Entre a resistência ao avanço do patamar de vergonha e o mal-estar: algumas considerações sobre a cena musical do pagode baiano

Ledson Chagas

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre a existência de níveis de vergonha expressos na cena musical do pagode baiano, que se opõem a um patamar de vergonha mais consolidado como “civilizado”, mas que encerram em si, também, casos de produção de mal-estar. A partir da análise de informações de um agente da produção desta cena, sobre a relação entre diferentes condutas de segmentos de bandas e seus respectivos horizontes de mercado, e da apresentação de dados etnográficos produzidos em trabalho de campo com observação participante em espaços de consumo, busca-se apresentar como a estratificação social em meio às classes populares permeia suas práticas expressivas de patamar de vergonha, que também são fontes de prazer, de produção comercial com diferentes potências de difusão e de mal-estar. O artigo tem como objetivo secundário apresentar um quadro no qual o pagode baiano compõe um fenômeno mais amplo a que se sugere denominar como cenas musicais juvenis, erótico-dançantes e periféricas contemporâneas.

Palavras-chave


cultura popular; relações raciais; gênero

Texto completo:

PDF

Referências


ACOSTA, Leonardo. La timba y sus antecedentes en la musica bailable cubana. Salsa Cubana, nº 6, p. 9-11, 1999. Disponível em: http://www.proyectosalonhogar.com/Enciclopedia_Ilustrada/Leonardo_Acosta.htm. Acesso: 23/04/2017.

BAUMAN, Zygmunt. O Mal-Estar da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O camponês e seu corpo. Revista de Sociologia e Política, nº 26, p. 83-92. Junho, 2006. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/rsp/article/view/8106/5723 Acesso: 23/04/2017.

________________. A Distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Editora Zouk/São Paulo: EDUSP, 2008.

CECCHETTO, Fátima Regina. Violência e estilos de masculinidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ECO, Umberto. A canção de consumo. In: ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. 5ª ed., Tradução: Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 2000.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador. Volume 2: Formação do Estado e Civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

_____________. O Processo Civilizador. Volume 1: Uma História dos Costumes. 2ª ed., Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011.

FEATHERSTONE, Mike. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

FONTANELLA, Fernando Israel. A Estética do Brega: Cultura de Consumo e o Corpo nas Periferias do Recife, 2005. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco/UFPE.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. Tradução: Cid Knipel Moreira. Rio de Janeiro: Editora 34/Universidade Cândido Mendes-Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

JANOTTI JR, Jeder. Por uma análise midiática da música popular massiva. Uma proposição metodológica para a compreensão do entorno comunicacional, das condições de produção e reconhecimento dos gêneros musicais. E-compós, v.1, nº 6, p.1-15, Agosto, 2006. Disponível em: http://compos.org.br/seer/index.php/e-compos/article/viewFile/84/84 Acesso: 23/04/2017.

________________. Entrevista – Will Straw e a importância da ideia de cenas musicais nos estudos de música e comunicação. E-Compós, v.15, nº 2, p. 1-10, Maio/Agosto, 2012. Disponível em: http://www.compos.org.br/seer/index.php/e-compos/article/view/812. Acesso: 23/04/2017.

LEME, Mônica Neves. Que Tchan é Esse? Indústria Cultural e Produção Musical no Brasil dos Anos 90. São Paulo: Annablume, 2003.

LIMA, Ari. A Experiência do Samba na Bahia. Práticas corporais, raça e masculinidade, 2003. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de Brasília/UnB.

LOPES, Maria Immacolata Vassalo de; BORELLI, Sílvia Helena Simões; RESENDE, Vera da Rocha. Vivendo com a Telenovela: mediações, recepção, teleficcionalidade. São Paulo: Summus Editorial, 2002.

LOPEZ CANO, Ruben. Del barrio a la academia. Introducción al dossier sobre timba cubana. Trans. Revista Transcultural de Música, nº 9, dezembro, s/p, 2005. Sociedad de Etnomusicología. Barcelona, Espanha. Disponível em: http://www.sibetrans.com/trans/articulo/165/del-barrio-a-la-academia-introduccion-al-dossier-sobre-timba-cubana Acesso: 23/04/2017.

____________________ (2007). El chico duro de la Habana. Agresividad, desafío y cinismo en la timba cubana. Latin American Music Review/Revista de Música Latinoamericana, v. 28, nº 1, p. 24-67, 2007. Disponível em: https://muse.jhu.edu/article/217078/pdf Acesso: 23/04/2017.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 5ª ed., Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

MATTOS, Carla. No ritmo neurótico: cultura funk e performances 'proibídas' em contexto de violência no Rio de Janeiro, 2006. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ.

