Territórios do agronegócio e projetos de parcerias na educação

Autores

  • Aloisio Ruscheinsky Unisinos
  • Enaide Tereza Rempel EMEB Lizamara Aparecida Oliva de Almeida

DOI:

https://doi.org/10.28998/lte.2021.n.2.11636

Palavras-chave:

Estado. Agronegócio. Parcerias. Educação. Hegemonia

Resumo

Resumo

Este artigo resulta de pesquisa no território do agronegócio, em que se analisou a relação entre as parcerias e as práticas sociais, em particular no campo da educação. Objetivamos apreender as estratégias de construção cotidiana de consenso e de obtenção de hegemonia a partir da responsabilidade social e a presença da noção de sustentabilidade em projetos ambientais de empresa transnacional. O problema de pesquisa trata da responsabilidade social como uma ideologia, mediada pelo discurso político-pedagógico do desenvolvimento sustentável, conjugando educação, legitimidade e hegemonia. A coleta de dados se baseou em documentação e entrevistas com docentes e gestores educacionais. A pesquisa concluiu que o projeto político-pedagógico corporativo viabilizou práticas associadas à homogeneização de condições diferenciadas de vida e às formas de invisibilizar tensões e conflitos no território.

Palavras-chaves: Estado. Agronegócio. Parcerias. Educação. Hegemonia.

 

Abstract

This article results from research in the agribusiness territory where the relationship between partnerships and social practices was analyzed, particularly in the field of education. We aim to apprehend the strategies of daily building consensus and obtaining hegemony based on social responsibility and the presence of the notion of sustainability in corporate transnational company's environmental projects. The research problem deals with social responsibility as an ideology, mediated by the political-pedagogical discourse of sustainable development, combining education, legitimacy, and hegemony. Data collection was based on documentation and interviews with teachers and educational managers. The research concluded that the corporate political-pedagogical project made possible practices associated with the homogenization of differentiated living conditions and ways of making tensions and conflicts invisible in the territory.

Keywords: State. Agribusiness. Partnerships. Education. Hegemony.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aloisio Ruscheinsky, Unisinos

doutor em Sociologia pela USP. É autor, entre outros livros, de Metamorfoses da cidadania. São Leopoldo: Unisinos, 1999; Atores sociais e lutas políticas. Porto Alegre: Edipucrs, 1999; e Associativismo na invenção da modernidade. Rio Grande: Editora da FURG, 2000; Conflitos, meio ambiente e atores sociais na construção da cultura. Porto Alegre: Editora Armazém Digital, 2009; Direitos e questões socioambientais. Saarbrucken: Novas Edições Acadêmicas, 2015. Organizador de Educação Ambiental: múltiplas abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2003;  Sustentabilidade: uma paixão em movimento. Porto Alegre: Editora Sulina, 2004; Ambientalização nas instituições de educação Superior no Brasil: caminhos trilhados, desafios e possibilidades. São Carlos: USP/Sâo Carlos, 2014; Atores sociais, conflitos ambientais e políticas públicas. Jundiaí: Paco Editorial, 2014. Publicou mais de 70 artigos publicados em periódicos e 70 capítulos em coletâneas. Atualmente seu interesse de pesquisa está voltado ao tema das desigualdades, políticas públicas, meio ambiente e atores sociais.

Enaide Tereza Rempel, EMEB Lizamara Aparecida Oliva de Almeida

Doutora em Políticas Públicas e Formação Humana pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ/PPFH(2020);Mestre em Ciências Sociais pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS (2011); Pesquisadora no Grupo de Estudos e Pesquisa em Trabalho, Educação e Práticas Sociais GEPTEPS (2010); Pesquisadora do Grupo Rede de Pesquisadores em Políticas Públicas, Estado e Formação Humana (UNEMAT/FIOCRUZ). Pesquisadora do Grupo THESE - Projetos Integrados de Pesquisa em Trabalho, História, Educação e Saúde (THESE/UERJ/UFF/EPSJV/FIOCRUZ). Professora na Rede Pública Municipal de Educação Básica em Sinop-MT (1999); Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT (1992); Atualmente é pesquisadora na área das ciências humanas. Atua nas ciências da educação e sociais, com ênfase em Educação, Metodologias do Ensino, Alfabetização e Letramento, Educação Ambiental, Planejamento e Avaliação na Educação; Políticas Públicas Educacionais, Currículo, Formação de Professores.

