Vestir a cidade de festa

a Festa do Divino Espírito Santo segundo os dossiês de registro do patrimônio cultural

Autores

  • Patrício Pereira Alves de Sousa Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)
  • Ingrid Moreira de Souza Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)

DOI:

https://doi.org/10.28998/lte.2022.n.1.13474

Palavras-chave:

Vestimenta, Festa, Cultura material, Patrimônio cultural, Cidade

Resumo

Este artigo debate como as cidades de Paraty (RJ) e Pirenópolis (GO) são trajadas pelas festas do Divino Espírito Santo, encaminhando um debate sobre como os corpos vestidos para a celebração e o conjunto de materialidades que ornamentam a festa revestem as referidas cidades patrimoniais. Nossa atenção se voltou para as vestimentas enquanto materialidades resultantes e geradoras de formas de sociabilidade que aparecem descritas e interpretadas nos dossiês de registro dos bens intangíveis do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).  A análise de conteúdo, procedimento metodológico adotado, dirigiu a pesquisa em resposta às seguintes perguntas: os Dossiês de Registro da Festa do Divino foram elaborados “para dizer o quê?” e “como disseram aquilo que se propuseram dizer?”. As problematizações realizadas permitem pensar, desse modo, como a festa veste a cidade patrimônio e como dois diferentes sentidos de materialidade convivem para o IPHAN e para as referidas cidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrício Pereira Alves de Sousa, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Meste em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bacharel e licenciado em Geografia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Professor do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, com atuação no Programa de Pós-Graduação em Relações Étnico-Raciais (PPRER-CEFET/RJ). Experiência e interesse de pesquisa nas seguintes temáticas: espacialidades e identidades étnico-raciais e de gênero; lugares das festas, rituais e religiosidades; paisagem, memória e patrimônio; educação e diferença; ensino de geografia.

Ingrid Moreira de Souza, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)

Técnica em Alimentos pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ). Foi bolsista de iniciação científica pelo Programa Jovens Talentos para a Ciência da FAPERJ.

Referências

ABREU, Regina. Patrimônio: ‘ampliação’ do conceito e processos de patrimonialização. In: CURI, Marília Xavier; VASCONCELLOS, Camilo de Melo; ORTIZ, Joana Monteiro (orgs). Questões indígenas e museus: debates e possibilidades. São Paulo: MAC-SP, SESC-SP, 2012. pp. 28-39.

ANDRADE, Carlos Fernando de Souza Leão. Festa do Divino Espírito Santo da Cidade de Paraty/RJ [vídeo de registro]: depoimento [24/03/2010]. IPHAN, 2010.

BARDIN, Lawrence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

CAVALCANTI, Bruno. Novos lugares da festa: tradições e mercado. Revista Observatório Itaú Cultural, n. 14, p. 10-20, 2013.

CHUVA, Márcia. Os Arquitetos da Memória: sociogênese das práticas de preservação do patrimônio cultural no Brasil (anos 1930-1940). Rio de Janeiro: EdUFRJ, 2009.

COSGROVE, Denis. A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny. Geografia cultural: uma antologia I. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012. pp. 219-237.

CURADO, João Guilherme; LÔBO, Tereza. Com que roupa eu vou para a festa que você me convidou: vestimentas da festa do divino Espírito Santo em Pirenópolis. In: MAIA, C. E. S.; MOREIRA, J. F. R.; TUMA, R. L. (Orgs.). Corpos cobertos desnudando espacialidades: vestimenta, roupa, traje, fantasia e moda na geografia. Jundiaí: Paco, 2021. pp. 185-216.

DOSSIÊ IPHAN. Festa do Divino Espírito Santo da Cidade de Paraty/RJ: Dossiê descritivo de Registro. Mistério da Cultura: IPHAN, 2010. Elaboração: Lívia Ribeiro Lima.

DOSSIÊ IPHAN. Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis – Goiás. Brasília, DF: IPHAN, 2017. Disponível em https://bityli.com/NKdaD Acesso em: ago. 2021.

