No Fio da Fronteira

reatualizando o diálogo sobre a inclusão da história, da cultura e das línguas nacionais de Angola no currículo oficial de ensino

Autores

  • Mille Caroline Rodrigues Fernandes Universidade do Estado da Bahia (UNEB/PROMEBA/NGEAALC)
  • Boubakar Namory Keita Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto (FCS-UAN)
  • Abreu Castelo Vieira dos Paxe Departamento de Línguas e Literaturas Africanas-Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED-Luanda)

Palavras-chave:

Ensino em Angola; Descolonização; Currículo; Formação Docente.

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir sobre a urgência em incluir a história, cultura, memória e as línguas nacionais no currículo oficial de Angola. Na tentativa de repor os angolanos e as angolanas como sujeitos/as de suas próprias histórias, culturas e memórias, refletimos como o currículo de base neocolonial-imperialista silencia, apaga e cria estereótipos sobre as histórias de formação do solo angolano, de sua cultura, e inferioriza as línguas dos diversos grupos étnicos existentes. Assim, este artigo apresenta uma breve contextualização do Ensino em Angola desde o período colonial à atual situação do sistema de educação angolano face à reforma educativa iniciada no ano de 2002. Em seguida, discutimos sobre a importância da descolonização do ensino e a inclusão da história local, da memória dos mais velhos e das línguas nacionais no currículo oficial de ensino e, consequentemente, pontuamos também sobre o desafio de uma formação docente crítica capaz de apoiar esta inclusão e de impactar/mobilizar as crianças e os/as jovens para a valorização de suas raízes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mille Caroline Rodrigues Fernandes, Universidade do Estado da Bahia (UNEB/PROMEBA/NGEAALC)

Pós-doutoranda em Educação (IEA/USP). Doutora em Educação e Contemporaneidade (PPGEduc/UNEB). Foi Bolsista PDSE/CAPES no Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED/Luanda) (2018-2020). Professora de História da África (Ensino Fundamental II/Município de Nazaré/BA); Professora Colaboradora no Departamento de Línguas e Literaturas Africanas (ISCED/Luanda) e na Cátedra Unesco de Estudios Afro-Andinos de La Universidad Andina Simón Bolívar (UASB/Quito). Pesquisadora do Grupo Memória da Educação na Bahia (PPGEduc/UNEB), do Núcleo de Estudos Africanos e Afro-brasileiros em Línguas e Culturas (NGEALC/UNEB) e do Grupo de Pesquisa Formação de Professores/as, Currículo(s), Interculturalidade e Pedagogias Decoloniais (GFPPD/UNIRIO). Desenvolve pesquisas no âmbito da Educação Kilombola, Currículo e Formação Docente para as Relações Étnico-raciais, História e Cultura dos Povos Bantu-Kongo nos Kilombos do Território de Identidade do Baixo-Sul/Bahia/Brasil.

Boubakar Namory Keita, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto (FCS-UAN)

Doutor em Ciências Históricas pela Universidade Estatal de Leningrado (SPBU/Rússia). Professor Catedrático de História e Antropologia Africanas na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto (FCS-UAN) e Chefe do Departamento de História da mesma Universidade. Coordenador da Comissão de Harmonização Curricular dos Cursos de Graduação nas IES de Angola, em Humanidades e Artes. Membro do Conselho Científico dos Cursos de Pós-graduação da Faculdade de Ciências Sociais (UAN) e do Mestrado de Ensino de História da África do Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED). Integra à Comissão Inter-ministerial de preparação de Dossiê para “Cuito-Cuanavale: Património Mundial” à UNESCO. Desenvolve pesquisas no âmbito da História, Historiografia e Antropologia da África, Colonização europeia de África Negra, Tradição Oral e Antropogénese

Abreu Castelo Vieira dos Paxe, Departamento de Línguas e Literaturas Africanas-Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED-Luanda)

Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Mestre em Ensino de Literaturas em Língua Portuguesa pela Universidade Agostinho Neto (UAN-Luanda). Professor e Chefe do Departamento de Línguas e Literaturas Africanas-Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED-Luanda) e Presidente do Conselho Científico do mesmo Departamento. Diretor do Centro de Estudos Literários Angolanos (CELA). Poeta. Membro da União dos Escritores Angolanos e do Colégio dos Estudos Literários do (ISCED-Luanda). Desenvolve pesquisas na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária, Ensino de Literatura e nas áreas de Comunicação e Semiótica com ênfase em processos de criação na Comunicação e na Cultura.