Referências

AKIMOVA, Yulia A. et al. Public-private partnership in agribusiness. International Review of Management and Marketing, v. 6, n. 4, 2016.

ALTIERI, Miguel. Os mitos da biotecnologia agrícola: algumas questões éticas. O Interior, v. 25, n. 893, 1999.

ALTVATER, Elmar & FRIGOTTO, Gaudencio (Org). A crise econômica internacional e o “Desenvolvimento Sustentável”: Brasil e América Latina. DVD aula 3, disciplina Tópicos Especiais, PPFH/UERJ. Rio de Janeiro, 2013.

ALTVATER, Elmar. Anthropozän. Steigerungsformen einer zerstörerischen Wirtschaftsweise. Emanzipation, n. 3 (1), p. 71-88, 2014.

ALTVATER, Elmar. The Capitalocene, or, Geoengineering against Capitalism’s Planetary Boundaries. In: MOORE, J. (org): Anthropocene or Capitalocene? Nature, History and the Crisis of Capitalism. Oakland: Pm Press, 2016, p. 138-152.

BAUMAN, Z. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BORDIN, Danielle P.; PASQUALOTTO, Nayara. A importância da Responsabilidade Social Empresarial para a sustentabilidade e o papel do Marketing Social. Revista Capital Científico (RCC), v. 11, n. 2, p. 66-77, 2013.

CESAR, Monica J. “Empresa-cidadã”: uma estratégia de hegemonia. São Paulo: Cortez, 2008.

CORRÊA, Marcia L. M. et al. Agrotóxicos, saúde e ambiente: ação estratégica e políticas públicas em territórios do agronegócio. Revista de Políticas Públicas, v. 24, n. 1, p. 11-27, 2020.

COUTINHO, Carlos N. O Estado Brasileiro: gênese, crise, alternativa. In: LIMA, Júlio C. F.; NEVES, Lucia M. W. (Orgs.) Fundamentos da Educação Escolar do Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/EPSJV, 2006.

CUNHA, Luís H.; COELHO, Maria C. N. Política e Gestão Ambiental. In CUNHA, Sandra B. & GUERRA, Antônio J. T.(org. A questão ambiental: diferentes abordagens. 5ªedição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

DAVID, Marília L. GUIVANT, Julia S. Uma abordagem sociológica das certificações: o caso do selo de aprovação SBC. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 33, n. 98, p. 1-21, 2018.

DIAS, Osório C. Parcerias Público-privadas como Instrumento de Implementação de Políticas públicas. Brasília, 2014. pp.336, Tese (Doutorado) – PPPGA/UNB. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/16328 . Acesso em: mai.2020.

EXNER, Andreas. Elmar Altvater und die ökologische Frage. PROKLA. Zeitschrift für Kritische Sozialwissenschaft, 48(193), p. 587–594, 2018.

FOSTER, John B. A ecologia de Marx: materialismo e natureza. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

FREITAS, Luiz C. Os reformadores empresariais da educação: da desmobilização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade, v. 33, n. 119, p. 379-404, 2012.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. 6ª. Ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GRAMSCI, Antônio. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1987.

________.Cadernos do cárcere, volume 3: Maquiavel. Notas sobre o Estado e a política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

GUIMARÃES, Mauro. Educação ambiental: no consenso um embate? Campinas: Papirus, 2007.

HARVEY, David. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

LAYRARGUES, Philippe P; LIMA, Gustavo F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & sociedade, v. 17, n. 1, p. 23-40, 2014.

LAYRARGUES, Philippe P. Quando os ecologistas incomodam: a desregulação ambiental pública no Brasil sob o signo do Antiecologismo. RP3-Revista Pesquisa em Politicas Publicas, v. 12, p. 1-30, 2018a.

LAYRARGUES, P.P. Subserviência ao capital: educação ambiental sob o signo do antiecologismo. Pesquisa em Educação Ambiental, n. 13(1), p. 28-47. 2018b.

