O ILÊ É SAGRADO: CANDOMBLÉ E MEIO AMBIENTE EM BESOURO.

Autores

  • Maria Viviane de Melo Silva UFSC
  • Natália Gabriela Barbosa Dill IFAL - Instituto federal de Alagoas.

Palavras-chave:

Filme Besouro; Meio Ambiente; Candomblé.

Resumo

O presente artigo busca refletir sobre a relação entre Meio Ambiente e Candomblé, tendo como norte o filme Besouro (2009). Este trabalho surgiu a partir de inquietações provocadas por discussões entre História e Cultura no curso técnico de Meio Ambiente do Instituto Federal de Alagoas - IFAL (Campus Penedo), entre os anos de 2018 e 2019. Analisando alguns aspectos do Candomblé, percebemos sua estreita relação com o meio ambiente por compreender tal espaço como elemento sagrado na religião de matriz africana. A cultura, como elemento indissociável do social, nos faz refletir acerca da relação das pessoas que pertencem à determinada religião dando significado ao espaço a partir da concepção cultural do mesmo. Ou seja, compreendemos que a ligação presente entre a religião e o Ilê (terreiro de candomblé) é expressa, dentre outros elementos, pela conexão com a natureza e com o meio ambiente. Abordaremos também alguns aspectos a respeito da Educação Ambiental (EA) e de como ela integra a discussão entre a religião de matriz africana e o meio ambiente. Desse modo, partindo do olhar de autores como Felipe Martins, Valéria Lima, Nilton Adão, dentre outros que dialogam sobre os vínculos entre candomblecistas e natureza, bem como Marc Ferro, Eduardo Morettin e Marcos Napolitano, historiadores que compreendem o potencial do filme enquanto fonte histórica. Discutiremos como Besouro (2009) nos ajuda a perceber a importância que tem o meio ambiente para os candomblecistas, destacando alguns elementos relacionados à Educação Ambiental e analisando como a cultura do candomblé pode formar a consciência ambiental e crítica de um povo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Viviane de Melo Silva, UFSC

Doutoranda em História pelo Programa de Pós-Graduação em História Global da Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC. Mestre em História pela Universidade Federal de Sergipe- UFS. Graduada em História pela Universidade Estadual de Alagoas- UNEAL. É integrante do Núcleo de Estudos em História e Cinema – NEHCINE/ UFSC. Foi Professora Substituta de História no Instituto Federal de Alagoas- IFAL (Campus Penedo) entre 2018-2019.

Natália Gabriela Barbosa Dill, IFAL - Instituto federal de Alagoas.

Ex-aluna do Curso Técnico de Meio Ambiente do Instituto Federal de Alagoas- IFAL (Campus Penedo).

Referências

ADÃO, Nilton M. L. O marxismo e a Educação Ambiental: uma possibilidade de interpretação. In.: Revista do IESVILLE. ISSN 1806-5147. Volume 2, nº 3, maio a junho de 2005.

AVELLAR, José Carlos. Imagem e som, imagem e ação, imaginação. Rio de Janeiro, Paz e Terra: 1982.

BESOURO. Direção: João Daniel Tikhomiroff. Brasil: Globo Filmes, 2009.

BLOCH, Marc. Apologia da História ou o ofício do Historiador. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed. 2001.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: Entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo. Lisboa: DIFEL, 2002.

DUARTE, Rosália. Cinema e Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

FABRIS, Eli. Cinema e Educação: um caminho metodológico. Educação & Realidade: Porto Alegre, 2008.

FERRO, Marc. Cinema e História. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

____________. Filme: uma contra-análise da sociedade? In. LE GOFF, J.; NORA, P. (orgs). História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

HOEBEL, E. A. & FROST, E. L. Antropologia cultural e social. 9. ed. Trad. Euclides Carneiro da Silva. São Paulo: Cultrix, 1999

KROEBER, Alfred L. O superorgânico. Em A Natureza da Cultura. Lisboa: Edições 70, 1993.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico — 14.ed. — Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

LIMA, Valéria Dias de. Crenças religiosas como caminho para a conservação ambiental: um estudo de caso na Comunidade Candomblé Ilê Asé Orisá Dewi. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade de Brasília – UnB, 2011.

MARTINS, Felipe Rodrigues. Candomblé e Educação Ambiental: uma possível e construtiva relação. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências Exatas e Naturais, Programa de Pós-Graduação em Ciências e Meio Ambiente. Belém – PA, 2015.

NAVARRETE, Eduardo. O cinema como fonte histórica: diferentes perspectivas teórico-metodológicas. Disponível em: http://ojs.uem.br/ojs/index.php/Urutagua/article/viewFile/3539/3273. Acesso realizado em 02/10/2020.

NUNES, Karliane Macedo. Atualizações de mitos sobre Exu no cinema: O caso do filme besouro. Revista Unioeste, v.8, n.2. 2014. Disponível em http://erevista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/10091

MORETTIN, Eduardo. O cinema como fonte histórica na obra de Marc Ferro. In: CAPELATO, Maria Helena. MORETTIN, Eduardo. NAPOLITANO, Marcos. SALIBA, Elias

NAVARRETE, Eduardo. O cinema como fonte histórica: diferentes perspectivas teórico-metodológicas. Disponível em: http://ojs.uem.br/ojs/index.php/Urutagua/article/viewFile/3539/3273.

Thomé. (Orgs.) História e Cinema: dimensões históricas do audiovisual. 2. Ed. São Paulo: Alameda, 2011.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a Dádiva. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

NAPOLITANO, Marcos. A história depois do papel. In: PINSKY, Carla Bassanezi. (Org). Fontes históricas. 3. Ed. São Paulo: Contexto, 2015.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SANTIAGO, JÚNIOR. Francisco das Chagas. Cinema e historiografia: trajetória de um objeto historiográfico (1971-2010). História da historiografia. Ouro Preto. 8 (151-173) Abril 2012. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/270.

SERTÃ, Ana Luísa & ALMEIDA, Sabrina. Ensaio sobre a dádiva. In: Enciclopédia de Antropologia. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2016. Disponível em: http://ea.fflch.usp.br/obra/ensaio-sobre-dádiva.

VALIM, Alexandre. História e Cinema. In: CARDOSO, Ciro Flamarion. VAINFAS, Ronaldo (ORG). Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

VALDINA, Makota. Quem é do candomblé tem o dever de defender a natureza. Entrevista para o Jornal Correio. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=LZodHAoBbIQ. Acesso em 30/09/2020.

Publicado

2022-11-30

Como Citar

Viviane de Melo Silva, M. ., & Gabriela Barbosa Dill, N. . (2022). O ILÊ É SAGRADO: CANDOMBLÉ E MEIO AMBIENTE EM BESOURO. REVISTA ELETRÔNICA EXTENSÃO EM DEBATE, 11(09). Recuperado de https://www.seer.ufal.br/index.php/extensaoemdebate/article/view/14625

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.