A alunização da infância

o indelével contributo da formação inicial de educadoras/es em Portugal

Autores

  • Elisabete Xavier Gomes Escola Superior de Educadores da Infância Maria Ulrich (Lisboa)
  • Ana Teresa Brito Centro de Investigação em Educação-CIE, do ISPA-Instituto Universitário

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14nEspp190-216

Palavras-chave:

Educação de infância, formação inicial, ensino superior

Resumo

Em Portugal, o modelo de formação inicial de educadoras/es de infância condiciona as margens de autonomia curricular das instituições de ensino superior através da imposição por decreto-lei de uma matriz organizada em componentes de formação e áreas disciplinares com presença e ponderações uniformizadas. Neste artigo, apresentamos resultados de uma análise dos planos de estudo, definidos e publicados em Diário da República por cada uma das 29 instituições que atualmente fazem formação inicial, com vista a caracterizar as tensões que neles se identificam entre a escolarização e a educação da infância, nomeadamente pela presença ou ausência de espaços curriculares dedicados à creche e ao jardim-de-infância, ao estudo da educação e da infância e à construção de aprendizagens inter e transdisciplinares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMOWICZ, A.; CRUZ, A. C.; MORUZZI, A. B. Alguns apontamentos: a quem interessa a Base Nacional Comum Curricular para a educação infantil? Debates em Educação, v. 8, n. 16, p. 118-135, 2016. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/2385/2134. Acesso em: 10 jan. 2021.

AMARAL, A. L. What´s in a name. Lisboa: Assírio e Alvim, 2020.

BRITO, A.T. O que realmente importa numa educação de infância de qualidade?, Educação de infância: o que temos e o que queremos? In: EDULOG: Fundação Belmiro de Azevedo, 2019. p. 32-35. Disponível em: https://edulog.pt/storage/app/uploads/public/5c7/506/2b7/5c75062b73d4d101502268.pdf. Acesso em: 14 jul. 2021.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇAO. Formação Inicial de Professores. Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 2015.

CRESWELL, J. W. Research design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. Thousand Oaks: Sage, 2014.

FOLQUE, M. A. Uma visão holística e sistémica da educaçao de infância. Em Educação de infância: o que temos e o queremos? In: EDULOG: Fundação Belmiro de Azevedo, 2019. p. 26-31. Disponível em: https://edulog.pt/storage/app/uploads/public/5c7/506/2b7/5c75062b73d4d101502268.pdf. Acesso em: 14 jul. 2021.

FORMOSINHO, J. O risco da escolarização em creche. Cadernos de Educação de Infância, n. 119, p.12-20, jan/abr. 2020

GOBBI, M. A. Entreatos: precisamos da BNCC ou seria melhor contar com a Base? A Base Nacional Comum Curricular da Educação Infantil. Debates em Educação, 2016, v. 8, n. 16, p. 118-135. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/2401/2138. Acesso em: 10 jan.2021.

GOMES, E. X. e BRITO, A.T.¬¬¬ A Educação de infância como lugar de confluências complexas. In: Alves, M.G.; Gomes, E. X.; Domingos, A.; Matos., J.M. (Org.). Investigação, Educação e Desenvolvimento – Revisitar o pensamento de Teresa Ambrósio. Lisboa: Edições Colibri, 119-161, 2018.

LARROSA, J. Tremores. Escritos sobre expriência. Porto Alegre: Autêntica, 2013.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação, Lisboa: Dom Quixote, 1992, p. 13-33.

PINTASSILGO, J. Escolas de formação de professores em Portugal. Lisboa: Colibri, 2012.

PRIVITERA, G. J.; AHLGRIM-DELZELL, L. Research Methods for Education. Thousand Oaks; London: Sage, 2019.

PORTUGAL. Decreto-lei n.º 43/2007 do Ministério da Educação (2007), Aprova o regime jurídico da habilitação profissional para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. Diário da República n.º 38/2007, Série I de 2007-02-22.

PORTUGAL.Decreto-lei n.º 79/2014 do Ministério da Educação e Ciência, Aprova o regime jurídico da habilitação profissional para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. Diário da República n.º 92/2014, Série I de 2014-05-14.

PORTUGAL.Lei nº 62/2007 da Assembleia da República, Aprova o Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior. Diário da República, 1.ª série — N.º 174 — 10 de Setembro de 2007.

SARMENTO, T. Histórias de vida de educadoras de infância. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 2002.

SILVA, I. L; Núcleo da Educação Pré-escolar. Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar. Lisboa: Direcção Geral de Educação, 1997.

SOLER, J.; MILLER, L. The Struggle for Early Childhood Curricula: A comparison of the English Foundation Stage Curriculum, Te Whäriki and Reggio Emilia. International Journal of Early Years Education, v. 11, n. 1, p. 57-68, 2003.

STAKE, R. A arte da investigação com estudo de caso. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

TOMÁS, C. As culturas da infância na educação de infância: um olhar a partir dos direitos da criança. Interacções. n. 32, p. 129-144, 2014.

VASCONCELOS, T. Educação de infância em tempos de fronteira.” Em Educação de infância: o que temos e o que queremos? In: EDULOG: Fundação Belmiro de Azevedo, 2019. p. 20-23. Disponível em: https://edulog.pt/storage/app/uploads/public/5c7/506/2b7/5c75062b73d4d101502268.pdf. Acesso em: 14 jul. 2021.

WOOD, E.; HEDGES, H. Curriculum in early childhood education: critical questions about content, coherence, and control. The Curriculum Journal v.27,n. 3 , p. 387-405. 2016.

Publicado

2022-06-10

Como Citar

GOMES, Elisabete Xavier; BRITO, Ana Teresa. A alunização da infância: o indelével contributo da formação inicial de educadoras/es em Portugal. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. Esp, p. 190–216, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14nEspp190-216. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12663. Acesso em: 12 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Infantil e currículo(s):culturas, docência e formação em debate

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.