Potencialidades educativas do desenvolvimento pelos alunos de exposições interativas sobre controvérsias sociocientíficas

Autores

  • Pedro Reis Instituto de Educação da Universidade de Lisboa
  • Mónica Baptista Instituto de Educação da Universidade de Lisboa
  • Luís Tinoca Instituto de Educação da Universidade de Lisboa
  • Elisabete Linhares Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa–UIDEF

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p1-21

Palavras-chave:

Controvérsias sociocientíficas, Exposições interativas, Percepções dos alunos, Ativismo, Investigação e inovação responsáveis

Resumo

Esta pesquisa quantitativa avalia o impacto das exposições desenvolvidas pelos alunos de ciências no âmbito do projeto IRRESISTIBLE – sobre as dimensões de Investigação e Inovação Responsáveis de controvérsias sociocientíficas – nas percepções dos alunos sobre as suas competências científicas e as aulas de ciências. Um questionário com pré e pós-teste foi desenvolvido, validado e aplicado a alunos de 10 países. A análise estatística indica que os alunos melhoraram as percepções sobre: 1) as suas competências de desenvolvimento de exposições como forma de conscientizar sobre temas relacionados à ciência, tecnologia e sociedade; 2) a relevância social das aulas de ciências. Como conclusão, discutem-se as potencialidades educativas desta estratégia educativa no ensino da Química. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Reis , Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Licenciado em Biologia, mestre e doutor em Didáctica das Ciências pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Actualmente, é Professor Associado, Sub-Diretor e investigador no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, onde coordena o Programa de Doutorado em Didática das Ciências. Supervisiona trabalhos de mestrado e de doutoramento nas áreas da educação em ciência, desenvolvimento profissional de professores, supervisão e orientação da prática profissional e integração das tecnologias de informação e comunicação em escolas e jardins de infância. Tem diversos trabalhos publicados em Portugal e no estrangeiro sobre estas temáticas. Dedica-se há vários anos à formação inicial e contínua e à orientação de estágios pedagógicos de professores e educadores. Tem estado envolvido em projectos de investigação, formação/supervisão de professores e desenvolvimento curricular em Portugal, noutros países europeus (financiados pela Comissão Europeia), África (financiados pelo Banco Mundial e pela Fundação Calouste Gulbenkian) e Brasil (financiados pelos estados português e brasileiro). Foi professor de Biologia no Ensino Básico e Secundário antes de ingressar no Instituto Politécnico de Santarém, onde: a) coordenou o Núcleo de Ciências Matemáticas e Naturais, o Departamento de Formação Contínua e os Cursos de Formação de Professores de Matemática e Ciências da Natureza (2.º CEB) e de Educação Básica da Escola Superior de Educação; e b) exerceu o cargo de Vice-Presidente. Tem fortes ligações com a Ordem dos Biólogos onde já desempenhou os cargos de Presidente do Colégio de Educação e de Director responsável pelo pelouro da Educação.

 

