Desigualdade de Gênero no Trabalho: um estudo sobre Divisão Sexual do Trabalho e Trabalho a Domicílio na indústria calçadista em três municípios brasileiros nos anos 2000 e 2010

Autores

Palavras-chave:

Indústria calçadista, Divisão sexual do trabalho, Trabalho a domicílio, Desigualdade de Gênero no trabalho,

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar duas importantes variáveis nos estudos sobre mercado de trabalho: a divisão sexual e o trabalho em domicílio. De acordo com Navarro (2006), especificamente na indústria calçadista no Brasil, empresas de grande, médio, pequeno e micro porte convivem na produção desse segmento, associadas a uma variada gama de unidades produtivas especializadas na confecção de determinadas partes do calçado, denominadas “bancas ou ateliês”. Segundo Piccinini (1992), geralmente os integrantes dessas “bancas ou ateliês” realizam suas tarefas em domicílio, sendo essas unidades produtivas constituídas principalmente por: mulheres, crianças e, eventualmente, homens que já trabalharam na indústria calçadista. Para a pesquisa, foram selecionados três municípios que possuem como uma de suas principais atividades econômicas a indústria calçadista: Sapiranga – Rio Grande do Sul –, Nova Serrana – Minas Gerais – e Camocim – no Ceará. A base de dados utilizada foram os Censos dos anos 2000 e 2010 e os principais resultados encontrados dão conta que houve uma entrada em larga escala das mulheres na indústria calçadista. Sobretudo na informalidade e em relação ao trabalho em domicílio, percebeu-se maior participação feminina.  

Abstract

The article aims to analyze two important variables in studies on the labor market: the sexual division and work at home. Specifically in the footwear industry, according to Navarro (2006), in Brazil, large, medium, small and micro companies coexist in the production of this segment, associated with a varied range of production units specialized in making certain parts of the footwear, called “stalls or ateliers”. According to Piccinini (1992), the members of these “stalls or ateliers” generally perform their tasks at home, with these production units being mainly composed of: women, children and eventually men who have already worked in the footwear industry. For the research, three municipalities were selected whose footwear industry is one of their main economic activities, Sapiranga in Rio Grande do Sul, Nova Serrana in Minas Gerais and Camocim in Ceará. The database used was the Census of the years 2000 and 2010 and the main results found show that there was a large-scale entry of women into the footwear industry, especially in informality and in relation to work at home, greater female participation was noticed.

Biografia do Autor

Luís Henrique Silva Ferreira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG

Doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2015-2019). Mestre em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2012-2014). Bacharel e Licenciado em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2006-2010). Licenciado em Sociologia pela Universidade Paulista (2016-2018). Foi pesquisador da Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado (EPSM), do Núcleo de Educação em Saúde Coletiva (NESCON), da Faculdade de Medicina (FM) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), trabalhando com mercado de trabalho e planejamento em saúde, com enfoque em métodos quantitativos. Tem atuação nas seguintes áreas: Estratificação Social, Desigualdades Sociais, Estrutura Ocupacional e Sociologia do Trabalho. Atualmente é professor substituto no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) - Campus Bambuí.

Referências

ARAÚJO, Clara; SCALON, Maria Celi. Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2005.

ARAÚJO, Ângela Maria Carneiro; LOMBARDI, Maria Rosa. Trabalho informal, gênero e raça no Brasil do início do século XXI. Cadernos de Pesquisa, v.43, n.149, p.1-26, 2013.

BORGES, Ângela. As novas configurações do mercado de trabalho urbano no Brasil: notas para discussão. Caderno CRH, v.23, n.60, p.619-632, 2010.

CARVALHO, Mônica; ROCHA, Ângela. Continuidade da ação internacional, características da empresa e obstáculos percebidos: um estudo na indústria brasileira de calçados. Revista de Administração Contemporânea, v. 2, n. 2, p. 23-39, 1998.

