Dirigindo a Quimera: Trabalho e adoecimento dos motoristas do transporte coletivo de Goiânia e Região Metropolitana

Autores

  • Lucinéia Scremin Martins Universidade Federal de Goiás
  • Rafael Aparecido Mateus de Barros Universidade Federal de Goiás (UFG)

Palavras-chave:

Trabalho, Motoristas, Transporte coletivo, Adoecimento, Reestruturação produtiva,

Resumo

Este artigo busca empreender uma análise do cotidiano de trabalho e do processo de adoecimento dos motoristas do transporte coletivo em Goiânia e Região Metropolitana. Realiza uma abordagem qualitativa por meio de entrevistas semiestruturadas com motoristas ligados ao sistema de transporte coletivo de Goiânia. Aborda os impactos e desdobramentos da reestruturação produtiva do capital sobre o mundo do trabalho, a partir das determinações da acumulação flexível concretizadas nas inovações organizacionais e tecnológicas. Ou seja, a partir da inserção de inovações tecnológicas, organizacionais e institucionais constata mudanças centrais no cotidiano de trabalho dos motoristas. Esse cotidiano fundamentado no processo de intensificação do trabalho e determinado pela organização do trabalho gera o adoecimento dos motoristas. O estudo apontou uma associação direta entre condições de trabalho impostas pelas empresas e o sofrimento psíquico dos motoristas. Pode-se destacar também que os motoristas estão no centro do conflito entre passageiros e o serviço de transporte coletivo urbano, essa condição os torna vulneráveis a agressões e suscetíveis a uma carga de trabalho insuportável que gera o medo, um sentimento que acelera o processo de adoecimento dos trabalhadores do transporte, ao mesmo tempo em que os submete a intensificação do trabalho pelos empresários do transporte.

Abstract

This article seeks to undertake an analysis of everyday work and the process sickness of the collective transportation drivers in Goiania and Metropolitan Region. It takes a qualitative approach through interviewers semi structured with drivers united to the system of collective transportation in Goiânia. It approaches the impacts and unfolding of the productive redesign of capital about the work world beginning from determinations of flexible accumulation concretized in organizational innovations and technologies. This is starting from insertion of technology innovations, organizational and institutional noting central changes into everyday life of the drivers. This quotidian is based on the process of intensification of work and it has been defined by organization of work generating illness of drivers. The study aimed direct association between conditions of work imposed by enterprises and the psychic  suffering of the drivers. I can also be highlighted that drivers are at the center of conflict between passengers and the urban public transportation service. This condition makes them vulnerable to aggression and susceptible to unbearable workload that generates fear, a feeling that accelerates the process of illness of transport workers, while submitting them to intensified work by transport businessmen.

Biografia do Autor

Lucinéia Scremin Martins, Universidade Federal de Goiás

Professora de Sociologia na Faculdade de Ciências Sociais (FCS) e na Pós Graduação de Sociologia (PPGS) da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Rafael Aparecido Mateus de Barros, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Mestre em Sociologia pelo Programa de Pós Graduação em Sociologia (PPGS) da Universidade Federal de Goiás (UFG)

Referências

ALQUIMIM, Andréia Farias; et al.. Avaliação dos fatores de risco laborais e físicos para doenças cardiovasculares em motoristas de transporte urbano de ônibus em Montes Claros (MG). Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 8, p. 2151-2158, ago. 2012. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232012000800025&script=sci_arttext>. Acesso em: junho, 2020.

ALVES, Giovanni. O novo e precário mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2000.

ALVES, Giovanni. Trabalho e subjetividade: O espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 2009.

ANTUNES, Ricardo. O continente do labor. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.

BATTISTON, Márcia; CRUZ, Roberto Moraes; HOFFMANN, Maria Helena. Condições de trabalho e saúde de motoristas de transporte coletivo urbano. Estud. psicol. (Natal), Natal, v. 11, n. 3, p. 333-343, dezembro de 2006. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2006000300011>. Acesso em maio de 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BATTISTON, Márcia; CRUZ, Roberto Moraes; HOFFMANN, Maria Helena. Condições de trabalho e saúde de motoristas de transporte coletivo urbano. Estud. psicol. (Natal) [online]. 2006, vol.11, n.3 [citado 2020-06-24], pp.333-343. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-294X2006000300011&script=sci_abstract&tlng=pt >. Acesso em: Junho, 2020.

BUEAS, Caroline S.; GONÇALVES, Júlia. Sentidos do trabalho e do afastamento por problemas de saúde mental para motoristas de transporte coletivo urbano: um estudo de caso. Cadernos Psicologia Social do Trabalho. Vol. 14, n. 2, p. 195-210, fev. 2011.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Vol. 3. Petrópolis: Vozes, 1987.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CHESNAIS, François. Novo capitalismo intensifica velhas formas de exploração. Folha de S. Paulo. São Paulo, 2 nov, 1997. Caderno Especial, p. 4.

CHESNAIS, François. (Org.). A finança mundializada. Raízes sociais e políticas, configuração, consequências. São Paulo: Boitempo, 2005. Trad. Rosa Marques e Paulo Nakatani.

