Análise das políticas de acessibilidade segundo o PDI de uma universidade estadual pública brasileira

Autores

  • Débora Chiararia de Oliveira Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho"
  • Ana Paula Camilo Ciantelli Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2024v16n38pe16915

Palavras-chave:

Acessibilidade, Políticas públicas, Ensino superior

Resumo

A presença de coletivos com características identitárias e culturais diversas tem sido cada vez mais frequente nas instituições de ensino superior. Os movimentos sociais, políticas públicas de reserva de vagas, desenhos e estratégias se constituem importantes estratégias de garantia de acesso à Universidade. Embora o Brasil seja um país com importantes leis voltadas à educação inclusiva, é possível observar uma grande dificuldade em suas implementações, especialmente no tocante a reconhecer e considerar as necessidades educacionais específicas dos estudantes de coletivos diversos, em especial das pessoas em situação de deficiência. Isto posto, este trabalho tem como objetivo a análise das políticas de acessibilidade segundo o plano de desenvolvimento individual (PDI), em vigência no período de 2022 a 2026, de uma universidade estadual pública brasileira. Busca ainda discutir, de maneira mais ampliada, o fenômeno da deficiência e as necessidades educacionais específicas (NEEs) que podem emergir durante a trajetória de estudantes inseridos no ensino superior. Foi realizada uma pesquisa descritiva e exploratória, baseada na análise documental do respectivo PDI. Os resultados encontrados demonstram que as políticas de acessibilidade se voltam mais para questões de ensino, acesso, permanência e adaptação curricular. Conclui-se que é necessária uma transformação cultural na instituição para garantir políticas de acessibilidade que considerem os estudantes com NEEs como sujeitos de direitos a uma educação que preze pela eliminação das barreiras de acessibilidade e promova ações atitudinais contra estereótipos, estigmas e preconceitos voltados a diversos coletivos que se encontram nas Instituições de Ensino Superior (IES), possibilitando assim a permanência destes estudantes até o término do curso, seja ela de graduação e/ou pós-graduação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Camilo Ciantelli, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Doutora em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Referências

BARNES, C. The social model of disability: valuable or irrelevant? In N. Watson, Roulstone, & C. Thomas (Eds.), The routledge handbook of disability studies, pp. 12-29, Routledge, 2012.

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência. UNESCO, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=424-cartilha-c&category_slug=documentos-pdf&Itemid=30192

Declaração de Salamanca de 10 de junho de 1994. Conferência Mundial sobre Educação Especial. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf

Decreto de nº 6.949 de 25 de agosto de 2009.

Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Presidência da República. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm

DINIZ, E. P. S.; SILVA, A. M. Perspectivas de estudantes com deficiência sobre facilitadores e barreiras nas universidades públicas de Mato Grosso do Sul. Rev. Bras. Ed. Esp., Bauru, v. 27, p. 461-476, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-54702021v27e0092

FORESTI, T.; BOUSFIELD, A. B. S. A compreensão da deficiência a partir das teorias dos modelos médico e social. Psicologia Política, v. 22, n. 55, p. 654-667. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v22n55/v22n55a10.pdf

Gesser, M.; Nuernberg, A. H.; Tonel, M. J. F. A contribuição do modelo social da deficiência à psicologia social. Psicologia & Sociedade, v. 24, n. 3, p. 557-566, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-71822012000300009

Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Superior, 2022. Ministério da Educação. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior/resultados

Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio. Presidência da República. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm

Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 (2015, 6 de julho). Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Lei nº 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e superior das instituições federais de ensino. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13409.htm

Lei nº. 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 de abril de 2004. n. 72, Seção 1, p. 3-4.

Martins, S. E. S. de O., Louzada, J. C. D. A. Política de identificação de estudantes em situação de deficiência em uma universidade pública brasileira. Revista Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 36, n.76, p. 65–96, 2022. DOI: 10.14393/REVEDFIL.v36n76a2022-61976.

Ministério da Educação (2008). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Ministério da Educação. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf

PICCOLO, G. M. Por que devemos abandonar a ideia de educação inclusiva. Educ. Soc., v. 44, 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/ES.260386

SEGENREICH, S. C. D. O PDI como referente para avaliação de instituições de educação superior: lições de uma experiência. Ensaio: aval. pol. públ. Educ, v.13, n.47, p. 149-168, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40362005000200003

VASCONCELOS, M. S.; GALHARDO, E. O programa de inclusão na UNESP: valores, contradições e ações afirmativas. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, n. esp.1, p. 285-306, 2016. DOI: 10.21723/RIAEE.v11.esp.1.p285

ZAGO, N. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/wVchYRqNFkssn9WqQbj9sSG/?format=pdf&lang=pt

Downloads

Publicado

2024-03-15

Como Citar

OLIVEIRA, Débora Chiararia de; CIANTELLI, Ana Paula Camilo. Análise das políticas de acessibilidade segundo o PDI de uma universidade estadual pública brasileira. Debates em Educação, [S. l.], v. 16, n. 38, p. e16915, 2024. DOI: 10.28998/2175-6600.2024v16n38pe16915. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/16915. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Avaliação na e da Educação Superior: tópicos sobre inclusão e acessibilidade

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.