, K. L. COLETTE NO BRASIL: TRADUÇÕES, PARATEXTOS E RECEPÇÃO (1937-2010). Revista Areia, [S. l.], v. 1, n. 4, p. p. 54 – 72, 2021. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12083. Acesso em: 20 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos