Desenvolvimento em questão: o curso da inovação no campo da economia criativa

Autores

  • Sandro Ruduit Garcia Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Lis Lucas Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Desenvolvimento, inovação, economia criativa

Resumo

O artigo analisa aspectos do processo de desenvolvimento baseado em inovação, mediante o acompanhamento do modo como ocorre o recente crescimento de uma economia criativa e seus condicionantes sociais e institucionais na cidade de Porto Alegre, no Sul do Brasil. Com base em dados de um survey e de pesquisa documental e em bases estatísticas oficiais, sugere-se que a economia criativa consiste na formação de uma nova arquitetura setorial que se desenvolve pela geração e difusão de inovações por agentes em busca de afirmação perante setores e mercados consolidados. A consecução desse tipo de estratégia de desenvolvimento depende das chances de acesso e capacidade de uso de recursos relevantes, encontrados no entorno territorial e extraterritorial, cuja captura ocorre por meio da ativa tecedura de redes pessoais e entre organizações. No entanto, o processo é condicionado, no seu conjunto, por condições prévias dos países e territórios específicos, demarcando a disponibilidade de recursos importantes entre campos interdependentes.

Biografia do Autor

Sandro Ruduit Garcia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Permanente no Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Departamento de Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Lis Lucas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Referências

ADORNO, T. e HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ALVES, Elder P. M.; SOUZA, Carlos A. de C. A economia criativa no Brasil: o capitalismo cultural brasileiro contemporâneo. Latitude, v. 6, n. 2, p. 119-173, 2012.

AMSDEN, A. H.. A ascensão do “resto”: os desafios ao Ocidente de economias com industrialização tardia. São Paulo: Editora da UNESP, 2009.

BANKS, Mark. Craft labour and creative industries. International Journal of Cultural Policy, v. 16, n. 3, p. 305-321, august 2010.

BRASIL. Ministério da Cultura. Plano da Secretaria da Economia Criativa: Políticas, Diretrizes e Ações 2011 a 2014. Brasília: Minc, 2012.

BURNS, Tom R. The Sociology of Creativity: a Sociological systems framework to identify and explain social mechanisms of creativity and innovative developments. Lisboa: CIES/ IUL, 2014. (Working Papers, n. 196).

BURT, R. . Structural holes and good ideas. American Journal of Sociology, 110(2): 349-399, 2004.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CAVES, R. Contracts between arts and commerce. Journal of Economics Perspectives, 17(2): 73-83, 2003.

COMUNIAN, R. Uma cidade criativa de tipo relacional: Para uma cartografia das ligações em rede entre os setores público, privado e sem fins lucrativos nas indústrias criativas. Revista Crítica de Ciências Sociais, 99: 99-124, 2012.

CORAZZA, R. I. Criatividade, inovação e economia da cultura: abordagens multidisciplinares e ferramentas analíticas. Revista Brasileira de Inovação, 12(1): 207-231, 2013.

DCMS (Department for Culture Media & Sport). Creative Industries Economic Estimates: statistical release. London, 2014, p.1-36, 2014.

DE VAAN, M.; STARK, D.; VEDRES, B. Game changer: topologia dela creatività. Stato e Mercato, (102): 307-340, 2014.

DILÉLIO, R. C. Economia criativa e a nova agenda econômica. Ciências Sociais Unisinos, 50(3): 206-217, 2014.

FECOMÉRCIO. Federação do Comércio do Estado de São Paulo. Lançamento dos índices de criatividade das cidades. São Paulo: Conselho de criatividade e inovação, Fecomércio/SP, 2012. Disponível em: <http://www.fecomercio.com.br>. Acesso em 15 jan. 2014.

FEDOZZI, L. et al. 2013. Orçamento Participativo de Porto Alegre: perfil, avaliação e percepções do público participante. Porto Alegre: Editora Hartmann, 2013.

FIRJAN. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. A cadeia da indústria criativa no Brasil. Estudos para o desenvolvimento do estado do Rio de Janeiro. Firjan, Rio de Janeiro, n. 2, maio 2008.

FIRJAN. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. Mapeamento da indústria criativa no Brasil. Rio de Janeiro: Firjan, 2012.

FLEW, Terry; CUNNINGHAM, Stuart. Creative Industries After the First Decade of Debate . The Information Society, n. 26, v. 2, p. 113- 123, 2010.

FLIGSTEIN, N. & MCADAM, D.. A theory of fields. New York: Oxford University Press, 2012.

FLORIDA, Richard. A Ascensão da Classe Criativa. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011.

FREEMAN, Chris; SOETE, Luc. A economia da inovação industrial. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA DO RIO GRANDE DO SUL - FEERS. 2015. Perfil socioeconômico dos municípios: Porto Alegre. Disponível em: http://www.fee.rs.gov.br/perfil-socioeconomico/municipios/detalhe/?municipio=Porto+Alegre>. Acesso em: 29 jun. 2015.

GAGLIO, Gérald. Sociologie de L’Innovation. Paris: PUF, 2011.

HABERMAS, J. 2015. A nova obscuridade. São Paulo, Editora da UNESP, 388p..

HERSCOVICI, A. O capitalismo imaterial: elementos para uma análise (socio)econômica. Novos Estudos, (102): 133-151, 2015.

HOWKINS, John. Economia criativa. São Paulo: M. Books do Brasil, 2013.