https://www.cienciavitae.pt/portal/8F1C-2898-2007

Mónica Baptista, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Doutorada em Educação, em Educação em Ciências, pelo IE-ULisboa, e Mestre em Física para o ensino, pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FC- UL). Graduada em Física e Química para o ensino. Atualmente, é diretora adjunta do IE-ULisboa, e pertence à Área de Investigação e Formação Didática (UIDEF). Coordena o programa de mestrado em Educação em Ciências e o programa de mestrado em ensino de Física e Química. É coordenadora do projeto nacional “Let's GoSTEM”, financiado pela FCT (PTDC / CED-EDG / 31480/2017), e está envolvida no projeto STEMkey da UE - Ensino de tópicos STEM padrão com uma abordagem de competência chave. Esteve envolvida em projetos da UE, nomeadamente IntTT - An INTegral Teacher Training para o desenvolvimento de competências digitais e comunicativas e aprendizagem de conteúdos disciplinares nas escolas, 502769-LLP-1-2009-1-ES-COMENIUS-CMP (2009- 2012), SAILS - Strategies for Assessment of Inquiry Learning in Science, Project Reference EU. FP7 (2012-2015) e IRRESISTIBLE - Incluindo Pesquisa Responsável, uma inovação na ciência de ponta e na educação científica baseada na investigação para melhorar a capacidade do professor de criar uma ponte entre ambientes de aprendizagem, FP7-Ciência na sociedade-2013 (2013-2016). Também esteve envolvida em projetos nacionais, financiados pela agência nacional, tais como: tecnologias e design para o futuro da formação de professores, Entre marcas: Integrando a literacia (iLit) (2012-2015) e Avaliação do Currículo de Física e Ciências Naturais, terceiro ciclo do Ensino Básico-Avaliação do Currículo de Física e Ciências Naturais, terceiro Ciclo do Ensino Básico (2010-2013). Coordenou o projeto Promoção do Sucesso Escolar no Ensino de Ciências, financiado pelo Ministério da Educação (ME). É consultora externa de grupos escolares de Territórios Educacionais de Intervenção Prioritária (TEIP), em parceria com o ME. Integrou também a equipe do Projeto Mais Sucesso Escolar, coordenado por ME (2009-2013). Integrando a literacia (iLit) (2012-2015) e Avaliação do Currículo de Física e Ciências Naturais, terceiro ciclo do Ensino Básico-Avaliação do Currículo de Física e Ciências Naturais, terceiro ciclo do Ensino Básico (2010-2013). Coordenou o projeto Promoção do Sucesso Escolar no Ensino de Ciências, financiado pelo Ministério da Educação (ME). É consultora externa de grupos escolares de Territórios Educacionais de Intervenção Prioritária (TEIP), em parceria com o ME. Integrou também a equipa do Projeto Mais Sucesso Escolar, coordenado por ME (2009-2013). Integrando a literacia (iLit) (2012-2015) e Avaliação do Currículo de Física e Ciências Naturais, terceiro ciclo do Ensino Básico-Avaliação do Currículo de Física e Ciências Naturais, terceiro ciclo do Ensino Básico (2010-2013). Coordenou o projeto Promoção do Sucesso Escolar no Ensino de Ciências, financiado pelo Ministério da Educação (ME). É consultora externa de grupos escolares de Territórios Educacionais de Intervenção Prioritária (TEIP), em parceria com o ME. Integrou também a equipa do Projeto Mais Sucesso Escolar, coordenado por ME (2009-2013). 3º ciclo do Ensino Básico-Avaliação do Currículo de Física e Ciências Naturais, 3º ciclo do Ensino Básico (2010-2013). Coordenou o projeto Promoção do Sucesso Escolar no Ensino de Ciências, financiado pelo Ministério da Educação (ME). É consultora externa de grupos escolares de Territórios Educacionais de Intervenção Prioritária (TEIP), em parceria com o ME. Integrou também a equipa do Projeto Mais Sucesso Escolar, coordenado por ME (2009-2013). 3º ciclo do Ensino Básico-Avaliação do Currículo de Física e Ciências Naturais, 3º ciclo do Ensino Básico (2010-2013). 

 

https://www.cienciavitae.pt/portal/A61D-36C8-8BF1

Luís Tinoca, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Professor Auxiliar do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, com experiência no desenvolvimento de cursos de graduação e pós-graduação, bem como investigador ativo nas áreas da formação de professores, concessão de currículos por competências, ambientes de aprendizagem inovadores e Pedagogia do Ensino Superior. Ele é membro da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Educação, colaborador do Laboratório de Educação à Distância e membro do grupo de interesse especial em Educação de Professores da Associação Europeia para Pesquisa em Aprendizagem e Instrução. Ele obteve seu Ph.D. em Educação Científica pela Universidade do Texas em Austin em 2004. É autor de mais de 40 publicações científicas e orientou 4 projetos de pós-doutorado, 6 teses de doutorado e 26 dissertações de mestrado em instituições de 7 países diferentes. Recentemente, ele foi o coordenador nacional e líder do pacote de trabalho para EDiTE (acordo de subvenção Marie-Sklodowska-Curie da UE número 676452 2015-2020) e EdUSchool (acordo de subvenção Erasmus + da UE número 2018-1-DE01-KA203-004221 2018-2021 ) Desde 2004 tem participado em 22 projectos de investigação nacionais e internacionais, financiados por várias organizações, tais como: Comissão Europeia, Fundação Portuguesa para a Ciência e Tecnologia, Fundação Bill e Melinda Gates, Associação para o Avanço da Informática na Educação, e a Sociedade de Tecnologia da Informação e Formação de Professores. Ele está envolvido com periódicos internacionais tanto como editor (Cogent Education e European Journal on Curriculum Studies) e revisor (European Journal of Teacher Education, Frontline Learning Research, Computers & Education e Studies in Educational Evaluation), enfatizando seu reconhecimento internacional como um pesquisador acadêmico.