CORSEUIL, Carlos Henrique Leite; FOGUEL, Miguel Nathan. Expansão econômica e aumento da formalização das relações de trabalho: uma abordagem através das contratações. Texto para Discussão, n. 1571, p.1-32, 2011.

FERREIRA, Luís Henrique Silva; CAETANO, André Junqueira. Mercado de trabalho e informalidade no setor calçadista: um estudo comparado entre três municípios brasileiros nos anos 2000 e 2010. Trabalho & Educação, v. 24, n. 3, p. 203-219, 2015.

HIRATA, Helena. Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, n.17-18, p.139-156, 2001.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n.132, p. 595-609, 2007.

HIRATA, Helena. A precarização e a divisão internacional e sexual do trabalho. Sociologias, n. 21, p. 24-41, 2009.

HOLZMANN, Lorena. Divisão Sexual do Trabalho. In: CATTANI, Antonio David; HOLZMANN, Lorena (Orgs.). Dicionário de Trabalho e Tecnologia. Porto Alegre: Editora Zouk, 2011. p. 125-127.

HOLZMANN, Lorena. Trabalho em domicílio. In: CATTANI, Antonio David; HOLZMANN, Lorena (Orgs.). Dicionário de Trabalho e Tecnologia. Porto Alegre: Editora Zouk, 2011. p. 437-440.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. Sistema Nacional de Informações de Gênero - SNIG. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/apps/snig/v1/?loc=0> . Acesso em: jun. 2020.

LIMA, Jacob Carlos; BORSOI, Izabel Cristina Ferreira; ARAÚJO, Iara Maria. Os novos territórios da produção e do trabalho: a indústria de calçados no Ceará. Caderno CRH, v.24 n.62, p. 367-384, 2011.

MARX, Karl. O Capital: Crítica da Economia Política, Livro I: O processo de produção do capital. Editora Nova Cultural, 1996.

NAVARRO, Vera Lucia. O trabalho e a saúde do trabalhador na indústria de calçados. São Paulo em Perspectiva, v.17, n.2, p. 32-41, 2003.

NAVARRO, Vera Lucia. Reestruturação produtiva e precarização do trabalho na indústria de calçados no Brasil. In: II Conferência Internacional La obra de Karl Marx y los desafios del siglo XXI, v. 21, n. 2, 2004.

NAVARRO, Vera Lucia. Trabalho e trabalhadores do calçado: A indústria calçadista de Franca (SP): das origens artesanais a reestruturação produtiva. São Paulo: Expresso Popular, 2006.

NEVES, Magda Almeida. Trabalho Atípico. In: CATTANI, Antonio David; HOLZMANN, Lorena (Orgs.). Dicionário de Trabalho e Tecnologia. Porto Alegre: Editora Zouk, 2011. p. 440-445.

PICCININI, Valmíria Carolina. Novas formas de organização do trabalho na indústria de calçadista. Revista de Administração, v.27, n. 2, p. 33-40, 1992.

RUBIN, Gayle. O Tráfico de mulheres: notas sobre a “economia política” do sexo. Recife: SOS Corpo, 1993.

SANTOS, Tania Steren dos. Divisão sexual do trabalho na indústria calçadista do Vale dos Sinos, Rio Grande do Sul: Visibilizando práticas e representações - 2004. Mulher e Trabalho, v.6, p.59-74, 2011.

SORJ, Bila; FONTES, Adriana; MACHADO, Danielle Carusi. Políticas e práticas de conciliação entre família e trabalho no Brasil: issues and policies in Brazil. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, p. 573-594, 2007.

Downloads

Publicado

29/09/2020

Como Citar

Ferreira, L. H. S. (2020). Desigualdade de Gênero no Trabalho: um estudo sobre Divisão Sexual do Trabalho e Trabalho a Domicílio na indústria calçadista em três municípios brasileiros nos anos 2000 e 2010. Latitude, 13(2), 233–257. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/10453

Edição

Seção

Artigos