CMTC. Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos. Gerência Operacional. Goiânia, 2014.

COSTA, Leticia B.; KOYAMA, Mitti Ayako Hara; MINUCI, Elaine Garcia; FISCHE, Frida Marina. Morbidade declarada e condições de trabalho: o caso dos motoristas de São Paulo e Belo Horizonte. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, v. 17, n. 2, p. 54-67, Junho 2003. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392003000200007>. Acesso em: junho, 2020.

CUNHA, Debora Ferreira da. A concessão dos serviços de transportes coletivos da Região Metropolitana de Goiânia. Conjuntura Econômica Goiana. Nº 23, dez. 2012.

DAL ROSSO, Saddi. Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008.

DEJOURS, Christophe. A Loucura do trabalho. Estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez, 1992.

DEJOURS, Christophe; ABDOUCHELI, Elisabeth; JAYET, Christian. Psicodinâmica do trabalho. Contribuições da escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. Coordenação de BETIOL, Maria Irene Stocco. São Paulo: Atlas, 1994.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. 7ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

DORIGO, Júlia Nogueira. Trabalho e o adoecimento mental: Uma análise no setor de transporte coletivo urbano da Região Metropolitana de Belo Horizonte. 2009, 125 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte.

HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2014.

HOMERO. Livro VI. In: Ilíada. Brasil: eBookBrasil, 2009.

LEMOS, Gardenia de Souza Furtado. Transporte Coletivo em Goiânia: Um Estudo das Representações Sociais. 2004, 103 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), Goiânia.

LESSA, Sérgio. Mundo dos homens. São Paulo: Boitempo, 2002.

LUKÁCS, György. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2009.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro I. São Paulo: Boitempo, 2013.

MÉSZÁROS, István. Marx, nosso contemporâneo, e seu conceito de globalização. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2014. Vol. III. 1.

NASCIMENTO, Rejane Prevot; et al.. Estresse Ocupacional: Um estudo de Caso com Motoristas de Transporte Urbano do Município do Rio de Janeiro. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar. Natal, v. 8, n. 1, p. 19-30, jun. 2015. Disponível em: <http://www.spell.org.br/documentos/ver/40791/estresse-ocupacional--um-estudo-de-caso-com-motoristas-de-transporte-urbano-do-municipio-do-rio-de-janeiro>.

PAES-MACHADO, Eduardo; LEVENSTEIN, Charles. Assaltantes a bordo: violência, insegurança e saúde no trabalho em transporte coletivo de Salvador, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 5, p. 1215-1227, Outubro 2002. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2002000500014&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: junho, 2020.

PETENGILL, Elaine Cristina da F. Costa. Qualidade de vida no trabalho: a fala dos motoristas de ônibus urbano. 2010, 182 f. Dissertação. (Mestrado em Psicologia) Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS.

PDTCU. Plano Diretor de Transporte Coletivo Urbano da Grade Goiânia. Goiânia, 2006;

PDSTC. Plano Diretor Setorial de Transporte Coletivo. Goiânia, 2007.

RMTC-Goiânia – Rede Metropolitana de Transporte Coletivo. Acesso em: 20/08/2016: Disponível em: <http://www.rmtcgoiania.com.br/novo/>.

RANIERI, Jesus. Trabalho e Dialética: Hegel, Marx e a teoria social do devir. São Paulo: Boitempo, 2011.

SANTOS, Éber Assis dos. De que adoecem e morrem os Motoristas de ônibus? Uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho. Belo Horizonte, v. 1, n.2, p. 138- 147, out. 2003. Disponível em: <http://www.rbmt.org.br/details/244/pt-BR/de-que-adoecem-e-morrem-os-motoristas-de-onibus--uma-revisao-da-literatura>. Acesso em: junho, 2020.

SILVA, José Antônio Ribeiro de Oliveira. A flexibilização da jornada de trabalho e seus reflexos na saúde do trabalhador. In: Avesso do Trabalho III. São Paulo: Outras Expressões, 2013.

SIQUEIRA, Rosane Cunha de Lima. Análise da exposição ao ruído e dos principais sintomas auditivos e extra-auditivos em motoristas do transporte coletivo de Goiânia. 2012, 110 f. (Dissertação) Mestrado em Ciências Ambientais e Saúde, Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC), Goiás.

SELIGMANN-SILVA, Edith. Trabalho e desgaste metal: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

TEIXEIRA, Mônica La Porte. Acidentes e doenças do trabalho de profissionais do setor transporte: análise dos motoristas no Estado de São Paulo, 1997 a 1999. 2005, 144 f. (Dissertação). Mestrado em Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Downloads

Publicado

29/09/2020

Como Citar

Martins, L. S., & Barros, R. A. M. de. (2020). Dirigindo a Quimera: Trabalho e adoecimento dos motoristas do transporte coletivo de Goiânia e Região Metropolitana. Latitude, 13(2), 206–232. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/10610

Edição

Seção

Artigos