HUTTER, Michael; BERTHOIN ANTAL, Ariane; FARÍAS, Ignacio; MARZ, Lutz; MERKEL, Janet; MÜTZEL, Sophie; OPPEN, Maria; SCHULTE-RÖMER, Nona; STRAβHEIM, Holger. Research Program of the Unit “Culture Sources of Newness”. Berlin: Wissenschaftszentrum Berlin für Sozialforschung (WZB), 2010. 38 p. (Discussion Paper SP III 2010-405). Disponível em: <https://bibliothek.wzb.eu/pdf/2010/iii10-405.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2015.

JULIEN, Pierre-André. Empreendedorismo regional e economia do conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2010.

KARPOWICZ, A. P. Ensaios Abertos: Estudo sobre a gestão econômica da criatividade em ambientes organizacionais de orquestras no contexto da economia criativa. Porto Alegre, RS. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014.

KAUL, I.; GRUNBERG, I.; STERN, M. Bens públicos globais: cooperação internacional no século XXI. Rio de Janeiro e São Paulo: Record, 2012.

KIM, Changwook. Labor and the limits of seduction in Korea’s creative economy. Television & New Media, v. 15, n. 6, p. 562-576, 2014.

KÖSTER, Pau R. (Coord.). La cultura como factor de innovación económica y social. Valência: Econcult/ IIDL/ Universitat de València, 2013. (Proyecto Sostenuto). Disponível em: <http://www.uv.es/soste/pdfs/Sostenuto_Volume1_CAST.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2015.

LANDRY, Charles. Cidade Criativa – a história de um conceito. In: REIS, Ana Carla Fonseca; KAGEYAMA, Peter (Orgs.). Cidades criativas: perspectivas. São Paulo: Garimpo de Soluções, 2011. p. 7-16. Disponível em: <https://www.santander.com.br/portal/wps/gcm/package/cultura/livro_70516/Livro_Cidades_Criativas_Perspectivas_v1.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2015.

LIPOVETSKY, G. e SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MAILLOCHON, Florence. Por que a análise das redes? In: PAUGAN, S. (org.). A Pesquisa Sociológica. Petrópolis: Vozes, 2015.

MARCHI, L. de. Análise do Plano da Secretaria da Economia Criativa e as transformações na relação entre Estado e cultura no Brasil. Intercom – RBCC, São Paulo, 37(1): 193-215, 2014.

MARTINAITYTÈ, E. e KREGZDAITÈ, R. The factors of creative industries development in nowadays stage. Economics and Sociology, 8(1): 55-70, 2015.

MICHETTI, M. Por que a “moda brasileira” quer ser global? Desigualdade das trocas simbólicas mundiais e ethos dos atores da moda nacional. Sociologia & Antropologia, 5(2): 515-533, 2015.

MILLER, Toby. La nueva derecha de los estúdios culturales – las industrias creativas. Tabula Rasa, Bogotá, n. 15, p. 115-135, julio-diciembre 2011.

OBSERVAPOA. 2015. Observatório da Cidade de Porto Alegre. Porto Alegre em Mapas, Porto Alegre, Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 2015. Disponível em: <http://mapas.procempa.com.br/porto_alegre_em_mapas/index.html>. Acesso em: 29 jun. 2015.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo: Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. Rio de Janeiro: OCDE/ FINEP, 2004 [1997]. Disponível em: <http://www.ufal.edu.br/empreendedorismo/downloads/manuais-guias-cartilhas-e-documentos-sobre-empreendedorismo-e-inovacao/manual-de-oslo>. Acesso em: 23 nov. 2015.

OLIVEIRA, Luísa. Sociologia da Inovação. Lisboa: Celta, 2008.

PEUTER, Greig. Creative economy and labor precarity: a contested convergence. Journal of Communication Inquiry, v. 35, n. 4, p. 417-425, 2011.

RAMELLA, Francesco. Sociologia dell’innovazione econômica. Bologna: Ed. Mulino, 2013.

SCHUMPETER, Joseph. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1997 [1911].

SHADE, Leslie R.; JACOBSON, Jenna. Hungry for the job: gender, unpaid interships, and the creative industries. The Sociological Review, v. 63, n. 1, p. 188-205, 2015.

SWEDBERG, Richard. The cultural entrepreneur and the creative industries: beginning in Viena. Journal Culture Economic, n. 30, p. 243-261, October 2006.

TRIGILIA, Carlo. La costruzione sociale dell’innovazione. In: TRIGILIA, Carlo. La costruzione sociale dell’innovazione: economia, società e territorio. Firenze: Firenze University Press, 2007. p. 11-18.

UNCTAD. United Nations Conference on Trade and Development. Creative Economy: Report 2008. Genebra: Nações Unidas, 2008.

UNCTAD. United Nations Conference on Trade and Development. Creative Economy: Report 2010. Genebra: Nações Unidas, 2010.

UNESCO. United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. Creative Economy Report 2013. Especial edition: widening local development pathways. Genebra: Nações Unidas, 2013.

UZZI, Brian; SPIRO, Jarrett. Collaboration and creativity: the small world problem. American Journal of Sociology, v. 111, n. 2, p. 447-504, September 2005. Disponível em: <http://www.kellogg.northwestern.edu/faculty/uzzi/ftp/uzzi's_research_papers/0900904.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2015.

VALIATI, Leandro. Indústria criativa no Rio Grande do Sul. 2ª. Ed. Porto Alegre: FEE, 2013.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: Editora da UnB, 2004 [1921].

Downloads

Publicado

12/07/2018

Como Citar

Garcia, S. R., & Lucas, L. (2018). Desenvolvimento em questão: o curso da inovação no campo da economia criativa. Latitude, 11(2). Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/4092

Edição

Seção

Dossiê "Processos sociopolíticos e desenvolvimento econômico no Brasil"

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)