Concepções teóricas/ epistemológicas do jogo e a epistemologia genética de Jean Piaget

delineamentos para um ensino de química lúdico

Autores

  • Márlon Herbert Flora Barbosa Soares Universidade Federal de Goiás - UFG
  • Felipe Augusto de Melo Rezende Universidade Federal de Goiás – UFG

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p289-305

Palavras-chave:

Jogo, Epistemologia Genética, Ensino de Química

Resumo

O presente trabalho se propõe a discutir aspectos filosóficos, sociológicos e epistemológicos do jogo, trazendo as contribuições de três teóricos: Johan Huizinga, Roger Caillois e Gilles Brougère, com o objetivo de destacar as contribuições dos autores para o campo dos jogos, bem como enfatizar as particularidades dos jogos pedagógicos em detrimento do jogo stricto. Além do panorama epistemológico ressaltado, realizou-se uma aproximação de elementos da Epistemologia Genética de Jean Piaget, com a definição de jogos educativos proposta por Cleophas, Cavalcanti e Soares (2018), com o intuito de destacar os tipos de assimilações e equilibrações favorecidos em cada jogo (jogo didático, jogo pedagógico e jogo educativo informal), bem como as características dos jogos de regras, simbólicos e de exercícios propostos por Piaget.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márlon Herbert Flora Barbosa Soares , Universidade Federal de Goiás - UFG

Licenciado em Química na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), entre 1992 e 1998. Desde 1993, mininstrava aulas de química e física no ensino médio público. Em 2001, concluiu o mestrado na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), trabalhando com ensino de química analítica, cujo dissertação versava sobre a caracterização e aplicação de corantes naturais de flores em equilíbrio químico, mudança de coloração, indicadores naturais enfim. No mesmo ano, 2001, foi aprovado para o doutorado em química, também pela UFSCar; sua tese versava sobre o uso de jogos em ensino de química. Concluiu o doutorado em 2004, três anos após o ingresso e dois anos após ter sido aprovado em concurso público para professor assistente na Universidade Federal de Goiás, onde está atualmente. Hoje é PROFESSOR TITULAR e um dos professores da área de ensino de química do Instituto de Química da UFG. Coordena o Laboratório de Educação Química e Atividades Lúdicas (LEQUAL), grupo registrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq e que também conta com financiamento deste mesmo órgão. Foi coordenador do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência do curso de Licenciatura em Química do IQ - UFG entre 2008-2012. Coordenou o estágio de licenciatura por 5 anos, entre 2003 e 2008, período de direcionamento, implantação e regulamentação do estágio docente no Brasil e na UFG. É pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Ensino de Ciências (NUPEC) da UFG, com financiamento do CNPq e do FINEP. Orientou 12 alunos de doutorado, 30 alunos de mestrado e 22 alunos de Iniciação Científica até o presente momento, além de 25 monografias de final de curso, implantadas em 2007 na licenciatura em Química da UFG. Atualmente, orienta 4 alunos de mestrado e 8 alunos de doutorado pelo PPGQ E PPGECM da UFG. Publicou até o momento 86 artigos em periódicos especializados e 302 trabalhos em anais de eventos científicos, sendo 89 deles, trabalhos completos. Tenho 17 capítulos de livro publicados, e no final do ano de 2008, lançou seu primeiro livro: Jogos em Ensino de Química, teoria, métodos e aplicações, que se encontra na 2a edição no ano de 2015. No ano de 2018 lançou um livro novo: Didatização Lúdica no Ensino de Química/Ciências, em parceria com Cleophas, M. G. Finalmente, as linhas de pesquisa em que atua são: Jogos e Atividades Lúdicas Aplicadas ao Ensino de Química; Ciência e Religião; Formação de Conceitos; Inclusão Digital de Professores de Ciências e Robótica Educacional em Ensino de Ciências.

 

http://lattes.cnpq.br/9698540158266610

Felipe Augusto de Melo Rezende , Universidade Federal de Goiás – UFG

Possui Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano - Campus Urutaí (2014), Mestrado em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Goiás (2017). Atualmente é doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Goiás. Pesquisador na área de Ensino de Ciências/Química. Possui experiência na área de Química, com ênfase em Ensino de Química, atuando principalmente com: Jogos e Atividades Lúdicas no Ensino de Química, Avaliação da Aprendizagem, Formação de Professores e Feminismos.

 

http://lattes.cnpq.br/9471863315177686

Referências

BROUGÈRE, G. Jogo e Educação. 1. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BROUGÈRE, G. Lúdico e Educação: novas perspectivas. Linhas Críticas, v.8, n. 14, p. 5-20, 2002.

CAILLOIS, R. Os jogos e os homens: A máscara e a vertigem. Petrópolis: Editora Vozes, 2017.

CLEOPHAS, M. G.; CAVALCANTI, E. L. D.; SOARES, M. H. F.B. Afinal de Contas, é Jogo Educativo, Didático ou Pedagógico no Ensino de Química/Ciências? Colocando os Pingos nos “Is”. In: CLEOPHAS, M. G.; SOARES, M. H. F. B. (Orgs). Didatização Lúdica no Ensino de Química/Ciências: Teorias de Aprendizagem e outras interfaces. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2018.

GARCEZ, E. S. C.; SOARES, M. H. F. B. Um estudo do Estado da Arte sobre a utilização do lúdico em Ensino de Química. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 17, n. 1, p. 183-214, 2017.

GOULART, I. B. Piaget: Experiências Básicas para Utilização pelo Professor. 17. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2019.

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

PIAGET, J. Relações entre a afetividade e a inteligência no desenvolvimento mental da criança. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2014.

REZENDE, F. A. M. Jogos no ensino de Química: um estudo sobre a presença/ ausência de teorias de ensino e aprendizagem à luz do V Epistemológico de Gowin. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

REZENDE, F. A. M.; SOARES, M. H. F. B. Jogos no Ensino de Química: um estudo sobre a presença/ausência de teorias de ensino e aprendizagem na perspectiva do V Epistemológico de Gowin. Investigações em Ensino de Ciências, v. 24, p. 103-121, 2019a.

REZENDE, F. A. M.; SOARES, M. H. F. B. Análise Teórica e Epistemológica de Jogos para o Ensino de Química Publicados em Periódicos Científicos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 19, n. 1, p. 747-774, 2019b.

SOARES, M. H. F. B. Jogos e atividades lúdicas no ensino de química: teorias, métodos e aplicações. Goiânia: Kelps. 2015.

SOARES, M. H. F. B. Sobre o Jogo e as Possíveis Relações com a Epistemologia Genética de Piaget: em um tabuleiro de xadrez. In: CLEOPHAS, M. G.; SOARES, M. H. F. B. (orgs.). Didatização Lúdica no Ensino de Química/Ciências: Teorias de Aprendizagem e outras interfaces. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2018.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

SOARES , Márlon Herbert Flora Barbosa; REZENDE , Felipe Augusto de Melo. Concepções teóricas/ epistemológicas do jogo e a epistemologia genética de Jean Piaget: delineamentos para um ensino de química lúdico. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. Esp2, p. 289–305, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p289-305. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13057. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Formação Docente em Química: foco e intersecções para ampliar o entendim

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.