Economia criativa e políticas públicas: o caso do cluster audiovisual de Porto Alegre

Autores

  • Carolina Gallo Garcia Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Stefano Florissi Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Audiovisual, Cluster, Economia Criativa,

Resumo

O presente trabalho objetiva apresentar um mapeamento dos desafios e gargalos para o desenvolvimento do cluster audiovisual da cidade de Porto Alegre, Brasil a partir de uma análise de dados qualitativos e quantitativos obtidos junto às empresas, instituições e órgãos públicos. De mesmo modo, buscou-se apontar fragilidades e potencialidades para o desenvolvimento setorial, sustentando as análises em um entendimento dos setores criativos para além do ponto de vista estritamente econômico, mas também tendo em vista os impactos culturais e sociais advindos do fomento à produção audiovisual.

Biografia do Autor

Carolina Gallo Garcia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduada em Comunicação Social (PUCRS), Especialista em Economia da Cultura (UFRGS) e Mestranda em Planejamento Urbano e Regional pelo Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PROPUR-UFRGS). 

Stefano Florissi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduado em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (1991), mestrado em Economia - University of Illinois at Urbana Champaign (1993) e doutorado em Economia - University of Illinois at Urbana Champaign (1996). Atualmente é professor adjunto I da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Crescimento e Desenvolvimento Econômico. Atualmente é Coordenador do Curso de Especialização em Economia da Cultura no Programa de Pós-Graduação em Economia (PPGE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Referências

Arranjo Produtivo Local – Setor Audiovisual do RS - Fundacao de Cinema RS – FUNDACINE.

BECATTINI, G. The Marshallian industrial district as a socio-economic notion. In: PYKE, F., BECATTINI, G., SENGENBERGER, W. (eds). Industrial Districts and Inter-Firm Co-operation in Italy. Geneva: International Institute for Labour Studies, 1990, p. 37-51.

BRUNO, F. S; BRUNO, A. C. M. ; Paula Camargo ; Cristina Bokel Becker . Rio de Janeiro, Distrito de Criatividade: ações para o desenvolvimento de economias de aglomeração de criatividade na cidade. Revista Design, Inovação e Gestão Estratégica - REDIGE , v. 2, p. 120-131, 2011.

CAMAGNI, Roberto. Economia Urbana. Barcelona: Antonio Bosch, editor S.A, 2004.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. O enfoque em sistemas produtivos e inovacao locais. In: FISCER,T. (org.) Gestão do desenvolvimento e poderes locais: marcos teoricos e avaliacao. Salvador: Casa da Qualidade, 2002, p. 61-76.

CASSIOLATO, J.E.; SZAPIRO, M. Aglomeracoes geograficas e sistemas produtivos e de inovacao. Promoção de Sistemas Produtivos Locais de Micro, Pequenas e Médias empresas Brasileiras. Rio de Janeiro: UFRJ/IE/REDESIST, 2002. Disponivel no site http// www.ie.ufrj/redesist.

COLEMAM, J. Foudations of social theory. Cambridge, Massachusetz, Harvard University Press, 1990.

European International Bank: The European Audiovisual Industry: An Overview, 2001

FLORIDA, Richard. A ascensão da classe criativa. Porto Alegre: L&PM, 2011.

GUERRERO, G. A. (2004): Avaliação da dinâmica dos processos inovativos das micro e pequenas empresas do arranjo produtivo calçadista da região de Birigui – SP. (Dissertação de Mestrado em Economia) Florianópolis-SC, Universidade Federal de Santa Catarina.

HUMPHREY, J. & SCHMITZ, H. A governança em cadeias globais de valor. In: www.nead.org.br/artigodomes/ Julho de 2001.

LITLLE, Arthur D. Clever practices to boost the creative and innovative potencial of regions: inspiration for the districts of creativity. Gent: Creativity World Forum, 2006.

Mapeamento dos Produtores Audiovisuais do Rio Grande do Sul Audiovisual 2013; Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Secretaria de Estado da Cultura Instituto Estadual de Cinema – Iecine.

MARSHALL, A. Princípios de economia. Sao Paulo: Nova Cultural, 1996.

OBAPL. Observatório Brasileiro de Arranjos Produtivos Locais. Disponível em: http://portalapl.ibict.br/index.html acesso em: 09 jul. 2017

OBERCOM. A cadeia de valor do audiovisual. Revista do Observatório da Comunicação. Lisboa, Observatorio, n.9, jul. 2004.

PORTER, M. Vantagens competitivas das nações. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

PUTMAM, R. Making democracy work. Civic traditions in modern Italy. New Jersey: Princeton University Press, 1993.

REIS, Ana Carla Fonseca; KAGEYAMA Peter (Orgs). Cidades criativas: perspectivas. São Paulo: Garimpo de Soluções, 2011.

RUPERT, Evelyn Sharon. The Moral Economy of Cities: shaping good citizens. Toronto: University of Toronto Press, 2006

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1984.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. Sao Paulo: Nova cultural, 1997.

SCHMITZ, H., e MUSYCK, B. Industrials Districts in Europe: Policy Lessons for Developing Countries? Discussion paper 324. Institute of Development Studies, Sussex, UK. 1993

SCOTT, Allen J. The Cultural Economy of Cities. London: Sage, 2000.

TATSCH, A. L; CALVACANTE, D; SPAT, M. D.; Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais em Áreas Intensivas em Cultura: O Caso do Arranjo de Cinema em Porto Alegre; disponivel em: http://aplicativos.fipe.org.br/enaber/pdf/92.pdf

Downloads

Publicado

12/07/2018

Como Citar

Garcia, C. G., & Florissi, S. (2018). Economia criativa e políticas públicas: o caso do cluster audiovisual de Porto Alegre. Latitude, 11(2). Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/3603

Edição

Seção

Dossiê "Processos sociopolíticos e desenvolvimento econômico no Brasil"