A contrapelo:

Jornal “Nós, mulheres” – mulheres negras na imprensa alternativa; da visibilidade à vocalidade

Autores

  • Marina P A Mello Unifesp

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchv14n28.2023.0007

Palavras-chave:

feminismos negros, intelectuais negras, feminismos decoloniais

Resumo

Nesse artigo, propomos uma análise comparativa das expressões dos “feminismos afrodiaspóricos” visíveis nas páginas da imprensa negra paulistana (do início do século XX) à vocalidade efetiva de mulheres negras que escreveram, em um outro momento histórico, em jornais que desta feita, embora não identificados estritamente ao que denominamos como “imprensa negra”, integram a “imprensa alternativa”, como o jornal Nós Mulheres (1976-1978), que buscou redimensionar o escopo da pauta feminista, contemplando a necessária condição das mulheres racializadas, notadamente a de mulheres negras. Sendo muitas delas anônimas, figuraram como colaboradoras daquele movimento de reconfiguração da pauta feminista no Brasil. Inspiradas e ancorada no trabalho de historiadoras como Saidiya Hartman (2019), objetivamos identificar e analisar no periódico escolhido, traços da revolução ao mesmo tempo íntima e coletiva, promovida por mulheres negras diante do roteiro precário de liberdade, fraternidade e autonomia, prescrito para elas desde o pós abolição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bhabha, Homi. K. (2001). O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Bernardino-Costa, J., Maldonado-Torres, N., & Grosfoguel, R. (2018). Introdução. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. In J. Bernardino-Costa, N. Maldonado-Torres, & R. Grosfoguel (Orgs.), Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico (pp. 8-43). Belo Horizonte: Autêntica.

Carneiro, Sueli. (2003). Enegrecendo o feminismo. Revista de Estudos Avançados, 17, 117-133.

Collins, Patricia Hill. (2019). Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. (J. P. Dias, Trad.). São Paulo: Boitempo Editorial.

Collins, Patricia Hill (2012). Rasgos distintivos del pensamiento feminista negro. In M. Jabardo (Org.), Feminismos negros: una antología (pp. 99-134). Madrid: Proyecto Editorial Traficantes de Sueños.

Corrêa, Marisa. (1994). Repensando a família patriarcal brasileira. In A. A. Arantes et al. (Orgs.), Colcha de retalhos: estudos sobre a família no Brasil (pp. 15-56). Campinas: Editora da Unicamp.

Davis, Angela. (2016). Mulheres, raça e classe. (H. R. Candiani, Trad.). São Paulo: Boitempo.

Davis, Angela. (1999). I used to be your sweet mama. ideology, sexuality, and domesticity, blues legacies and black feminism. In M. Jabardo (Org.), Feminismos negros: una antología (pp. 99-134). Nueva York: Vintage Books.

Douglass, Frederick. (2014). Narrativa da vida de Frederick Douglass. (L. H. Vieira, Trad.). São Paulo: Penguin-Companhia das Letras.

Fanon, Frantz. (2008). Pele negra, máscaras brancas. (R. da Silveira, Trad.). Salvador: EDUFBA.

Frehse, Fraya. (2005). Os informantes que jornais e fotografias revelam: para uma etnografia da civilidade nas ruas do passado. Estudos Históricos, 36, 131-136.

Gilroy, Paul. (2001). O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. (C. K. Moreira, Trad.). São Paulo: Ed.34, Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes/Centro de Estudos Afro-asiáticos.

Gomes, Nilma Lino. (2009). Limites e possibilidades da implementação da Lei 10.639/03 no contexto das Políticas Públicas em educação. In M. de Paula & R. Heringer (Orgs.), Caminhos convergentes: Estado e Sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll, ActionAid.

Hartman, Saidiya. (2019). Wayward Lives, Beautiful Experiments: Intimate Histories of Social Upheaval. W. W. Norton & Company.

Hartman, Saidiya. (2020). "On insurgent histories and the abolitionist imaginary." Interview to C. Damman. In Artforum, July 14, 2020. Retrieved from https://www.artforum.com/interviews/saidiya-hartman-83579

Kilomba, G. (2019). Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. (J. Oliveira, Trad.). Rio de Janeiro: Editora Cobogó.

Lima, J. (1958). Obra Completa (Vol. I). Rio de Janeiro: Editora José Aguilar.

Lorde, A. (2003). Usos de lo erótico: lo erótico como poder. In A. Lorde, La hermana, la extranjera (pp. 99-134). Madrid: Editorial Horas y Horas.

Lugones, M. (2014). Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, 22(3), 935-952.

Mbembe, A. (2017). Políticas da Inimizade. Lisboa, Portugal: Antígona Editores.

Mello, M. P. A. (2013). O lugar da mulher na imprensa negra paulistana (1915-1924). In Cultura Histórica e Patrimônio, 1(2). Retrieved from https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/cultura_historica_patrimonio/article/view/07_art_v1n2

Mello, M. P. A. (2014a). O ressurgir das cinzas: Negros paulistanos nos pós abolição. São Paulo: Annablume.

Mello, M. P. A. (2014b). Não somos africanos, somos brasileiros: Identidade nos jornais do povo negro e dos imigrantes. (Vol. 1). São Paulo: Annablume.

Mullings, L. (2000). African-American women making themselves: Notes on the role of black feminist research. Souls, 2(4), 18-29. DOI: 10.1080/10999940009362233

Santos, B. (2002). Crítica da Razão Indolente: Contra o desperdício da experiência. Volume 1. São Paulo: Cortês.

Segalen, M. (1988). La revolucion industrial: del proletario al burgues. In Burguière et al. Historia de la família: el impacto de la modernidad (Vol. 2, pp. 89-158). Madrid: Alianza Editorial.

Segato, R. L. (2012). Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. e-cadernos ces, 18. Retrieved from http://eces.revues.org/1533

Silva, D. F. (2019). A Dívida Impagável. São Paulo: Oficina de Imaginação Política/Living Commons/A Casa do Povo.

Spivak, G. C. (2010). Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: Editora UFMG.

Teles, M. A. de A. (2017). Breve história do Feminismo no Brasil e outros ensaios. São Paulo: Editora Alameda.

Truth, S. (1850). The Narrative of Sojourner Truth Dictated by Sojourner Truth (ca. 1797-1883). Boston, The Author. Retrieved from http://digital.library.upenn.edu/women/truth/1850/1850.html

Vigoya, M. V. (2000). Notas em torno de la categoria analítica de gênero. In Â. I. Robledo & Y. Puyana (Compiladoras), Ética: masculinidades y feminilidades (pp. 56-85). Bogotá: Facultad de Ciencias Humanas, Universidad Nacional de Colombia, Centro de Estudios Sociales (CES).

Downloads

Publicado

2023-12-20

Como Citar

P A Mello, M. (2023). A contrapelo: : Jornal “Nós, mulheres” – mulheres negras na imprensa alternativa; da visibilidade à vocalidade. Revista Crítica Histórica, 14(28), 106–130. https://doi.org/10.28998/rchv14n28.2023.0007

Edição

Seção

Dossiê As histórias de vida: pesquisa e ensino de história

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.