 

https://www.cienciavitae.pt/portal/2217-03A8-AAB1

Elisabete Linhares, Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa–UIDEF

Licenciou-se em Biologia - Ramo Educacional pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Concluiu Mestrado em Ciências do Mar - Recursos Marinhos pelo Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar em 2007. Com Doutoramento em Educação na especialidade de Didática das Ciências pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa desde 2013. Conclusão de Pós-Doutoramento em Educação no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa em janeiro de 2018. Professora adjunta na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém. Membro integrado da Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Membro da Unidade de Investigação do Instituto Politécnico de Santarém. As suas principais áreas de interesse e atuação incidem na didática e no ensino das ciências, no desenvolvimento profissional de professores, na discussão de questões controversas como método de educação em ciências e na formação de professores, atividades de ativismo fundamentado, educação ambiental e as TIC no ensino das ciências.

 

https://www.cienciavitae.pt/portal/821E-3FC8-245B

Referências

ALSOP, S.; BENCZE, L. (Eds.) Activism in science and technology education. London: Springer, 2014.

APOTHEKER, J.; BLONDER, R.; AKAYGUN, S.; REIS, P.; KAMPSCHULTE, L.; LAHERTO, A. Responsible Research and Innovation in secondary school science classrooms: experiences from the project Irresistible. Pure and Applied Chemistry. v. 89 n. 2, 2017, p.211-219.

BANDELLI, A.; KONIJN, E. Public participation and scientific citizenship in the science museum in London: Visitors' perceptions of the museum as a broker. Visitor Studies. v. 18, n. 2, 2015, p.131-149.

BILDA, Z.; EDMONDS, E. Design for Creative Engagement. Design Studies. v. 29, 2008, p. 525-540.

BLONDER, R. Student-Curated Exhibitions: Alternative Assessment in Chemistry Education in Israel. In: COX, C.; SCHATZBERG, W.E. (Org.). International Perspectives on Chemistry Education Research and Practice. Washington DC: American Chemical Society, 2018.

BLONDER, R.; ROSENFELD, S.; RAP, S.; APOTHEKER, J.; AKAYGUN, S.; REIS, P.; KAMPSCHULTE, L.; LAHERTO, A. Introducing Responsible Research and Innovation (RRI) into the Secondary School Chemistry Classroom: The Irresistible Project. Daruna. v. 44, 2017, p.36-43.

BRAUND, M.; REISS, M. (Org.). Learning science outside the classroom. London: Routledge Falmer, 2004.

BYBEE, R. Scientific Inquiry, Student Learning, and the Science Curriculum. In: BYBEE, R. W. (Org.). Learning science and the science of learning. Arlington, VA: NSTA Press, 2002.

CAMERON, F. Climate change, agencies and the museum and science centre sector. Museum Management and Curatorship. v. 27, n. 4, 2012, p.317-339.

CHRISTENSEN, J.; BONNELYCKE, J.; MYGIND, L.; BENTSEN, P. Museums and science centers for health: from scientific literacy to health promotion. Museum Management and Curatorship. v. 31, n. 1, 2016, p.17-47.

COLUCCI-GRAY, L.; & CAMINO, E. Environmental crisis and scientific thinking: which science education for sustainability? Journal for activism in science & technology education. v. 3, n.1, 2011, p. 80-92.

COOKS, R. Is there a way to make controversial exhibits that work? Journal of Museum Education. v. 23, n. 3, 1998, p.18-20.

