Formação de professores de química com foco na equidade educacional

conceitos, cenários e perspectivas

Autores

  • Amadeu Moura Bego Universidade Estadual Paulista (Unesp) – Instituto de Química - Araraquara
  • Tarso Bortolucci Ferrari Universidade Estadual Paulista (Unesp) – Instituto de Química - Araraquara
  • Victor M. Pereira Júnior Harvard University – Harvard Graduate School of Education - USA

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p22-48

Palavras-chave:

Justiça Social, Multiculturalismo, Cienciometria

Resumo

A partir de um estudo cienciométrico, este artigo objetiva descrever os cenários das publicações sobre formação de professores (FP) com foco na equidade educacional (EE); analisar suas perspectivas teóricas e relações com a FP, no geral, e de química, em específico; e apontar as tendências, as propensões teórico-metodológicas, lacunas e desafios futuros sobre o tema. Apesar da escassez de trabalhos que envolvem EE na FP de química, identificou-se relações entre equidade, multiculturalismo e diversidade. A literatura revisada aponta duas dimensões como importantes princípios norteadores da EE: competência cultural e consciência sociopolítica; e práticas consistentes de ensino e aprendizagem. Essas duas dimensões são discutidas detalhadamente neste artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amadeu Moura Bego , Universidade Estadual Paulista (Unesp) – Instituto de Química - Araraquara

Possui Licenciatura em Química (2005) e mestrado em Química Inorgânica (2007) pelo Instituto de Química da UNESP, Câmpus de Araraquara, SP; é doutor em Educação para a Ciência pela Faculdade de Ciências (2013) da UNESP, Câmpus de Bauru, SP. Tem pós-doutorado em Educação pela Faculdade de Educação da USP de São Paulo (2017). Atuou como Professor Visitante na Harvard Graduate School of Education no ano de 2020. Atualmente é Professor Assistente Doutor junto ao Departamento de Química Analítica, Físico-Química e Inorgânica (QAFI) e professor do Programa de Pós-Graduação em Química do Instituto de Química da Unesp, Câmpus Araraquara, SP. Também é coordenador do Programa de Mestrado Profissional em Química em Rede (PROFQUI-Araraquara). Entre 2014 e 2018 Foi coordenador da área de Química do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) da Unesp de Araraquara. Em 2016 recebeu o Prêmio Professor Rubens Murillo Marques da Fundação Carlos Chagas como melhor experiência educativa inovadora para formação de professores. É também membro de Comitê Editorial e árbitro em várias revistas nacionais das áreas de educação e de educação em ciências, além de assessor da FAPESP e da Fundação Carlos Chagas (FCC). Tem experiência na área de Educação, com ênfase no Ensino de Química e em Formação de professores de Química, atuando principalmente nas seguintes temáticas: (1) parcerias público-privadas na educação; (2) Trabalho Docente, Aprendizagem da Docência e Desenvolvimento Profissional de Professores; (3) processos e materiais educativos na Educação em Ciências/Química. É líder da Rede de Inovação e Pesquisa em Ensino de Química (RIPEQ).

http://lattes.cnpq.br/4125433683306019

Tarso Bortolucci Ferrari, Universidade Estadual Paulista (Unesp) – Instituto de Química - Araraquara

Atualmente faz doutorado em Química na UNESP/Araraquara, linha de pesquisa em Ensino de Química. Atuou como Assistente de Projetos do Centro de Ciências de Araraquara, espaço não formal de ensino vinculado ao Instituto de Química da Unesp de Araraquara. Além disso, é Licenciado em Química pelo Instituto de Química da Unesp/Araraquara e Mestre em Educação para a Ciência pela Unesp/Bauru. Atua na área de Ensino de Ciências com foco na formação inicial de professores.

 

http://lattes.cnpq.br/2471405255244533

Victor M. Pereira Júnior, Harvard University – Harvard Graduate School of Education - USA

É conferencista em educação e Master Teacher in Residence (Science) do Harvard Teachers Fellows. Ele obteve seus diplomas de Bacharel em Ciências (2001) e Mestre em Artes em Ensino (2004) pelo Boston College. Nos últimos 15 anos, ele ensinou, treinou, orientou e trabalhou em muitas funções de liderança de professores na Excel High School nas Escolas Públicas de Boston. Em 2012, Pereira foi o ganhador de Massachusetts do Prêmio Amgen de Excelência no Ensino de Ciências. Desde 2004, Pereira tem trabalhado com o Programa de Educação de Professores na Harvard Graduate School of Education em muitas funções diferentes, incluindo mentor de alunos professores em seus estágios, mentor de professores durante a Cambridge-Harvard Summer Academy e instrutor de métodos para duas classes principais. Depois de trabalhar diretamente com os alunos da UTEP de Harvard, ele entende a transição entre ser um estudante de ciências e se tornar um professor de ciências.

