Química e arte no processo de curadoria educacional

Autores

  • Tatiana Zarichta Nichele Eichler Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Marcelo Leandro Eichler Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p216-243

Palavras-chave:

Curadoria educacional, Ensino de química, Greimas, Pinterest

Resumo

Este artigo propõe um convite ao olhar e ao diálogo interdisciplinar entre química, estética e artes plásticas destinados a docentes de Química. Nesse sentido, discute-se a noção de curadoria em suas manifestações no ambiente digital e em relação ao conteúdo educacional. Apresentam-se os resultados de uma intervenção pedagógica, proposta aos licenciados em Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que tinha o objetivo de realizar um exercício de curadoria com imagens, que reportassem à química, distribuídas na rede social Pinterest. As expografias produzidas pelos estudantes foram analisadas a partir de elementos da semiótica discursiva de Greimas, com ênfase nos quatro elementos constitutivos da natureza: água, ar, fogo e terra. Os resultados mostram que a curadoria realizada no Pinterest pode ser abordada como uma estratégia pedagógica, como uma atividade conducente para os processos de ensino e aprendizagem de estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Zarichta Nichele Eichler , Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Bacharela (2003) e licenciada (2016) em Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mestre em Química pela UFRGS em 2007 e doutora em Química pela UFRGS em 2012. Atualmente cursa seu segundo doutorado em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Foi professora temporária no Departamento de Química Orgânica/UFRGS no período de março de 2012 a outubro de 2013 em regime de 40h. Possui experiência em reações de acoplamento carbono-carbono para síntese de fármacos, reações de polimerização/copolimerização de etileno e estireno, síntese de compostos organometálicos. Possui conhecimento de técnicas de Ressonância Magnética Nuclear, CG, CG-MS, FTIR e CLAE. No Ensino de Química trabalhou com a produção de material didático e com as tecnologias da informação e comunicação. Atualmente trabalha em projeto interdisciplinar envolvendo a poética da imaginação no Ensino de Química a partir de um diálogo entre o surrealismo de Salvador Dalí e a filosofia da química e do imaginário de Gaston Bachelard.

 

http://lattes.cnpq.br/5676409264786248

Marcelo Leandro Eichler , Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Possui Licenciatura em Química (1997), mestrado em Psicologia (2000) e doutorado em Psicologia do Desenvolvimento (2004), obtendo todos os títulos na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Lecionou em outras quatro universidades públicas (UERGS, UFBA, FURG e UFSC) e, atualmente, é professor adjunto do Departamento de Química Inorgânica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), docente permanente dos programas de pós-graduação em Educação (UFRGS) e em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde (UFRGS/UFSM/FURG) e pesquisador da Área de Educação Química. Foi coordenador local do Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional (2017-2018) e, desde janeiro de 2019, é coordenador dos cursos de química da UFRGS. As suas atividades de pesquisa e de inovação estão relacionadas com a disseminação das tecnologias de informação e comunicação na educação científica e tecnológica. Também tem interesse pela tematização e atualização do projeto de pesquisa de Jean Piaget. Possui experiência nas áreas de psicologia da educação e de ensino de química, atuando principalmente nos seguintes temas: epistemologia genética, psicologia ambiental, didática das ciências, informática educativa e formação de professores.

 

http://lattes.cnpq.br/2483458145895884

Referências

ALVES, Rubem. A escola com que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir. São Paulo: Papirus 7 Mares, 2001.

ARTHUR, William B. The Nature of Technology: what it is and how it evolves. Londres: Penguin, 2009.

ASLAM, Salman. Pinterest by the Numbers: Stats, Demographics & Fun Facts. Omnicore, 2021. Disponível em: https://www.omnicoreagency.com/pinterest-statistics/. Acesso em: 24 de maio de 2021.

BARTLETT, Jamie; MILLER, Carl. Truth, lies and the internet: a report into young people’s digital fluency. Londres: Demos, 2011.

BHASKAR, Michael. Curadoria: O poder da seleção no mundo do excesso. São Paulo: Edições SESC, 2020.

CORREIA, Ana-Paula. As Múltiplas Facetas da Curadoria de Conteúdos Digitais. ReDoC – Revista Docência e Cibercultura, v. 2, n. 3, p. 14-32, 2018.

CORTELLA, Mario S.; DIMENSTEIN, Gilberto. A Era da Curadoria: o que importa é saber o que importa. São Paulo: Papirus 7 Mares, 2015.

DIAS, Álvaro R. A aplicação da semiótica discursiva na análise da comunicação publicitária para a divulgação da marca. Intexto, n. 37, p. 394-412, 2016.

EICHLER, Tatiana Z. N.; EICHLER, Marcelo L. A rede social Pinterest e a curadoria na educação científica: O exemplo do surrealismo de Dalí. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, Anais do XI ENPEC, Florianópolis, 2017.

