Amizades e inimizades na formação dos estudos afro-brasileiros

Amurabi Oliveira

Resumo


A partir das décadas de 1930 e 1940 começam a se delinear no Brasil os chamados estudos afro-brasileiros no campo acadêmico, o que é impulsionado por fatores como: ampliação do mercado editorial; a formação dos primeiros cursos de ciências sociais, a vinda de pesquisadores estrangeiros, bem como a ida de pesquisadores brasileiros para outros países, especialmente os Estados Unidos. Considerando tais elementos, buscarei analisar como os estudos afro-brasileiros passam a se formar a partir das diversas redes acadêmicas e de amizade entre intelectuais brasileiros e americanos, destacando do lado brasileiro as figuras de Gilberto Freyre, Arthur Ramos e Edison Carneiro, e entre os americanos Rüdiger Bilden, Donald Pierson, Ruth Landes e Melville Herskovits, mapenando estas redes e como estes círculos sociais vão se ampliando e se cruzando.

 


Palavras-chave


Estudos afro-brasileiros; Campo acadêmico; História das Ciências Sociais; Pensamento Social Brasileiro.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti. Arthur Ramos e as Dinâmicas Sociais de seu Tempo. Maceió: EDUFAL, 2008.

BILDEN, Rüdiger. Brazil, laboratory of civilization. The Nation, v. 128, n. 3315, p. 71-74, 1929.

BOURDIEU, Pierre. Homo Academicus. Florianópolis: EDUFSC, 2011.

______. Os usos sociais da ciência. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

CARNEIRO, Edison. Ladinos e crioulos – estudos sobre o negro no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1964.

______. The Structure of African Cults in Bahia. The Journal of American Folklore, v. 53, n. 210, p. 271-278, 1940.

CARVALHO, José Murilo. Pontos e Bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: Editoria UFMG, 1977.

CORRÊA, Mariza. As Ilusões da Liberdade: a escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economina patriarcal. São Paulo: Global, 2005.

______. Como e porque sou e não sou sociólogo. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1968.

______. De menino a homem: de mais de trinta e de quarenta, de sessenta e mais anos. São Paulo: Global, 2010.

_______. Entrevista ao Diário de Pernambuco. O Estado da Bahia. 13 nov. 1936. In:

OLIVEIRA, Waldir F.; LIMA, Vivaldo da C. (org.). Cartas de Édison Carneiro a Arthur

Ramos: de 4 de janeiro de 1936 a 6 de dezembro de 1938. São Paulo: Corrupio, 1987. p. 128-129.

______. Oliveira Lima, Don Quixote gordo. Recife: Editora da Universidade Federal de Pernambuco, 1970.

GERSHENHORN, Jerry. Melville J. Herskovits and the Racial Politics of Knowledge. University of Nebraska Press: Lincoln and London, 2004.

GUIMARÃES, Antônio Sergio. Comentários à Correspondência entre Melville Herskovits e Arthur Ramos (1935-1941). In: PEIXOTO, Fernando Arêas; PONTES, Heloisa; SCHWARCZ, Lilian Moritz (Orgs.) Antropologias, Histórias, Experiências. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004, p. 169-197.

HERSKOVITS, Melville. Pesquisas Etnológicas na Bahia. Salvador: Secretaria de Educação e Saúde, 943.

______. Review of the City of Women. American Anthropologist, v. 50, n.1, p. 50-123, 1948

LANDES, Ruth. A cidade das mulheres. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1967.

MAIO, Marcos Chor. A história do Projeto Unesco: estudos raciais e ciências sociais no Brasil. Tese de Doutorado (Ciência Política). Rio de Janeiro, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), 1997.

______. Entre Chicago e Salvador: Donald Pierson e o estudo das relações raciais. Estudos Históricos, v. 30, n. 60, p. 115-140, 2017.

MEUCCI, Simone. Artesania da sociologia no Brasil: contribuições e interpretações de Gilberto Freyre. Curitiba: Appris, 2015.