 

https://htf.gse.harvard.edu/people/victor-pereira-jr

Referências

BRESSER-PEREIRA, L. C. As duas fases da história e as fases do capitalismo. Crítica e Sociedade: revista de cultura política, v. 1, n. 1, p. 168–189, 2011.

CANEN, A.; XAVIER, G. P. DE M. Formação continuada de professores para a diversidade cultural: Ênfases, silêncios e perspectivas. Revista Brasileira de Educacao, v. 16, n. 48, p. 641–663, 2011.

CARTER, L. The elephant in the room: Science education, neoliberalism and resistance. In: BENCZE, J. L.; ALSOP, S. (Ed.). . Activist Science and Technology Education. Netherlands: Springer, 2014. p. 23–36.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. M. Justiça social: desafio para a formação de professores. 1a ed. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

ELGAR, A. G. Science textbooks for lower secondary schools in Brunei: Issues of gender equity. International Journal of Science Education, v. 26, n. 7, p. 875–894, 2004.

ESPAÑA, S. Políticas sociales en América Latina. Mitos y realidades. Revista Iberoamericana de Educación, n. 23, p. 51–102, 2000.

GANDIN, L. A.; DINIZ-PEREIRA, J. E.; HYPOLITO, Á. M. Para além de uma educação multicultural: teoria racial crítica, pedagogia culturalmente relevante e formação docente (entrevista com a professora Gloria Ladson-Billings). Educação & Sociedade, v. 23, n. 79, p. 275–293, 2002.

GATTI, B. A. Formação De Professores, Complexidade E Trabalho Docente. Revista Diálogo Educacional, v. 17, n. 53, p. 721–737, 2017.

GAY, G. Culturally responsive Teaching: Theory, research, and practice. Nova York: Teacher College Press, 2000.

GORSKI, P. C. What we’re teaching teachers: An analysis of multicultural teacher education coursework syllabiTeaching and Teacher Education, 2009.

LADSON-BILLINGS, G. Culturally relevant pedagogy 2.0: A.k.a. The remix. Harvard Educational Review, v. 84, n. 1, p. 74–84, 2014.

LEMOS, V. Políticas públicas de educação: Equidade e sucesso escolar. Sociologia, Problemas e Práticas, n. 73, p. 151–169, 2013.

MILNER IV, H. R. What does teacher education have to do with teaching? Implications for diversity studies. Journal of Teacher Education, v. 61, n. 1–2, p. 118–131, 2010.

MORAES, E. M.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Formação Docente e Diversidade Cultural : Complexidade, Polissemia e Consciência Política. Roteiro, v. S.L., p. 105–130, 2014a.

MORAES, E. M.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Formação Docente E Diversidade Cultural : Complexidade , Polissemia E. p. 105–130, 2014b.

MUNANGA, K. Critica e Sociedade revista de cultura política. Revista Crítica E Sociedade, v. 4, n. 2, p. 34–45, 2014.

MUÑIZ, J. Culturally Responsive Teaching A 50-State Survey of Teaching Standards. Disponível em: .

NIETO, S. Placing equity front and center some thoughts on transforming teacher education for a new century. Journal of Teacher Education, v. 51, n. 3, p. 180–187, 2000.

ONU. Transformando nosso mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Nova Iorque: United+Nations, 2015.

PARIS, J.; ALIM, H. S. Culturally Sustaining Pedagogies: teaching and learning for justice in a changing world. Nova York: Teacher College Press, 2017.

RAZERA, J. C. C. Contribuições da cienciometria para a área brasileira de Educação em Ciências. Ciência & Educação (Bauru), v. 22, n. 3, p. 557–560, 2016.

SEILER, G. New metaphors about culture: Implications for research in science teacher preparation. Journal of Research in Science Teaching, v. 50, n. 1, p. 104–121, 2013.

SHAREEFA, M.; MOOSA, V. The Most-cited Educational Research Publications on Differentiated Instruction: a bibliometric analysis. European Journal of Educational Research, v. 9, n. 1, p. 331–349, 2020.

SPINAK, E. Diccionario Enciclopédico de Bibliometría, Cienciometría e Informetría. Caracas: Unesco, 1996.

VILLEGAS, A. M.; LUCAS, T. Preparing Culturally Responsive Teachers: Rethinking the Curriculum. Journal of Teacher Education, v. 53, n. 1, p. 20–32, 2002.

WINDSCHITL, M. A.; STROUPE, D. The Three-Story Challenge: Implications of the Next Generation Science Standards for Teacher Preparation. Journal of Teacher Education, v. 68, n. 3, p. 251–261, 2017.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

BEGO , Amadeu Moura; FERRARI, Tarso Bortolucci; PEREIRA JÚNIOR, Victor M. Formação de professores de química com foco na equidade educacional : conceitos, cenários e perspectivas. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. Esp2, p. 22–48, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p22-48. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13044. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Formação Docente em Química: foco e intersecções para ampliar o entendim

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.