Referências

AFONSO, Camilo. A educação tradicional do noroeste de Angola: formas de transmissão de saberes e sua presença na Bahia. 2016. 313 f. Tese (Doutorado em Educação e Contemporaneidade) – Universidade do Estado da Bahia – UNEB/CAMPUS I, Salvador, 2016.

ANGOLA. Decreto-lei nº 44530, de 21 de agosto de 1962, da Administração Colonial Portuguesa – Criação dos Estudos Gerais Universitários.

ANGOLA. Decreto-lei nº 48790, de 23 de dezembro de 1968 – Alteração da denominação de Estudos Gerais Universitários para Universidade de Luanda.

ANGOLA. Exame Sectorial da Educação - República de Angola. Luanda: Ministério da Educação (MED), 1992.

ANGOLA. Decreto-Lei n.º 5/09, de 7 de Abril de 2009 - publicado no Diário da República. I Série – n.º 64 - cria as Regiões Acadêmicas que delimitam o âmbito territorial de atuação e expansão das instituições de ensino superior.

ANGOLA. Decreto n.º 7/09, de 12 de Maio de 2009 - publicado no Diário da República. I Série - n.º 87 - estabelece a reorganização da rede de Instituições de Ensino Superior públicas, a criação de novas instituições de Ensino Superior e o redimensionamento da Universidade Agostinho Neto (UAN).

ANGOLA. Lei n.º 13/01, de 31 de Dezembro de 2001 - publicada no Diário da República I. Série - n.º 65 - Lei de Bases do Sistema de Educação.

ARROYO, Miguel González. Currículo, território em disputa. 5 ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2013.

BAXE, H.; FERNANDO, M.; PAXE, I. O ensino primário em Angola: Formação, atuação e identidade dos professores. Luanda: Creative Commons, 2016.

CASTRO, Yeda Pessoa de. Um panorama das línguas faladas na África. In: Gonçalves, J. (Ed.). África no Mundo Contemporâneo: estruturas e relações. Luanda: Editora Garamond, 2014.

DIOP, Cheikh Anta. A Origem Africana da Civilização: Mito ou Realidade. Traduzido para o Português a partir da Tradução Inglesa Mercer Cook. Paris: Présence Africaine, 1955.

ELA, Jean-Marc. Restituir a História às Sociedades africanas: promover as Ciências Sociais na África Negra. Tradução Maria Teresa D. L. Moreira. Coleção Reler África. Luanda, Angola: Edições Pedagogo & Edições Mulemba da Faculdade de Ciências Sociais – UAN, 2013.

ELA, Jean-Marc. A Investigação Africana face ao Desafio da Excelência Científica – Livro III. Tradução Sílvia Neto. Coleção Reler África. Luanda, Angola: Edições Pedagogo & Edições Mulemba da Faculdade de Ciências Sociais – UAN, 2016.

FANON, Frantz. Os condenados da Terra. Tradução José Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Brasileiras, 1968.

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscaras Brancas. Tradução Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FANON, Frantz. Em Defesa da Revolução Africana. Tradução: Isabel Pascoal. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1980.

FERNANDES, Mille Caroline Rodrigues. De Angola à Nilo Peçanha: Traços da Trajetória Histórica e da Resistência Cultural dos Povos Kongo/Angola na Região do Baixo Sul. 260 f. Tese (Doutorado em Educação e Contemporaneidade) – Departamento de Educação, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2020.

FERNANDES, Mille Caroline Rodrigues. Ancestralidade africana na gramática formal de ensino: reflexões sobre a influência do Aumento da língua kikongo no português falado no Recôncavo e Baixo-sul da Bahia. ReVEL, v. 19, n. 37, 2021.

FERNANDES, João; Ntondo, Zavoni. Angola: Povos e Línguas. (Colecção Ensaio/Língua e Cultura) – Editorial Nzila: Luanda, 2002.

FU-KIAU, Kimbwandende Kia Bunseki. African Cosmology of the Bântu-Kôngo, Tying the Spiritual Knot – Principles of Life e Living. Canadá: Athelia Henrietta Press – Publishing In Name Orunmila. 2001.

GOODSON, I. F. As políticas de currículo e de escolarização: abordagens históricas. Tradução: Vera Joscelyne. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

HOUNTONDJI, Paulin J. (org.). O Antigo e o Moderno: a produção do saber na África Contemporânea. Tradução Manuel F. Ferreira et al. Coleção Reler África. Luanda, Angola: Edições Pedagogo/Edições Mulemba da Faculdade de Ciências Sociais – UAN, 2012.