MOTTA, Roberto. De Nina a Juana: Representações da África e do Candomblé. In: LIMA, Ivaldo Marciano de França; FERREIRA, Jackson André da Silva; DAMASCENO, José Jorge Andrade; SANTOS, Joceneide Cunha dos; SAMPAIO, Moiseis de Oliveira; VIEIRA FILHO, Rafael Rodrigues. (Orgs.). África(s), índios e Negros. Recife: Bagaço, 2016, p. 255-288.

______. O amigo e os inimigos: Gilberto, René, religião e relações raciais. In: ______; FERNANDES, Marcionilia (Ogs.) Gilberto Freyre: região, tradição, trópico e outras aproximações. Rio de Janeiro: Instituto Miguel de Cervantes. p. 146-171, 2013.

MOTTA, Roberto; FERNANDES, Marcionilia. Gilberto Freyre, um enigma genealógico. In:______; ______ (Ogs.) Gilberto Freyre: região, tradição, trópico e outras aproximações. Rio de Janeiro: Instituto Miguel de Cervantes. p. 11-36, 2013.

OLIVEIRA, Amurabi. Gilberto Freyre, professor de Antropologia, in: CAMPOS, Roberta; PEREIRA, Fabiana; MATOS, Silvana (Eds.). A nova escola de antropologia do Recife: ideias, personagens e instituições. Recife: EDUFPE, 2017.

______. Entrevista com um “ph.d. nada típico”: Xangô, Weber, Gilberto Freyre e outros assuntos com Roberto Motta. Latitude, v. 8, n. 2, p. 427-440, 2014.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia. Gilberto Freyre – um vitoriano nos trópicos. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

_______. O triunfo do fracasso: Rüdiger Bilden, o amigo esquecido de Gilberto Freyre. São Paulo: Editora UNESP, 2012.

PIERSON, Donald. Brancos e pretos na Bahia. Estudo de contacto racial. Brasiliana. Biblioteca Pedagógica Brasileira. Rio de Janeiro: Campanha Editora Nacional, 1945.

______. Algumas atividades no Brasil em prol da Antropologia e outras ciências sociais. In: CORRÊA, Mariza (Org.). História da Antropologia no Brasil (1930 - 1960). Testemunhos: Emílio Willems e Donald Pierson. Campinas: Unicamp, p. 30-116, 1987.

______.The Masters and the Slaves: a study in the development of Brazilian civilization. American Sociological Review, v. 12, no. 5, p. 607-609, 1947.

PONTES, Heloisa. Retratos do Brasil: editores, editoras e “coleções brasiliana” nas décadas de 30, 40 e 50. In: MICELI, Sergio (Org.). História das Ciências Sociais no Brasil Vol.1, São Paulo: Vértice, 1989, p. 359-409.

RAMOS, Arthur. A aculturação negra no Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca Pedagógica Brasileira, 1942.

ROSSI, Gustavo. O intelectual feiticeiro: Edison Carneiro e o campo de estudos das relações raciais no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

SANSONE, Lívio. Estados Unidos e Brasil no Gantois: o poder e a origem transnacional dos Estudos Afro-brasileiros. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 27, n. 79, p. 9-29, 2012.

SILVA, Isabela O. P. De Chicago a São Paulo: Donald Pierson no mapa das Ciências Sociais. Tese de Doutorado (Antropologia). São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (Universidade de São Paulo), 2012.

SILVA, Vagner Gonçalves. Estudos afro-brasileiros. Construção e legitimação de um campo de saber acadêmico. Revista USP, n.55, p. 82-111, 2002.

SIMMEL, George. Sociology: inquiries into the construction of social forms. Boston: Brill, 2009.

VALLADARES, Licia do Prado. A visita de Robert Park ao Brasil, o "homem marginal" e a Bahia como laboratório. Caderno CRH, v. 23, n. 58, p. 35-49, 2010.

YELVINGTON, Kevin. Melville J. Herskovits e a institucionalização dos Estudos Afro-Americanos. In: PEREIRA, Claúdio L.; SANSONE, Lívio (Orgs.). Projeto UNESCO no Brasil: textos críticos. Salvador: EDUFBA, 2007, p. 149-171.






Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.


 

                                  Resultado de imagem para doajResultado de imagem para ibict