Celso Brandão: um intermediário cultural

Autores

  • Roseane Monteiro Virginio
  • Maria de Lourdes Lima

Palavras-chave:

Celso Brandão, Intermediário Cultural, Análise Comparativa, Cinema Alagoano, Vilas Operárias Têxteis.

Resumo

O presente artigo faz uma análise comparativa a partir das discussões historiográficas sobre o cineasta alagoano, Celso Brandão, como um intermediário cultural contemporâneo, com base no seu filme Memória da Vida e do Trabalho de 1984. Enquanto, fonte para a história do audiovisual em Alagoas. O que se objetiva com esta análise é a contribuição de Brandão para história do cinema alagoano, como um agente condutor de informações sobre moradores das vilas operárias têxteis de Fernão Velho, Saúde e Rio Largo, região metropolitana de Maceió (AL).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roseane Monteiro Virginio

Roseane Monteiro Virginio é mestranda em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Alagoas. Tem interesses pelos estudos sobre Cinema, História Cultural e História de Alagoas. 

Maria de Lourdes Lima

Maria de Lourdes Lima atualmente é docente do Programa de Pós-Graduação em História e do Curso de Biblioteconomia da UFAL. Tem atuação em Organização de Arquivos, estudos na área da Ciência da Informação. Seu objeto de pesquisa: Memória dos Registros da Cultura, com ênfase na Informação Visual.

Downloads

Publicado

2016-02-22

Como Citar

Virginio, R. M., & Lima, M. de L. (2016). Celso Brandão: um intermediário cultural. REVISTA ELETRÔNICA EXTENSÃO EM DEBATE, 1(4), 31–39. Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/extensaoemdebate/article/view/2177

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.