Percursos e discursos da identidade negra no rap: música popular e questões raciais no Brasil, 1988-2018

Autores

  • Roberto Camargos

Palavras-chave:

rap, hip hop, negritude, música popular, cultura urbana

Resumo

Neste artigo exploro as narrativas produzidas por rappersbrasileiros durante as últimas três décadas para pensar como o enfrentamento e a denúncia do racismo e a produção e difusão de valores da identidade negra se constituíram em um dos principais pilares da poética e da cultura rapno país. Os rappers, tendo como ponto de partida duras experiências de preconceito, sobretudo devido à cor, produziram ideias e imagens positivadas acerca da negritude, dos corpos e da cultura negra, promovendo amplo e intenso debate sobre as questões raciais no Brasil e trabalhando em favor da autoestima de uma população muito numerosa.  O trabalho foi desenvolvido a partir de documentação diversa sobre a prática do rapnacional, recolhida em pesquisa historiográfica nos últimos dez anos, e está teórica e metodologicamente sintonizado com o campo da História Cultural e dos Estudos Culturais. 

Biografia do Autor

Roberto Camargos

Doutor em História pela Universidade Federal de Uberlândia e Filmmaker.

Referências

ADORNO, Sérgio. Racismo, criminalidade violenta e justiça penal: réus brancos e negros em perspectiva comparativa. Estudos Históricos, n. 18, Rio de Janeiro, CPDoc, 1996.

AZEVEDO, Amailton Magno. No ritmo do rap: música, cotidiano e sociabilidade negra — São Paulo, 1980-1997. Dissertação (Mestrado em História) — Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2000.

BARRETO, Sílvia Gonçalves Paes. Hip hop na região metropolitana de Recife: identificação, expressão cultural e visibilidade. Dissertação (Mestrado em Sociologia) — Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

Boletim de Análise Político-Institucional do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, n. 1, Brasília, Ipea, 2011.

CARRIL, Lourdes. Quilombo, favela e periferia: a longa busca da cidadania. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2006.

CARVALHO, Alvino Rodrigues de. Movimentos culturais e justiça social: um estudo da cultura hip hop mineira. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

CEVASCO, Maria Elisa. Para ler Raymond Williams. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

FRADIQUE, Teresa. Escalas de prática e representação: a música rap enquanto projecto de imaginação espacial. In: PAIS, José Machado, BRITO, Joaquim Pais de e CARVALHO, Mário Vieira de (coords.). Sonoridades luso-afro-brasileiras. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2004.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Walter Benjamin ou a história aberta. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MACA, Nelson. Algumas reflexões sobre hip hop e baianidades. Revista Palmares: cultura afro-brasileira, n. 2, Brasília, Ministério da Cultura/Fundação Cultural Palmares, dez. 2005.

MOREIRA, Tatiana Aparecida. A constituição da subjetividade em raps dos Racionais MC’s. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) — Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2009.

MORENO, Rosangela Carrilo. As mutações da experiência militante: um estudo a partir do hip hop de Campinas. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

MUNANGA, Kabenguele. Redescobrindo a mestiçagem no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1999.

PIMENTA, Carlos Alberto Máximo. O cotidiano dos grupos de jovens da periferia de São Paulo: visões de mundo e manifestações de ética e violência. Demandas Sociais, v. 1, n. 2, São Paulo, jul.-dez. 1998.

SANSONE, Livio. Negritude sem etnicidade. Salvador-Rio de Janeiro: Edufba/Pallas, 2003.

SILVA, José Carlos Gomes da. Arte e educação: a experiência do movimento hip hop paulistano. In: ANDRADE, Elaine N. de (org.). Rap e educação, rap é educação. São Paulo: Summus, 1999.

SILVA, José Carlos Gomes da. Rap na cidade de São Paulo: música, etnicidade e experiência urbana. Tese (Doutorado em Antropologia) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

SILVA, Rogério de Souza. A periferia pede passagem: trajetória social e intelectual de Mano Brown. Tese (Doutorado em Sociologia) — Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

SODRÉ, Muniz. Samba, o dono do corpo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

TELLA, Marco Aurélio Paz. Reação ao estigma: o rap em São Paulo. Enfoques, v. 5, n. 1, Rio de Janeiro, UFRJ, 2006.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

WILLIAMS, Raymond. O campo e a cidade: na história e na literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2004.

ZENI, Bruno. O negro drama do rap: entre a lei do cão e a lei da selva. Estudos Avançados, v. 18, n. 50, São Paulo, 2004.

Downloads

Publicado

13/10/2019

Como Citar

Camargos, R. (2019). Percursos e discursos da identidade negra no rap: música popular e questões raciais no Brasil, 1988-2018. Latitude, 12(2), 7–35. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/4350

Edição

Seção

Dossiê "Cenas musicais: performances artísticas, consumos e estilos de vida"