DELICADO, A. Scientific controversies in museums: notes from a semi-peripheral country. Public Understanding of Science. v. 18, n. 6, 2009, p.759-767.

EUROPEAN COMMISSION. Science and Society Action Plan. Luxembourg: Office for official publications of the European Communities, 2002.

HAMMERICH, P. Confronting students’ conceptions of the nature of science with cooperative controversy. In: MCCOMAS, W. (Org.). The nature of science in science education: Rationales and strategies. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2000.

HEATH, C.; VOM LEHM, D.; OSBORNE, J. Interaction and interactives: collaboration and participation with computer- based exhibits. Public Understanding of Science. v. 14, n. 1, 2005, p.91–101.

HENRIKSEN, E.; FROYLAND, M. The contribution of museums to scientific literacy: Views from audience and museum professionals. Public Understanding of Science. v. 9, 2000, p.393-415.

HINDMARSH, J.; HEATH, C.; VOM LEHN, D.; J. CLEVERLY. Creating Assemblies in Public Environments: Social interaction, interactive exhibits and CSCW. Journal of Computer Supported Collaborative Work. v. 14, n. 1, 2005, p.1-41.

HODSON, D. Teaching and learning science: Towards a personalized approach. Buckingham: Open University Press, 1998.

KAMPSCHULTE, L.; PARCHMANN, I. The student-Curated Exhibition – A new approach to getting in touch with science. LUMAT. v. 3, n. 4, 2015, p.462–482.

KELLY, L. Engaging Museum Visitors in Difficult Topics through Socio-Cultural Learning and Narrative. In: CAMERON, F.; KELLY, L. (Org.), Hot Topics, Public Culture, Museums. Cambridge Scholars Publishing, 2010

KOLSTØ, S. Scientific literacy for citizenship: Tools for dealing with the science dimension of controversial socioscientific issues. Science Education. v. 85, n. 3, 2001, p.291-310.

KOSTER, E. Evolution of purpose in science museums and science centers. In: CAMERON, F.; KELLY, L. (Org.). Hot Topics, Public Culture, Museums. Cambridge Scholars Publishing, 2010.

LEVINSON, R. Towards a theoretical framework for teaching controversial socio-scientific issues. International Journal of Science Education. v. 28, n.10, 2006, p.1201–1224.

LINHARES, E. F.; REIS, P. Interactive exhibition on climate geoengineering: empowering future teachers for sociopolitical action. Sisyphus – Journal of Education. v. 5, n. 3, 2017, p.85-106.

LINHARES, E. F.; REIS, P. Capacitação de Futuros Professores para a Ação Sociopolítica através de Exposições Interativas. Linhas Críticas. n. 24, 2019, p.304-325.

LINHARES, E. F.; REIS, P. Initiatives d´activisme en formation initiale de professeurs: préparer à l´action et à la transformation. Recherches en Didactique des Sciences et des Technologies. n. 21, 2020, p.193-211.

LOUGHRAN, J.; BERRY, A.; MULHALL, P. Understanding and developing science teachers. Pedagogical content knowledge. Monash Uiversity, Clayton: Sense Publishers, 2006.

MARQUES, A. R.; REIS, P. Producción y difusión de vídeos digitales sobre contaminación ambiental. Estudio de caso: Activismo colectivo basado en la investigación. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias. v. 14, n. 1, 2017, p.215-226.

MARQUES, A. R.; REIS, P. O Desenvolvimento de Exposições Científicas Como Estratégia de Ativismo em Contexto Escolar. In: CONRADO, D. M.; NUNES-NETO, N. (Ed.). Questões Sócio-Científicas: Fundamentos, Propostas de Ensino e Perspectivas Para Ações Sociopolíticas. Salvador: EDUFBA, 2018.

MEYER, M. From cold science to hot research: the texture of controversy. In: CAMERON, F.; KELLY, L. (Org.). Hot Topics, Public Culture, Museums. Cambridge Scholars Publishing, 2010.

MILLAR, R. Science education for democracy: What can the school curriculum achieve? In: LEVINSON, R.; THOMAS, J. (Org.). Science today: Problem or crisis? London: Routledge, 1997.

