Territorialidades e conexões interurbanas: prática culturais da crew Clan Potiguara na cidade de Rio Tinto/PB

Autores

  • Marco Aurélio Paz Tella Universidade Federal da Paraíba

Palavras-chave:

Break dance, territorialidades, conexões interurbanas, cena

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar uma análise das condições e estratégias da crew (grupo) Clã Potiguara de ocupar e apropriar espaços públicos e desencadear e reafirmar processos de territorialidades. Para tal, partiu-se da análise de um evento de break dance que está em sua terceira edição, o “We are hip-hop Potiguara”, organizado pela crew Clã Potiguara e realizado nas dependências do campus IV da Universidade Federal da Paraíba, na cidade de Rio Tinto/PB. Numa região fortemente marcada e influenciada pela cultura indígena Potiguara, a partir do evento, pretende-se analisar, além das práticas culturais, os elementos culturais globais e as apropriações e ressignificações em conformidade com as características locais; os processos de territorialidades acionados; o estabelecimento de conexões interurbanas. Embora eu pesquise crews em João Pessoa, desde 2010, esse artigo aborda um evento organizado pela crew Clã Potiguara, grupo pesquisado no meu atual projeto PIBIC.

Biografia do Autor

Marco Aurélio Paz Tella, Universidade Federal da Paraíba

Professor Adjunto do Departamento de Ciências Sociais, Centro de CiÇencias Aplicadas e Educação, da Universidade Federal da Paraíba. Professor do curso de Antropologia e do Programa de Pós Graduação em Antropologia (UFPB). Líder do Grupo de Pesquisa em Etnografias Urbanas (guetu/ufpb),  membro do Núcleo de Estudos e Pesquisa Afro-Brasileirose Indígenas (neabi/ufpb) e membro da Rede de Estudos sobre Experiências e Ações Juvenis (REAJ)

Referências

ALMEIDA, Miguel Vale. O Corpo na Teoria Antropológica. Revista Comunicação e Linguagem. 2004. p. 2-25.

AGIER, Michel. Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2011.

BASTOS, Cristiana. Omulu em Lisboa: etnografias para uma teoria da globalização. Texto apresentado no seminário “Antropologia da saúde e da doença: Perspectivas e terrenos de investigação”, Lisboa, CEAS, ISCTE, outubro, 2000.

CAIAFA, Janice. Jornadas Urbanas: exclusão, trabalho e subjetividade nas viagens de ônibus na cidade do RJ. Rio de Janeiro. Ed. FGV. 2002.

CASTELLS, Manuel. A questão urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FARIAS, Danilo Alex Marques. Imagens e memórias na cidade de Rio Tinto/PB: um percurso etnográfico entre ruas, fotografias e lembranças. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado no curso de bacharelado em Antropologia. Rio Tinto/PB: Campus IV, UFPB. 2014.

FORTUNA, Carlos e SILVA, Santos Augusto. A cidade do lado da cultura: Especialidades sociais e modalidades de intermediação cultual. In SANTOS, Boaventura de Souza (org.), A globalização e as Ciências Sociais. 3ª edição. São Paulo: Cortez Editora, 2005. p. 419-474.

FRÚGOLI Jr, Heitor. A dissolução e a reinvenção do sentido de comunidade em Beuningen – Holanda. SP. In Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.18 nº 52. p. 107-124, 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 3ª edição. Rio de Janeiro: DP&A editora, 1999.

HERSCHMANN, Micael. Cenas, Circuitos e Territorialidades Sônico-Musicais. In SÁ, Simone Pereira e JUNIOR, Jeder Janotti (org). Cenas Musicais. Guararema/SP: Anadarco, 2013. p. 41-62.

HONNET, Axel. Luta por reconhecimento: A gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

LEITE, Rogério Proença. Localizando o espaço público: Gentrification e cultura urbana. In Revista Crítica de Ciências Sociais. nº 83, p. 35-84, 2008.

___________________. Contra-usos e espaços públicos: notas sobre a construção social dos lugares da Manguetwn. In Revista Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 17, nº 49, p. 115-134, 2002.

MAGNANI, José G. Os circuitos dos jovens urbanos. In Tempo Social, vol.17, nº 2, SP, nov. p. 173-205, 2005.

_______________. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. In Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, nº 49. SP, jun. p. 11-29, 2002.

MARQUES, Amanda Christinne Nascimento. Marques Território de Memória e Territorialidades da Vitória dos Potiguara da Aldeia Três Rios. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Paraíba, 2009.

NASCIMENTO, Luiz Carlos de Lima. Práticas de Sociabilidades entre b-boys de Rio Tinto: etnografando o Clã Potiguara. Relatório parcial projeto Iniciação Científica do PIBIC. Rio Tinto/PB: campus IV, UFPB, 2018.

PAIS, José Machado. Bandas de garagem e identidades juvenis. In COSTA, Marcia Regina da Costa, SILVA, Elizabeth Murilho (org). Sociabilidade juvenil e cultura urbana. São Paulo: Educ, 2006. p. 29-54.

________________Vida Cotidiana: enigmas e revelações. São Paulo: Cortez Editora, 2003.

________________ Traços e Riscos de Vida: uma abordagem qualitativa a modos de vida juvenis. Porto: Âmbar. 1999.

PAIS, José Machado. Culturas Juvenis. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1993.

PALITOT, E. M.. Mobilização étnica pós-industrial: os Potiguara de Monte-Mór e a cidade de Rio Tinto”. In: BARBOTIN, M. Angeluce e PALITOT, Estêvão e TELLA, Marco Aurélio Paz, et. all. (Org.). Uma década de expansão universitária: estudos sobre o Vale do Mamanguape. Vol. 2. João Pessoa: Editora do CCTA, 2017, v. 2, p. 65-102.

PALITOT, E. M. Os Potiguara da Baía da Traição e Monte-Mór: história, etnicidade e cultura. João Pessoa: UFPB, dissertação de Mestrado, 2005.

XXXX

TROTTA, Felipe. Cenas Musicais e Anglofonia: sobre os limites da noção de cena no contexto brasileiro. In SÁ, Simone Pereira e JUNIOR, Jeder Janotti (org). Cenas Musicais. Guararema/SP, Anadarco, 2013. p. 63-84

SAHLINS, Marshall. O pessimismo sentimental e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um ‘objeto’ em via de extinção (parte I e II). In Revista Mana, Rio de Janeiro, p. 41-73, 1997.

SPOSITO, Maria Encarnação B. A produção do espaço urbano: escalas, diferenças e desigualdades socioespaciais. In CARLOS, Ana Fani A. e SOUZA, Marcelo L. e SPOSITO, Maria E. B. (org). A produção do espaço urbano. São Paulo: Contexto, 2014. p. 123-146.

STRAW, Will. Cenas Culturais e as Consequências Imprevistas das Políticas Públicas. In SÁ, Simone Pereira e JUNIOR, Jeder Janotti (org). Cenas Musicais. Guararema/SP: Anadarco, 2013. p. 13-28.

WIEVIORKA. Michel. O racismo. Lisboa: Fenda Edições, 2002.

Downloads

Publicado

23/03/2019

Como Citar

Paz Tella, M. A. (2019). Territorialidades e conexões interurbanas: prática culturais da crew Clan Potiguara na cidade de Rio Tinto/PB. Latitude, 12(1), 105. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/82

Edição

Seção

Dossiê "Cenas musicais: performances artísticas, consumos e estilos de vida"