"Ao farol", de Virginia Woolf, e a memória coletiva e individual

Autores

  • Mariana Soletti da Silva Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.28998/2317-9945.2021v1n70p173-183

Palavras-chave:

Ao Farol, Virginia Woolf, memória, literatura inglesa.

Resumo

O presente ensaio busca relacionar os conceitos de memória encontrados em Maurice Halbwachs (2006) e Jacques Le Goff (2013) na presença de lembranças no livro Ao Farol (2013), marco do modernismo e um dos mais célebres romances de Virginia Woolf. Para tal, introduziremos algumas questões básicas sobre memória coletiva, individual e histórica, de modo a refletir como a situação histórica e socioeconômica do Reino Unido no tempo-espaço do romance (antes, durante e depois da Primeira Guerra Mundial e o declínio da Era Vitoriana) se comporta nas memórias de Lily Briscoe e nos comportamentos de Sra. Ramsay, as grandes personagens femininas da trama, e dos demais personagens de "Ao Farol". Falar-se-á brevemente sobre os aspectos históricos do ambiente o qual as personagens compartilham, assim como se fará uma breve recapitulação sobre a criação da coletividade através de Freud (2018), com o intuito de aprofundar-se na questão da memória coletiva.

Downloads

Publicado

14/07/2021

Como Citar

DA SILVA, M. S. "Ao farol", de Virginia Woolf, e a memória coletiva e individual. Leitura, [S. l.], v. 1, n. 70, p. 173–183, 2021. DOI: 10.28998/2317-9945.2021v1n70p173-183. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/11620. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Estudos Literários