PEDRETTI, E. T. Kuhn meets T. Rex: Critical Conversations and New Directions in Science Centers and Science Museum. Studies in Science Education, v. 37, n. 1, 2002, p.1-41.

PEDRETTI, E. Perspectives on Learning through Research on Critical Issues-Based Science Center Exhibition. Science Education. v. 88, n. 1, 2004, p.34-47.

QUISTGAARD, N.; KAHR-HOJLAND, A. New and innovative exhibition concepts at science centres using communication technologies. Museum Management and Curatorship. v. 25, n. 4, 2010, 423-436.

RATINEN, I., KÄHKÖNEN, A.-L.; LINDELL, A. Pupils’ Understanding about Responsible Research and Innovation. International Journal of Environmental and Science Education. v. 13, n. 2, 2018, p.143-154.

REIS, P. Promoting students’ collective socio-scientific activism: Teacher’s perspectives. In: ALSOP, S.; BENCZE, L. (Org.). Activism in science and technology education. London: Springer, 2014.

REIS, P. Environmental Citizenship & Youth Activism. In: HADJICHAMBIS, A. C.; REIS, P.; PARASKEVA-HADJICHAMBI, D.; ČINCERA, J.; BOEVE-DE PAUW, J.; GERICKE, N.; KNIPPELS, M.-C. (Org.). Conceptualizing Environmental Citizenship for 21st Century Education. Series “Environmental discourses in Science Education”. Cham: Springer, 2020.

REIS, P. Desafios à Educação em Ciências em Tempos Conturbados. Ciência & Educação, Bauru. v. 27, e21000, 2021.

REIS, P.; MARQUES, A. R. (Org.). As exposições como estratégia de ação sociopolítica: cenários do projeto IRRESISTIBLE. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 2016.

RENNIE, L.; STOCKLMAYER, S. The communication of science and technology: past, present and future agendas. International Journal of Science Education. v. 25, n. 6, 2003, p.759-773.

RIECKMANN, M. Education for sustainable development goals: Learning objectives. Paris: UNESCO, 2017.

ROBERTS, D. Scientific Literacy/Science Literacy. In: ABELL, S.; LEDERMAN, N. (Org.). Handbook of Research on Science Education. London: Routledge, 2007.

RODARI, P.; MERZAGORA, M. The role of science centers and museums in the dialogue between science and society. Journal of Science Communication. v. 6, n. 2, 2007, p.1-2.

ROTH, W.-M. Scientific literacy as an emergent feature of collective human praxis. Journal of Curriculum Studies. v. 35, n. 1, 2003, p.9-23.

SADLER, T. D. Informal reasoning regarding socioscientific issues: A critical review of research. Journal of Research in Science Teaching. v. 41, n. 5, 2004, p.513-536.

SKYDSGAARD, M.; ANDERSEN, H.; KING, H. Designing museum exhibits that facilitate visitor reflection and discussion. Museum Management and Curatorship. v. 31, n. 1, 2016, p.48-68.

SLEEPER, M.; STERLING, R. The in-class science exhibition. Science Scope. v. 27, n. 6, 2004, p.49-52.

SUTCLIFFE, H. A report on responsible research and innovation. Brussels: Matter, 2011.

TILBURY, D.; WORTMAN, D. Engaging People in Sustainability. Commission on Education and Communication, IUCN, Gland, Switzerland and Cambridge, UK, 2004.

TSITOURA, A. Socio-cultural visions of Interactivity within Museums. Cadernos de Sociomuseologia. v. 38, 2010, p.89-102.

UNITED NATIONS. Transforming our World: The 2030 Agenda for Sustainable Development. New York: United Nations, 2015.

WAGENSBERG, J. Principios fundamentales de la museología científica moderna. Cuaderno Central. v. 55, 2001, p.22-24.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

REIS , Pedro; BAPTISTA, Mónica; TINOCA, Luís; LINHARES, Elisabete. Potencialidades educativas do desenvolvimento pelos alunos de exposições interativas sobre controvérsias sociocientíficas. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. Esp2, p. 1–21, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p1-21. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13043. Acesso em: 12 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Formação Docente em Química: foco e intersecções para ampliar o entendim

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.