Agenda global e a influência nas políticas para formação docente

Brasil e Portugal

Autores

  • Renata Peres Barbosa Universidade Federal do Paraná
  • Monica Ribeiro da Silva Universidade Federal do Paraná
  • Natália Alves Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15110

Palavras-chave:

Políticas de formação inicial de professores no Brasil e em Portugal, OCDE, Comissão Europeia

Resumo

O presente artigo teve como propósito analisar as influências da agenda de educação global nas políticas de formação inicial de professores no Brasil e em Portugal. Com base em fontes bibliográficas e documentais, observou-se que em ambos os países as proposições expressam, sobretudo, as diretrizes propagadas pela OCDE e pela Comissão Europeia. A agenda de recomendações tem privilegiado orientações político pedagógicas baseadas em um conjunto de competências que se desdobra em elementos de natureza avaliativa e em dispositivos que exercem maior controle sobre a formação e o trabalho docente. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Ribeiro da Silva, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Educação e Professora Titular do Setor de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Observatório do Ensino Médio.

Natália Alves, Universidade de Lisboa

Doutora em Ciências da Educação (Sociologia da Educação), Mestre em Sociologia do Trabalho; Bacharel em Sociologia e Professora do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Referências

BALL, Stephen J. Novos Estados, nova governança e nova política educacional. In: Apple, M.W., Ball, S.J. e Gandin, L.A. (org.) Sociologia da Educação - análise internacional. Porto Alegre: Penso, p. 177-189, 2013.

BALL, Stephen J. Política Educacional Global: reforma e lucro. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa– RETEPE, v. 3, p. 1-15, 2018.

BAZZO, Vera; SCHEIBE, Leda. De volta para o futuro... retrocessos na atual política de formação docente. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 27, p. 669-684, set./dez. 2019.

BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília. 1999.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução 01/2002. Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação de Professores. Brasília, CNE/CP, 2002.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução 02/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília. CNE/CP. 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução 02/2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília. CNE/CP. 2019.

COMMISSION OF THE EUROPEAN COMMUNITIES. Improving the Quality of Teacher Education. Brussels. Commission of the European Communities. July, 2007.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação, Sociedade e Culturas, Porto, v. 16, p. 133-169, 2001.

DELORS, Jacques. Educação um tesouro a descobrir: relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI, 1996.

DIAS, Rosanne Evangelista; LOPES, Alice Casimiro. Competências na formação de professores no Brasil: o que (não) há de novo. Educ. Soc., Campinas, CEDES, v. 24, n. 85, p. 1155-1177, dezembro 2003.

ENQA. Quality assurance of higher education in Portugal: An assessment of the existing system and recommendations for a future system. Helsinquia. European Association for Quality Assurance in Higher Education. 2006.

EUROPEAN COMMISSION. Improving teacher quality: the EU agenda. Brussels. European Commission. April, 2010.

FLORES, Maria Assunção (2016) O futuro da profissão de professor. In: SPAZZIANI, Maria de Lurdes (Org). Profissão Professor: cenários, tensões e perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 2016. p. 332-355.

FLORES, Maria Assunção; VIEIRA, Flávia; SILVA, José Luís Coelho; ALMEIDA. Integrating research into the practium: Inquiring into inquiry-based professional development in post-Bologna Initial Teacher Education in Portugal. In: FLORES, Maria Assunção; AL-BARWANI, Thuwayba (Eds.). Redefining Teacher Education for the post-2015 Era: Global Challenges and Best Practice. New York: nova Publisher, 2016. p. 109-124.

LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa. Avaliação, qualidade e equidade. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 19, n. 2, p. 421-438, jul. 2014.

LEITE, Carlinda; FERNANDES, Preciosa; SOUSA-PEREIRA, Fátima. Post-Bologna policies for teacher education in Portugal: tensions in building professional identities. Profesorado. Revista de Currículum y Formacíon de Profesorado, v. 21, n. 1, p. 181-201, Enero-April, 2017.

MESQUITA, Elza; MACHADO, Joaquim. Formação inicial de professores em portugal: evolução e desafios. In: NETO, Shigunov; FORTUNATO, Ivan (org.) Educação Superior e Formação de Professores: questões atuais. São Paulo: Edições Hipótese, 2017. p. 97-115.

NÓVOA, António. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (ed.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992. p. 13-33.

OCDE. Melhores competências, melhores empregos, melhores condições de vida: uma abordagem estratégica das políticas de competências. Paris. OCDE, 2014.

OECD. Reviews of National Policies for Education: Tertiary Education in Portugal. Paris. OECD. 2006.

OECD. Better Policies for better lives. OECD 60th anniversary. Paris. OECD. 2020.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Políticas itinerantes de educação e a reestruturação da profissão docente: o papel das cúpulas da OCDE e sua recepção no contexto brasileiro. Currículo sem Fronteiras, v. 20, n. 1, p. 85-107, jan./abr. 2020.

PORTUGAL. Decreto-lei nº 43, de 22 de Fevereiro de 2007. Institui o regime jurídico da habilitação profissional para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. Diário da República, série 1, n. 38, p. 1320-1328, 2007a.

PORTUGAL. Decreto-lei nº 369, de 5 de Novembro de 2007. Institui a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior. Diário da República, série 1, n. 212, p. 8032-8040, 2007b.

PORTUGAL. Decreto-lei nº 79, de 14 de Maio de 2014. Institui o regime jurídico da habilitação profissional para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. Diário da República, série 1, n. 92, p. 2819-2828, 2014.

ROBERTSON, Susan L.; SORENSEN, Tore. O PROGRAMA DA OCDE TALIS: enquadrando, medindo e vendendo professores de qualidade. Currículo sem Fronteiras, v. 20, n. 1, p. 43-61, jan./abr. 2020.

RODRIGUES, Filomena; MOGARRO, Maria João. Os currículos de formação inicial de professores: aproximações e distanciamentos em dois países europeus. Revista Lusófona de Educação, n. 46, p. 75-91, dezembro 2019.

SILVA, Monica Ribeiro. Impertinências entre trabalho, formação docente e o referencial de competências. Retratos da Escola. Brasília, v. 13, n. 25, p. 123-135, jan./mai. 2019.

VERGER, Antoni. A política educacional global: conceitos e marcos teóricos chave. Práxis Educativa, Ponta Grossa,v. 14, n. 1, p. 9-33, jan./abr. 2019.

Publicado

2023-05-10

Como Citar

BARBOSA, Renata Peres; SILVA, Monica Ribeiro da; ALVES, Natália. Agenda global e a influência nas políticas para formação docente: Brasil e Portugal. Debates em Educação, [S. l.], v. 15, n. 37, p. e15110, 2023. DOI: 10.28998/2175-6600.2023v15n37pe15110. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/15110. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Formação Docente: Políticas e Práticas sob a perspectiva Human

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.