Fabulações curriculares

tessituras entre decolonialidades e a infância como lugar de infinitos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14nEspp176-189

Palavras-chave:

Descolonização, Infância, Currículo, Literatura

Resumo

O potencial inventivo, no pensamento de Gilles Deleuze, reside no entrelaçamento das artes, da ciência e da filosofia para criação de conceitos. Os conceitos são, por sua vez, as ferramentas do filósofo para resolver problemas. Neste artigo, nosso objetivo é operar em singularidades conceituais para discutir concepções de infância a partir do paradigma descolonizador, refutando a gramática pedagógica colonizadora. Para tanto, articulamos elementos das artes, através de experimentações literárias - rizomaticamente - com as ferramentas conceituais da ciência e da filosofia, para pautar a construção de uma tessitura de infância que possa habitar o plano de imanência do infinito. Nesse contexto, questionamos a fabulação de um currículo da infância que abarque seu infinito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Olivia Pires Coelho, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Estudante de Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas na linha Linguagem e Arte em Educação (UNICAMP), Integrante do PHALA -Grupo de Pesquisa em Educação, Linguagem e Práticas Culturaise do CLIQUE -Grupo de Pesquisa em Linguagens, Currículo e Cotidiano de crianças pequenas e bebêsna Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Bolsista CAPES-DS.

Fabiana Oliveira Canavieira, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Professora do Departamento de Educação I da Universidade Federal do Maranhão (UFMA); Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas emDiversidades Socioculturais–GEPEDISC –Culturas Infantis do Programa de Pós-graduação da UNICAMP e do CLIQUE -Grupo de Pesquisa em Linguagens, Currículo e Cotidiano de crianças pequenas e bebês; Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Maranhão -FAPEMA.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BRASIL, CNE, Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Parecer 20/09, aprovado em 11 de novembro de 2009. Brasília: CNE/CEB, 2009.

CANAVIEIRA, Fabiana O. “O fim quem dá são as crianças, e, às vezes, não tem fim”: concepções e práticas democráticas na Educação Infantil. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação – UFRGS: Porto Alegre, 2019.

CASTELLO, José. Apresentação: A palavra e a semente. In: COUTO, Mia. Poemas Escolhidos. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016, p. 11 – 22.

COUTO, Mia. Poemas Escolhidos. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

GOBBATO, Carolina. BARBOSA, Mª Carmen S. A artesania o diálogo e a cooperação: uma perspectiva para a didática na Educação Infantil. Poésis. Unisul: Tubarão, v.13, n.24, p. 350 – 365, Jul/Dez 2019.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

LIEBEL, Manfred. Children Without Childhood? Against the Postcolonial Capture of Childhoods in the Global South. 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/306081304 Acesso em 08 de out. de 2020.

MANKELL, HENNING. Comédia Infantil. São Paulo: Marco Zero, 1998.

MIGNOLO, Walter D. Epistemic Disobedience, Independent Thought and De-Colonial Freedom. Theory, Culture & Society 2009 (SAGE, Los Angeles, London, New Delhi, and Singapore), Vol. 26(7–8): 1–23

OLIVEIRA, L. C. C. Deleuze e a literatura: o devir pelas linhas da escrita. Dissertação (Mestrado) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. 2010.

PELLEJERO, Eduardo. A postulação da realidade. Lisboa: Edições Vendaval, 2009. 197 p.

RODRIGUES, Kamila Katarzyna Krakowska. Na demanda da ideia de nação: as viagens pós-coloniais em Mário de Andrade e Mia Couto. Tese de Doutoramento. Faculdade de Letras: Universidade de Coimbra - Lisboa (Portugal), 2014.

SANTOS, Boaventura Sousa dos. A difícil democracia: reinventar as esquerdas. São Paulo: Boitempo. 2016

SANTOS, Boaventura Sousa dos. (et al.) Epistemologías del sur - Epistemologias do Sul. coordinación general de Maria Paula Meneses; Karina Andrea Bidaseca . 1ª ed . Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO; Coímbra: Centro de Estudos Sociais - CES, 2018. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20181124092336/Epistemologias_del_sur_2018.pdf Acesso em 09 de out. 2020.

VIRURU, Radhika. The impact of postcolonial theory on early childhood education. Journal of Education, No. 35, 2005.

WALSH, C. Interculturalidad y (de) colonialidad: perspectivas críticas e políticas. in: congresso da association pour la recherche interculturele (aric) 2009. Florianópolis, UFSC. Anais eletrônicos. acesso em: jan. 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-10

Como Citar

COELHO, Olivia Pires; CANAVIEIRA, Fabiana Oliveira. Fabulações curriculares: tessituras entre decolonialidades e a infância como lugar de infinitos. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. Esp, p. 176–189, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14nEspp176-189. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12678. Acesso em: 27 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Infantil e currículo(s):culturas, docência e formação em debate

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.