OLIVEIRA, Sirleide. O pagode em Salvador: produção e consumo nos anos noventa, 2001. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia/UFBA.

PINHO, Osmundo. O Fantasma do Estado: Genocídio e Necropolítica. Reaja nas Ruas (blog), 2014. Disponível em: http://reajanasruas.blogspot.com.br/2014/07/o-fantasma-do-estado-genocidio-e.html. Acesso: 23/04/2017.

_______________. “Putaria”: Masculinidade, negritude e desejo no pagode baiano. Maguaré, v. 29, nº 2, p. 209-238, 2015. Universidad Nacional de Colombia. Disponível em: http://www.revistas.unal.edu.co/index.php/maguare/article/view/61671/58092 Acesso: 23/04/2017.

PLATÃO. A República. Tradução: Enrico Corvisieri. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1997.

RODRIGUES, Fernando de Jesus. Economia Simbólica da Excitação: sobre os circuitos musicais populares nas periferias e o sentido erótico-dançante no tecnobrega e no pagode baiano, 2011. Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília/UnB.

_________________________. Aspectos da estrutura de poder entre homens e mulheres e as diversões erótico-dançantes no Brasil contemporâneo. In: Anais do XIV Simpósio Internacional Processos Civilizadores: civilidade, fronteira, diversidade, p.1-15, 2012, Dourados, MS. Disponível em: http://www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais14/arquivos/textos/Workshop/Trabalhos_Completos/Fernando_Rodrigues.pdf Acesso: 23/04/2017.

SANZ GIRALDO, María Alejandra. Funk Carioca e Champeta Cartageneira: Corporalidades, Trangressões e Negociações em músicas e bailes de periferia, 2014. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação do Departamento de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS.

SEMÁN, Pablo. Cumbia villera: avatares y controversias de lo popular realmente existente. Nueva Sociedad, nº 242, p. 149-161, 2012. Disponível em: http://historiapolitica.com/datos/biblioteca/musica%20y%20politica_seman.pdf Acesso: 23/04/2017.

SEMÁN, Pablo e VILA, Pablo. Cumbia villera: una narrativa de mujeres activadas. Colección Monografías, nº 44, Caracas: Programa Cultura, Comunicación y Transformaciones Sociales, CIPOST, FaCES, Universidad Central de Venezuela, 2007. Disponível em: http://www.elortiba.org/pdf/cumbia_villera7.pdf Acesso: 23/04/2017.

SERRA, Ordep. Rumores de festa. O sagrado e o profano na Bahia. Salvador: Editora EDUFBA, 2009.

SPATARO, Carolina. Las tontas culturales: consumo musical y paradojas del feminismo. Revista Punto Género, nº 3, 2013. Disponível em: http://www.revistapuntogenero.uchile.cl/index.php/RPG/article/viewArticle/30265. Acesso: 23/04/2017.

STALLYBRASS, Peter e WHITE, Allon. The politics and poetics of transgression. New York: Cornell University Press, 1986.

STRAW, Will. Scenes and Sensibilities. Public, nº 22/23, p. 245-257, 2002. Disponível em: http://public.journals.yorku.ca/index.php/public/article/view/30335/27864 Acesso: 23/04/2017.

TATIT, Luiz. O século da canção. 2ª ed., Cotia: Ateliê Editorial, 2008.

TINHORÃO, José Ramos. História Social da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora 34, 1998.

_____________________. Os sons dos negros no Brasil. cantos, danças, folguedos: origens. 2ª ed., São Paulo: Editora 34, 2008.

VIANNA, Hermano. O mundo funk carioca. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

VICENTE, Eduardo. Segmentação e Consumo: a produção fonográfica brasileira. Revista ArtCultura. Uberlândia: EDUFU, v. 10, n. 16, p. 99-117, jan./jun., 2008. Disponível em: http://sociologia.fflch.usp.br/sites/sociologia.fflch.usp.br/files/E_Vicente.pdf. Acesso: 23/04/2017.

WOUTERS, Cas. Como continuaram os processos civilizadores: rumo a uma informalização dos comportamentos e a uma personalidade de terceira natureza. Revista Sociedade e Estado, v. 27, nº 3, set/dez 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v27n3/06.pdf Acesso: 23/04/2017.






Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.


 

                                  Resultado de imagem para doajResultado de imagem para ibict