EICHLER, Tatiana Z. N.; ARAÚJO, Ione C.; EICHLER, Marcelo L. A curadoria no Pinterest como transcriação da representação e do imaginário acerca do átomo. RENOTE – Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 15, n. 1, p. 1-13, 2017.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Positivo, 2008.

FERRER, Raquel H. Gráficos que cuentan historias: caracterización de infografías y visualizaciones narrativas a través de Pinterest. Obra Digital, n. 9, p. 98-119, 2015.

FLORIDI, Luciano. Semantic Capital: Its Nature, Value, and Curation. Philosophy & Technology, v. 31, p. 481-497, 2018.

GARCIA, Marilene S. dos Santos; CZESZAK, Wanderlucy. Caminhos para a prática da curadoria educacional. Pátio, n. 88, p. 22-25, 2019a.

GARCIA, Marilene S. dos Santos; CZESZAK, Wanderlucy. Curadoria Educacional: Práticas pedagógicas para tratar (o excesso de) informação e fake news em sala de aula. São Paulo: SENAC, 2019b.

GREIMAS, Aljirdas. Semântica Estrutural. São Paulo: Editora Cultrix, 1973.

GREIMAS, Aljirdas. Da Imperfeição. São Paulo: Hacker Editores, 2002.

HARARI, Yuval N. Sapiens: Uma Breve História da Humanidade. São Paulo: L&PM, 2018.

HERNANDES, Nilton. Análise de Publicidade da revista Veja. Cadernos de Semitótica Aplicada, v. 1, n. 2, p. 25-43, 2003.

KIILI, Carita; LAURINEN, Leena, MARTTUNEN, Miika. Students evaluating internet sources: from versatile evaluators to uncritical readers. Journal of Educational Computing Research, v. 39, n. 1, p. 75-95, 2008.

LANDOWSKI, Eric. Com Greimas. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017.

LANDOWSKI, Eric; DORRA, Raul; OLIVEIRA, Ana Cláudia. Semiótica, estesis, estética. São Paulo: EDUC, 1999.

MARTINEZ, Elisa de Souza. Curadoria e expografia em abordagem semiótica. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES DE ARTES PLÁSTICAS DINÂMICAS EPISTEMOLÓGICAS EM ARTES VISUAIS, Anais [...], Florianópolis, 2007.

MAYER-SCHÖNBERGER, Viktor; CUKIER, Kenneth. Big Data: Como extrair volume, variedade, velocidade e valor da avalanche de informação cotidiana. São Paulo: Campus, 2013.

NEVES, Sandra G. A Produção Omnilateral do Homem na Perspectiva Marxista: a Educação e o Trabalho. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, Anais [...], Curitiba, 2009.

NOGUEIRA, Fernanda F. M. Isotopia temática e figuratividade em "Eis os amantes" e "Introdução" de Augusto de Campos. Estudos Semióticos, n. 3, p. 1-12, 2007.

PONTES, Gilvânia M. D. de; PILLAR, Analice D. Experiência Estética na Semiótica Discursiva: pistas para leitura de textos de professores sobre suas práticas. Palíndromo, v. 10, n. 22, p. 12-24, 2018.

RAMALHO E OLIVEIRA, S. R. Imagem também se lê. São Paulo: Edições Rosari. 2005.

RASTIER, François. Da semântica estrutural à semiótica das culturas. Galaxia, Especial 2 Dossiê Algirdas J. Greimas, p. 15-40, 2019.

RECTOR, Monica. Para Ler Greimas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

REGINALDO, Thiago; BALDESSAR, Maria José. Teoria Educacional e Semiótica na Compreensão de Imagens: análise da animação “Um Plano Para Salvar O Planeta”. In: VI SEMINÁRIO LEITURA DE IMAGENS PARA A EDUCAÇÃO: MÚLTIPLAS MÍDIAS, Anais [...], Florianópolis, 2013.

ROOT-BERNSTEIN, Robert. Do we have the structure of DNA right? Art Journal, v. 55, n. 1, p. 47-55, 1996.

ROOT-BERNSTEIN, Robert. Sensual Chemistry. HYLE – International Journal for Philosophy of Chemistry, v. 9, n. 1, p. 33-50, 2003.

SANTAELLA, Lúcia. Estética: de Platão à Peirce. São Paulo: Experimento, 1994.

SCHAFF, Adam. A Sociedade Informática. São Paulo: Brasiliense, 1992.

SCHUBERT, Karsten. The Curator's Egg: The Evolution of the Museum Concept from the French Revolution to the Present Day. Londres: One-off Press, 2000.

WALLMAN, James. Stuffocation: Living More with Less. Londres: Penguin, 2015.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

EICHLER , Tatiana Zarichta Nichele; EICHLER , Marcelo Leandro. Química e arte no processo de curadoria educacional. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. Esp2, p. 216–243, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13nEsp2p216-243. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/13054. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Formação Docente em Química: foco e intersecções para ampliar o entendim

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.