DUVIGNAUD, Jean. Festas e Civilizações. Fortaleza: EdUFC; Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. A Retórica da Perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: EdUFRJ, 1996.

HARAWAY, Donna J. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, D. J; KUNZRU, H.; SILVA, T. T. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. pp. 33-118.

MAIA, Carlos Eduardo Santos. Ensaio interpretativo da dimensão espacial das festas populares: proposições sobre festas brasileiras. In: CORRÊA, R. L.; ROZENDAHL, Z. (orgs.). Manifestações da Cultura no Espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999. pp.191-218.

MAIA, Carlos Eduardo Santos. Paisagens festivas e interações mítico-ritualísticas em práticas tradicionais do catolicismo popular. Espaço e Cultura, Rio de Janeiro, n. 30, p. 19-35, jul./dez. 2011.

MAIA, Carlos Eduardo Santos. Geografia das vestimentas: dos clássicos às tendências. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 35, n. 2, p. 195-2016, maio/ago. 2015.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

MOREIRA, Jorgeanny. Geografia das Vestimentas: novas linguagens simbólicas para a leitura da paisagem - o caso da Parada LGBT em Goiânia. In: MAIA, C. E. S.; MOREIRA, J. F. R.; TUMA, R. L. (Orgs.). Corpos cobertos desnudando espacialidades: vestimenta, roupa, traje, fantasia e moda na geografia. Jundiaí: Paco Editorial, 2021. pp. 111-140.

MOTTA, Lia. A SPHAN em Ouro Preto - uma história de conceitos e critérios. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 22, p. 108-122, 1987.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. As marcas de origem. In: OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Cultura é patrimônio: um guia. Rio de Janeiro: EdFGV, 2008. pp. 13-24.

ROACH-HIGGINS, Mary Ellen; EICHER, Joanne B. Dress and Identity. In: ROACH-HIGGINS, Mary Ellen; EICHER, Joanne B.; JOHNSON, Kim K. P. (Eds.). Dress and Identity. New York: Fairchild Publications, 1995.

ROCHA, Décio; DEUSDARÁ, Bruno. Análise de conteúdo e Análise do discurso: o lingüístico e seu entorno. DELTA. Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 22, n.1, p. 29-52, 2006.

RUBINO, Silvana. O mapa do Brasil passado. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 24, p. 97-105, 1996.

SANT’ANNA, Márcia. A festa como patrimônio cultural: problemas e dilemas da salvaguarda. Revista Observatório Itaú Cultural, n. 14, p. 21-30, 2013.

SOUSA, Patrício Pereira Alves de. Ensaiando a corporeidade: corpo e espaço como fundamentos da identidade. Geografares, Vitória, v. 7, p. 35-50, 2009.

SOUSA, Patrício Pereira Alves de. Vestir para crer: as vestimentas cerimoniais na conformação do lugar festivo do Congado. In: MAIA, C. E. S.; MOREIRA, J. F. R.; TUMA, R. L. (Orgs.). Corpos cobertos desnudando espacialidades: vestimenta, roupa, traje, fantasia e moda na geografia. Jundiaí: Paco Editorial, 2021. pp. 141-183.

TUMA, Raquel Lage. A Vestimenta da noiva: transformando a corporeidade da mulher. In: In: MAIA, C. E. S.; MOREIRA, J. F. R.; TUMA, R. L. (Orgs.). Corpos cobertos desnudando espacialidades: vestimenta, roupa, traje, fantasia e moda na geografia. Jundiaí: Paco Editorial, 2021. pp. 21-54.

Downloads

Publicado

2022-09-22

Como Citar

PEREIRA ALVES DE SOUSA, Patrício; MOREIRA DE SOUZA, Ingrid. Vestir a cidade de festa: a Festa do Divino Espírito Santo segundo os dossiês de registro do patrimônio cultural . Latitude, Maceió-AL, Brasil, v. 16, n. 1, p. 164–188, 2022. DOI: 10.28998/lte.2022.n.1.13474. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/13474. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Cidade "(re)vestida"

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.