Coletivos: um balanço da literatura sobre as novas formas de mobilização da sociedade civil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/lte.2017.n.1.2812

Palavras-chave:

Coletivos, Movimentos Sociais, Sociedade Civil.

Resumo

O presente trabalho se insere na subárea da ciência política que abarca os estudos relacionados à sociedade civil e movimentos sociais. No âmbito desse campo de pesquisas, têm sido escassas as análises e investigações que concernem aos chamados coletivos, tidos como formas de mobilização recentes nos espaços acadêmicos e extra-acadêmicos e que se configuram enquanto modalidade de ativismo social multiforme na contemporaneidade. Através desse trabalho, que analisa a maneira pela qual a literatura científica aborda tal objeto de estudo, se pretende preencher essa lacuna identificada em investigação realizada no interior das mais diversas plataformas de artigos acadêmicos. Para isso, se utilizará tanto da seleção criteriosa de estudos de caso sobre coletivos quanto da discussão teórico-conceitual acerca dessas novas formas de mobilização. Os resultados apontam para a ausência de análises teóricas que definam o que sejam os coletivos mas aqui é feita uma primeira definição do objeto de pesquisa. Dessa forma, a inclusão do presente estudo na literatura da subárea contribui para a compreensão e sistematização bibliográfica da maneira pela qual os autores têm lidado com esse fenômeno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Olivia Cristina Perez, Universidade Federal do Piauí - UFPI

Doutora em Ciência Política pela USP mestre em Sociologia também pela USP e especialista em Tecnologias, Formação de Professores e Sociedade pela UNIFEI. Cursou o bacharelado e licenciatura plena em Ciências Sociais na UNESP. Atualmente é Professora Adjunta no curso de Ciência Política da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Sua área de pesquisa engloba temas como sociedade civil, representação política, accountability, responsabilidade social e marcadores sociais da diferença.

Referências

ABERS, Rebecca; VON BÜLOW, Marisa. Movimentos sociais na teoria e na prática: como estudar o ativismo através da fronteira entre Estado e sociedade? Sociologias, ano 13, n. 28, 2011. p.52-84.

ALEXANDER, Jeffrey C. Ação coletiva, cultura e sociedade civil: Secularização, atualização, revisão, inversão e deslocamento do modelo clássico de movimentos sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol.13. n.37. São Paulo. Junho 1997.

ALONSO, Ângela. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, São Paulo, 76: 49 – 86, 2009.

AMADOR, Arthur Calheiros; CASTRO, Eliane Dias de. O Coletivo (com preguiça): encontros, fluxos, pausas, artes. Interface, 2016; 20(56): 267 – 280.

AVRITZER, Leonardo. Sociedade civil e Estado no Brasil: da autonomia à interdependência política. Opinião Pública. Vol. 18. No.2. Campinas. Novembro 2012

BORDT, Rebecca L. How alternative ideas become institutions: the case of feminist collectives. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, vol.26, no.2, June 1990. 132 – 155

BORELLI, Silvia. ABOBOREIRA, Aline. Teorias/metodologias: trajetos de investigação com Coletivos junis em São Paulo/Brasil. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 1 (9), 2011. p. 161 - 172.

COSTA, Diogo Faria Côrrea da; PAULON, Simone Mainieri. Participação social e protagonismo em saúde mental: a insurgência de um coletivo. Saúde em debate – Rio de Janeiro, v.36, n.95, p.572 – 582, out/dez. 2012.

DESOUZA, Shaila. The Strenght of Collective Processes: An “Outcome Analysis” of Women´s Collectives in India. Indian Journal of Gender Studies. 19 (3). 373 – 392

FERREIRA, Glauco. Margeando ativismos globalizados: nas bordas do Mujeres Al Borde. Estudos Feministas, Florianópolis, 23(1): 312, janeiro-abril/2015

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação v. 16 n. 47 maio-ago. 2011

HABERMAS, Jürgen. Theorie des Kommunikativen Handels. Band I. Handlungsrationalität und geselchaftliche Rationalisierung. Frankfut am Main: Suhrkamp, 1981.

HOBSBAWM Eric J. A Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991 – São Paulo: Companhia de Letras, 1995.

LAVALLE, A. G. e SWAKO, J. 2015. Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate. Opinião Pública, Campinas, vol. 21, nº 1, abril, p. 157-187.

MAIA, Gretha Leite. A juventude e os coletivos: como se articulam novas formas de expressão política. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM. v.8, n.1/2013.

McADAM, Doug; TARROW, Sidney e TILLY, Charles. Para Mapear o Confronto Político. Lua Nova, São Paulo, 76: 11-48, 2009.

MELUCCI, Alberto. Um objetivo para os movimentos sociais? Revista Lua Nova. São Paulo. Junho 1989. Nª 17

MESQUITA, Marcos Ribeiro. Cultura e política: a experiência dos coletivos de cultura no movimento estudantil. Revista Crítica de Ciências Sociais, 81, Junho 2008: 179 – 207.

MORA, Claudia; RIOS, Marcela. De Política de Representación a Política de Coalición? Posibilidades de Movilización Feminista em el Chile Post-Dictadura. Polis, Revista de la Universidad Bolivariana, Volumen 8, Nº 24, 2009, p. 133-145.

PEREIRA, André. Movimentos sociais: conceituações e materializações. CIES e-Working Paper. Nª 163/2013.

RIBEIRO, Fernando. Institucionalismo da escolha racional e institucionalismo histórico: divergências metodológicas no campo da Ciência Política. Pensamento Plural. Pelotas (10): 89 – 100 janeiro – junho 2012.

SAPRIEZA, Gabriela. “Nos habíamos amado tanto”. Años revueltos. Mujeres, colectivos y la pelea por el espacio público. Estudos feministas, Florianópolis, 23 (3): 406, setembro-dezembro/2015.

SAMPAIO, R.F.; MANCINI, M.C.. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioter., São Carlos , v. 11, n. 1, p. 83-89, Fev. 2007. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-35552007000100013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 21 de outubro de 2016.

TARROW, Sidney. O poder em movimento: movimentos sociais e confronto político. Petrópolis: Vozes, 2009.

TILLY, Charles. Os movimentos sociais como política. In Revista Brasileira de Ciência Política, no.3, Brasília, janeiro-julho, 2010, p.133-160.

TOURAINE, Alan. Os novos conflitos sociais: para evitar mal entendidos. Revista Lua Nova. São Paulo. Junho 1989. Nª 17.

VALK, Anne M. Living a Feminist Lifestyle: The Intersection of Theory and Action in a Lesbian Feminist Collective. Feminist Studies, vol.28, no.2, Second Wave Feminism in the United States (Summer, 2002), pp.303 – 332.

Downloads

Publicado

2018-05-14

Como Citar

PEREZ, Olivia Cristina; SILVA FILHO, Alberto Luís Araújo. Coletivos: um balanço da literatura sobre as novas formas de mobilização da sociedade civil. Latitude, Maceió-AL, Brasil, v. 11, n. 1, 2018. DOI: 10.28998/lte.2017.n.1.2812. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/2812. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.