INL – Instituto Nacional de Línguas/Departamento de Investigação Científica Aplicada. Histórico sobre a criação dos alfabetos em Línguas Nacionais. Lisboa: Edições 70, 1977.

KEITA, Boubakar Namory. História da África Negra. Luanda-Angola: Texto Editores, 2009.

KEITA, Boubakar Namory. Contribuição Endógena para a Escrita da História da África Negra: ensaios sobre a obra de Cheick Anta Diop. Angola: Mayamba, 2015.

KEITA, Boubakar Namory. Tutancámon: do esplendor à polêmica. Jornal de Angola, Luanda, 10 de maio de 2019.

KI-ZERBO, Joseph. Para quando a África? Entrevista com René Holenstein. Tradução: Carlos Aboim de Brito. Rio de Janeiro: Pallas, 2006.

MBEMBE, Achille. Sair da Grande Noite: Ensaio sobre a África Descolonizada. Coleção Reler África. Luanda, Angola: Edições Pedagogo & Edições Mulemba da Faculdade de Ciências Sociais – UAN, 2014.

MBUNGA, Honoré. A Problemática da Periodização da História de Angola: o período colonial. In: Arquivo Nacional de Angola. Actas do III Encontro Internacional sobre História de Angola. Luanda: Edições do Arquivo Nacional de Angola, 2014.

MENESES, Maria Paula G. O ‘indígena’ africano e o colono ‘europeu’: a construção da diferença por processos legais. E-cadernos CES [On-line], 07 | 2010, posto on-line no dia 01 março 2010. Disponível em: http://journals.openedition.org/eces/403; DOI: https://doi.org/10.4000/eces.403. Acesso em: 19 jan. 2024.

MINGAS, Amélia A. Interferência do Kimbundo no português falado em Luanda. Luanda: Edições Chá de Caxinde, 2007.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Encontro Nacional da Educação: Acta das preleções e discussões em grupos temáticos – “Capacitar o professor é Garantir uma Educação de qualidade para todos”. Luanda: Editora Moderna, 2018.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Revisão Curricular: Propostas de novos Planos de Estudos no âmbito do INACUA/PAC 2018-2025. Luanda: INIDE, 2019.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Propostas de Lei da Política Curricular. Luanda: Editor Governo de Angola, 2019.

MINISTÉRIO DA CULTURA E INSTITUTO DE LÍNGUAS NACIONAIS. Léxicos Temáticos Português–Kimbundo. Luanda: Editor Instituto de Línguas Nacionais, 2015.

MORGADO, José Carlos Morgado; Quitembo, Alberto Domingos Jacinto (Eds.). Currículo, Avaliação e Inovação em Angola: Perspectivas e desafios. Benguela/Angola: Edições Ondijiri, 2014.

PAXE, Abreu Castelo Vieira dos. A Migração Fractal do Provérbio: práticas, sujeitos e narrativas entrelaçadas. 2016. 299f. Tese (Doutorado Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

QUITEMBO, Alberto Domingos Jacinto. A formação de professores e os desafios da educação em Angola: algumas reflexões. In: Morgado, José Carlos Morgado; Quitembo, Alberto Domingos Jacinto. (Eds.). Currículo, Avaliação e Inovação em Angola: perspectivas e desafios. Benguela/Angola: Edições Ondijiri, 2014.

RODRIGUES, Eugénia. A geração silenciada: a liga nacional africana e a representação do branco em Angola na década de 30. Porto: Edições Afrontamento, 2013.

SANTOS, Martins dos. Cultura, Educação e Ensino em Angola. Braga/Portugal: Edição eletrônica, 1998.

SOW, Alfa I; Abdulaziz, Mohaned H. Língua e evolução social. In: MAZRUI, Ali A.; WONDJI, Christophe. História da África VIII: África desde 1935. Brasília: UNESCO, 2010.

WA THIONG'O, Ngugi. Decolonising the Mind: The Politics of Language in African Literature. Islington, Londres: James Currey, 1986.

WOODSON, Carter G. A Deseducação do Negro. Tradução Kwame Asafo Nyansafo Atunda. São Paulo: Medu Neter Livros, 2018.

Downloads

Publicado

2024-03-25

Como Citar

RODRIGUES FERNANDES, Mille Caroline; NAMORY KEITA, Boubakar; CASTELO VIEIRA DOS PAXE, Abreu. No Fio da Fronteira: reatualizando o diálogo sobre a inclusão da história, da cultura e das línguas nacionais de Angola no currículo oficial de ensino. Latitude, Maceió-AL, Brasil, v. 18, n. 01, p. 30–47, 2024. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/16446. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê temático

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.