QUEM AMA CUIDA: DIA D CONTRA INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

LOVE MEANS CARE: D-DAY AGAINST SEXUALLY TRANSMITTED INFECTIONS

Autores

  • HIGOR BEZERRA LIMA Universidade Federal de Alagoas - UFAL

Palavras-chave:

Infecções Sexualmente Transmissíveis, Educação em saúde, Prevenção

Resumo

As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) são doenças contraídas por relações desprotegidas, na qual a mesma pode ser adquirida tanto pelo homem, quanto pela mulher em que um esteja infectado no ato sexual sem proteção, podendo ocorrer pela via oral, anal e vaginal. Bem como pode ser transmitida da mãe para a criança durante a gestação, o parto ou a amamentação. Os adolescentes e jovens são considerados um grupo prioritário nas campanhas de prevenção devido ao alto risco de adquirir uma IST pelo fato de ser uma idade de transformações biopsicossociais, da escassez de conhecimento acerca da sexualidade e sua implicação no desenvolvimento da saúde física e emocional por parte desse grupo. Esse trabalho consiste em um relato de experiência sobre o Dia D contra infecções sexualmente transmissíveis, cujo objetivou orientar sobre as principais IST e realizar testes rápidos para as mesmas em estudantes da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Os conhecimentos trazidos pelo público a respeito da sexualidade, transmissão e prevenção de IST mostraram-se pouco fundamentados. Houve uma alta demanda de pessoas para realizar os testes rápidos, gerando maior interesse em aprender sobre as IST. O evento proporcionou a promoção de cuidado em saúde sexual, bem como em acolher os indivíduos e atender a suas expectativas. Além de apresentar benefícios aos discentes vinculados ao projeto, na construção de perspectivas e habilidades importantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFONSO, L.. A polêmica sobre adolescência e sexualidade. Belo Horizonte: Campo Social. 2001. Agência de Notícias dos Direitos da Infância - ANDI (2002). A mídia como consultório? Uma análise técnica e jornalística das perguntas e respostas sobre saúde e comportamento veiculadas na mídia impressa. São Paulo: ANDI. Agência de Notícias dos Direitos da Infância - ANDI (2004). Remoto controle: linguagem, conteúdo e participação nos programas de televisão para adolescentes. São Paulo: ANDI.

ARAUJO, R. S. C. Estudo da infecção por Chlamydia trachomatis em adolescentes e jovens do sexo feminino no Distrito Sanitário Leste no município de Goiânia: Prevalência e fatores de risco. Goiânia, 2001. Dissertação de Mestrado- Medicina Tropical- Área de concentração – Doenças Infecciosas e Parasitárias.

ARRANHA, Mª. L. & MARTINS, Mª H. Filosofando: Introdução à Filosofia: 4ª edição. São Paulo. Moderna. 2009.

BRAVERMAN, P. K. Sexually transmitted disease in adolescents. Med. Clin. of North American. V. 84, n. 4 p. 869-888.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. HIV/Aids, hepatites e outras DST / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da saúde. Infecções sexualmente transmissíveis: o que são e como prevenir. 2019. Disponível em: Ministério da saúde: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-az/infeccoes-sexualmente-transmissiveis-ist. http://portalms.saude.gov.br/saude-de-az/infeccoes-sexualmente-transmissiveis-ist . Acesso em: 29/03/2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais 2022. Brasília, 2022. 84 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de Sífilis. Brasília, 2022. 60 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de HIV/Aids. Brasília, 2022. 78 p.

CASTRO GC, ABRAMOVAY M, Silva LB. Juventudes e sexualidade. Brasília: UNESCO Brasil; 2004. Conversando sobre sexo. 8ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes. Durovni B, May S. Doenças sexualmente transmissíveis e AIDS. In: Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Saúde em foco. Rio de Janeiro: Ed. SMS-RJ. 1998;17:13-5.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade 1. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

LIEBERMAN, A., et al. Frequency of prescription filling among adolescents prescribed treatment for sexually transmitted infections in the emergency department. JAMA Pediatr, v. 173, n. 7, p. 695–697, 2019.

SANTANNA, Denise. Descobrir o corpo: uma história sem fim. Educação & Realidade, Porto Alegre, volume 05, 2000. Santos SR, Schor N. Vivências da maternidade na adolescência precoce. Rev. Saúde Pública; 37(1):15-23, fev.2003. Siqueira ILCP, Kurcgant P. Estratégia de capacitação de enfermeiros recém-admitidos em unidades de internação geral. Rev Esc Enferm USP. 2005;39(3):251-7.

SILVA, A. T. da; JACOB, M. H. V. M.; HIRDES, A. Conhecimento de adolescentes do ensino médio sobre DST/AIDS no sul do Brasil. Aletheia. Canoas , n. 46, p. 34-49, 2015.

Publicado

2024-03-19

Como Citar

BEZERRA LIMA, H. (2024). QUEM AMA CUIDA: DIA D CONTRA INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: LOVE MEANS CARE: D-DAY AGAINST SEXUALLY TRANSMITTED INFECTIONS. REVISTA ELETRÔNICA EXTENSÃO EM DEBATE, 13(17). Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/extensaoemdebate/article/view/16399

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.