LAYRARGUES, P.P. Manifesto por uma Educação Ambiental indisciplinada. Ensino, Saúde e Ambiente. Número Especial, p. 44-87, 2020.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes, 2009.

LENZI, Cristiano L. Sociologia ambiental: risco e sustentabilidade na modernidade. Bauru: EdUSC, 2006.

LIGUORI, Guido & VOZA, Pasquale. (0rgs). Dicionário gramsciano (1926-1937). 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2017, 832p.

LOUREIRO, Carlos F. B; LIMA, Maria J. G. S. A hegemonia do discurso empresarial de sustentabilidade nos projetos de educação ambiental no contexto escolar: nova estratégia do capital. Revista Contemporânea de Educação, v. 7, n. 14, 2012.

MANCUSO, Wagner P. O empresariado como ator político no Brasil: balanço da literatura e agenda de pesquisa. Revista de Sociologia e Política, n. 28, p. 131-146, 2007.

MARTINS, André S. A direita para o social: a educação da sociabilidade no Brasil contemporâneo. Juiz de Fora: UFJF, 2009.

MASCARENHAS, Maria P. V.; COSTA, Cristiana A. F. Responsabilidade Social e Ambiental das Empresas: Uma perspectiva sociológica. Latitude, vol. 7, n2, pp.141-167, 2011.

MÉSZÁROS, István. A crise estrutural do capital. Campinas. Boitempo, 2009.

MÉSZÁROS, István. A montanha que devemos conquistar: reflexões acerca do estado. São Paulo: Boitempo, 2015.

MONSANTO. Relatório Monsanto de Ações Socioambientais 2014/2015. Monsanto do Brasil. São Paulo, 2015. Disponível em: https://docplayer.com.br/17933185-Relatorio-monsanto-de-acoes-socioambientais-2014-2015.html. Acesso em jul. 2019.

MOORE, Janson. (org). Anthropocene or Capitaloceno? Nature, History and the Crisis of Capitalism. Oakland: 2016.

NEVES, Lúcia M. W. (org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo, Xamã, 2005.

OLIVEIRA, Francisco & PAOLI, Maria C. (Orgs). Os sentidos da democracia: Políticas do dissenso e hegemonia global. Petrópolis: Vozes; Brasília: NEDIC, 1999.

RUSCHEINSKY, Aloisio. Périplo pela incorporação da dimensão socioambiental: incertezas, desafios e tensões em trajetórias universitárias, in RUSCHEINSKY, Aloisio et al. (org.) Ambientalização nas instituições de educação superior. São Carlos-SP: EESC/USP, p. 99-124, 2014.

________. Prácticas sociales, (des) protección de derechos ambientales y acciones estratégicas. Letras Verdes, Revista Latinoamericana de Estudios Socioambientales, n. 26, p. 111-131, 2019.

RUSCHEINSKY, Aloísio; REINEHR, Rosmarie. Governança, Riscos Socioambientais e Educação das Águas. Editora Appris, 2020.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento sustentável: desafio do século XXI. Ambiente & Sociedade. vol.7, n.2, 2004, p. 214-216.

SEVERINO, Antônio J. Paulo Freire: etnoconhecimento, interculturalidade e emancipação na teoria e na prática educativas. Revista de Ciências da Educação, 2019, p. 53-66.

SILVA Raquel B.; HOLLNAGEL, Heloisa C. O potencial de geração de receita ambiental aliada à redução de gases do efeito estufa em empresas de pequeno porte, in ANDRADE, Darly F. (editor). Sustentabilidade e Responsabilidade Social em foco. Belo Horizonte: Editora Poisson, 2018, p. 64-77.

Downloads

Publicado

2022-04-20

Como Citar

RUSCHEINSKY, Aloisio; REMPEL, Enaide Tereza. Territórios do agronegócio e projetos de parcerias na educação. Latitude, Maceió-AL, Brasil, v. 15, n. 2, p. 196–220, 2022. DOI: 10.28998/lte.2021.n.2.11636. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/11636. Acesso em: 29 fev. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.