Pelo olhar do Miriti

tempo de aprender e concepções de alfabetização e leitura e suas implicações pedagógicas

Autores

  • Tatiane Castro dos Santos Universidade Federal do Acre
  • Elizabeth Orofino Lucio Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2023v15n37pe14931

Palavras-chave:

Programa Tempo de Aprender, Concepções de Alfabetização, Concepções de Leitura

Resumo

A pesquisa analisa as concepções de alfabetização e leitura que fundamentam o “Programa Tempo de Aprender” e suas implicações pedagógicas. Evidencia-se uma concepção de alfabetização restrita à aprendizagem do SEA e uma concepção de leitura como decodificação e extração de sentidos, o que significa um retrocesso.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiane Castro dos Santos, Universidade Federal do Acre

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense, possui mestrado em Letras pela Universidade Federal do Acre, e é professora dessa instituição, no Centro de Educação, Letras e Artes, concursada para a área de linguagem e Letramento. Atua principalmente na área de alfabetização e letramento, Currículo e Ensino da Língua Portuguesa e trabalha, na graduação, com as disciplinas Linguística Aplicada à Alfabetização, Alfabetização e letramento e Ensino da Língua Portuguesa. Na pós-graduação, atua nas disciplinas Alfabetização e letramento e Estratégias do trabalho pedagógico com a leitura e a escrita, no Mestrado Profissional em Letras (Profletras/Ufac). Também é professora permanente do Mestrado em Educação (PPGE- Ufac) e do Doutorado em Rede Educanorte. Desenvolve projetos de pesquisa sobre alfabetização e ensino da língua portuguesa (Projeto institucional, PIBIC), buscando compreender os fundamentos teóricos do campo e como se apresentam na prática pedagógica do professor, no currículo e nos manuais didáticos. Atua, ainda, como coordenadora do Mestrado Profissional em Letras- Profletras/UFAC. 

Elizabeth Orofino Lucio, Universidade Federal do Pará

Professora Adjunta da Universidade Federal do Pará (UFPA) lotada no Instituto de Ciências da Educação, atuando no curso de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação Criatividade e Inovação em Metodologias do Ensino Superior (PPGCIMES). Fundadora e coordenadora do Laboratório Sertão das Águas: alfabetização, leitura, escrita, literatura, cibercultura, formação e trabalho docente, do Grupo de Estudos e Pesquisa GEPASEA (CNPQ), do Fórum de Alfabetização, leitura e escrita Flor do Grão Pará, do Clube de Leitura Tertúlias do Grão Pará e do projeto Farinhada Literária. Realizou Doutorado Sanduíche na Universidade de Lisboa-Portugal, como bolsista CAPES/PSDE. Possui graduação em Licenciatura Plena em Letras, Hab.: Port/Lit pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Especialista em Informática Aplicada à Educação, Gramática Gerativa e Cognição (UFRJ), Mestrado (UFRJ) e Doutorado (UFRJ) em Educação na linha Currículo, Linguagens e Formação de Professores pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Durante 22 anos foi professor docente II e I da Secretaria Estadual de Educação do Estado do Rio de Janeiro. Atuou como professora na UFRJ no curso de Pedagogia, no Plano Nacional de Formação de Professores (Parfor) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e conteudista de língua portuguesa da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do RJ, supervisora do MEC no PNAIC e formadora do Pró-letramento, Olimpíadas de Língua portuguesa e do Programa Mídias na Educação. Integra a Associação Brasileira de Alfabetização e a Rede de Formação Docente: Narrativas e Experiências (Rede Formad/UNIRIO/Brasil). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em alfabetização, atuando principalmente nos seguintes temas: formação inicial e continuada de professores, didática da formação, alfabetização, leitura, escrita, literatura infanto-juvenil, cibercultura e política pública. Atualmente é coordenadora da Associação Brasileira de Alfabetização da Região Norte e integrante do Comitê Científico Alfabetização e Letramento da Associação Brasileira de Linguística.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRAGGIO, S. L. B. Leitura e alfabetização: da concepção mecanicista à sociopsicolinguística. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Alfabetização: Programa Tempo de Aprender. Brasília: MEC, 2020a. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br/tempo-de-aprender. Acesso em: 10 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Alfabetização. Brasília: MEC, 2020b. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br/#pna. Acesso em: 10 mar. 2021.

BRASIL, Ministério da Educação. Programa Tempo de Aprender. Práticas de Alfabetização. Brasília: MEC - Sealf, 2020c Disponível em: https://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/sealf/curso/5401/visualizar. Acesso em: 07 de dez. 2022.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. A psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1999.

FERREIRO, E. Reflexões sobre alfabetização. 26. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

GATTI, B. A. Análise das Políticas Públicas para Formação Continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação. n. 37, jan./abr., 2008. Autores Associados, p. 57-70.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOULART, C. M. A; GONÇALVES, A. V. Aspectos semióticos da aprendizagem inicial da escrita. In: GOULART, Cecilia M. A.; WILSON, Victoria. Aprender a escrita, aprender com a escrita. São Paulo: Summus, 2013, p. 21-42.

GOULART, C. M. A; GONÇALVES, A. V. Alfabetização: linguagem e vida - uma perspectiva discursiva. Revista Brasileira de Alfabetização, n.14, 2021.

LEFFA, V. J. Aspectos da leitura: uma perspectiva psicolinguística. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto, 1996.

LUCIO, E. O. Tecendo os fios da rede: o programa Pró-letramento e a tutoria na formação continuada de professores da educação básica. Disponível em: https://ppge.educacao.ufrj.br/dissertacoes/Lucio_Elizabeth_Orofino_Dissertacao.pdf. Acesso em: 15.agosto.2022.

MORAIS, A. G. de; ALBUQUERQUE, E. B. C. de; LEAL, T. F. (orgs.) Alfabetização: apropriação do sistema de escrita alfabética. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

MORTATTI, M. R.L. Brasil, 2091: notas sobre a “política nacional de alfabetização”. Revista Olhares, v. 7, n. 3 – Guarulhos, nov. 2019.

ROJO, R. Letramento e capacidades de leitura para a cidadania. Disponível em: http://arquivos.info.ufrn.br/arquivos/2013121153a8f1155045828c12733b68e/Letramento_e_capacidade_de_leitura_pra_cidadania_2004.pdf. Acesso em: 15 out. 2022.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SANTOS, T. C. dos. SILVA, E. F. da. Alfabetização no Acre: cenários, desafios e perspectivas da/para a formação dos professores e práticas escolares. In: SOUZA, A. M. de; et al. (Orgs). Perspectivas para o ensino de línguas, volume 6. Rio Branco: Edufac, 2022.

SMOLKA, A. L. B. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. 13.ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SOARES, Magda. Letramento e alfabetização: As muitas facetas. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro , n. 25, p. 05-17, abr. 2004 . Disponível em <http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782004000100002&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 21 jan. 2023.

Publicado

2023-05-10

Como Citar

SANTOS, Tatiane Castro dos; LUCIO, Elizabeth Orofino. Pelo olhar do Miriti: tempo de aprender e concepções de alfabetização e leitura e suas implicações pedagógicas. Debates em Educação, [S. l.], v. 15, n. 37, p. e14931, 2023. DOI: 10.28998/2175-6600.2023v15n37pe14931. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/14931. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Formação Docente: Políticas e Práticas sob a perspectiva Human

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.